Guia do Investidor
aumentoseliccopom
Colunistas

12,75%: como a nova Selic afeta seus investimentos?

A taxa , a da brasileira voltou a subir na última reunião do COPOM, e o parecer inicial é que o ciclo de altas ainda não acabou. A “nova taxa” chega a 12,75% ao ano, em seu maior valor nos últimos cinco anos e assusta que cresceram na com juros ilusórios, que foi o caso de quem migrou para o de capitais na pandemia. Mas você sabe como “surfar a onda” e manter seus investimentos rentáveis neste complicado cenário?

O que explica a alta dos JUROS?

Primeiramente, precisamos falar sobre as movimentações que explicam o aumento dos juros no Brasil, e esta movimentação se inicia na economia global.

As principais especulações sempre contavam com os nomes da , Ucrânia e Estados Unidos. Com o risco das operações para a economia destes países, investidores rapidamente se refugiram em países emergentes. Como investidor, entender o movimento não é complicado, afinal, quem gosta de perder dinheiro? A aversão ao risco é um comportamento comum no mercado, e dita uma série de tendências. A resposta desse fluxo de investidores a novos setores criou uma nova etapa para os investimentos, principalmente em países produtores de elementos essenciais e cíclicos, como commodities.

O Brasil foi um dos beneficiários destas especulações. Um bom exemplo disso, é a alta dos principais indicadores da bolsa de valores brasileira: e a apreciação do real nos primeiros três meses do ano.

Leia mais  Fuja da poupança se quiser rendimento de verdade

No entanto, quando o risco saiu do papel, o mercado rapidamente se lembrou dos horrores da guerra, e como estas complicações afetam a cadeia produtiva da economia global.

O aumento da demanda dos investidores por investimentos cíclicos, e a quebra dos ciclos produtivos na Europa graças a sanções trouxeram um rápido aumento de preços em commodities. Ou seja, em outras palavras, forçou o aumento da inflação.

A medida de controle

Para os que já estão familiarizados com política econômica, o aumento dos juros era obvio. Afinal, o aumento da Selic é a mais básica ferramenta de controle de inflação.

Considerando que, um juro mais alto onera o consumo e os investimentos, o que retira a circulação de e serviços “cortando pela raiz” os problemas inflacionários. O mercado americano corrige este movimento, com o recente aumento dos seus juros. E se a principal economia mundial puxou a fila, o Brasil não ficaria de fora.

A alta dos juros não é uma boa notícia para o mercado em geral. Afinal, conforme dito, altas taxas deixam o capital mais oneroso. As empresas seguram mais seus investimentos e, por consequência, não devem apresentar grandes disparadas operacionais. Já pelo lado dos investidores, uma taxa de juros alta traz um brilho para a , e muitos investidores mais conservadores devem voltar para os confiáveis títulos do tesouro em breve.

Leia mais  A credibilidade das informações ESG é uma missão fundamental para o profissional da Contabilidade

Já para quem é fã da boa e velha poupança, o cenário não muda muita coisa. Afinal, o investimento “mais seguro” da economia possuiu uma trava quando a taxa básica de juros passa dos 8,5% (exatamente para evitar que os investidores lucrem demais sem risco).

Avalie este post:
[Total: Média: ]

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as notícias mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Apesar dos juros altos, renda fixa requer cautela

Autor Convidado

Entenda como a alta da Selic impacta na compra de imóvel

Autor Convidado

ANBIMA revisa projeções e Selic deve chegar a 13,25% em 2022

Autor Convidado

Alta da Selic: FIIs seguem como ótima opção de investimento em 2022, diz Vectis Gestão

Autor Convidado

Como ficam seus investimentos com a Selic a 12,75% ao ano

Autor Convidado

Aumento da Selic é ineficiente no controle de preços neste momento, ressalta Firjan

Autor Convidado

Deixe seu comentário