Guia do Investidor
Análises Carteiras EUA

3 ações americanas de tecnologia prontas para disparar

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

No mês passado, as ações de tecnologia subiram e superaram o S&P 500. Parte do motivo é devido aos temores sobre a variante Delta do COVID-19. Afinal, houve um aumento significativo no número de casos COVID nos EUA, com a maioria desses casos confirmados como a variante Delta.

Mesmo que a recuperação econômica permaneça intacta, os casos crescentes são motivo de preocupação. Afinal, quando os casos aumentam, as pessoas têm menos probabilidade de sair, o que significa que os investidores voltam às ações de tecnologia que tiveram um desempenho tão bom em 2020. Sendo assim, estas companhias representam a transição do mundo para a digitalização, e simplesmente voaram graças as restrições sociais no ano passado.

Embora um novo lockdown nos EUA seja improvável, não posso argumentar com a lógica de que muitos as empresas de tecnologia se beneficiam à medida que os casos aumentam.

É por isso que os investidores devem considerar mais empresas de tecnologia ocultas, cujas ofertas não devem se beneficiar apenas com o aumento de casos, mas também no longo prazo. Assim, essas são empresas com modelos de negócios sólidos, um potencial de crescimento robusto e cujas ações não estão sendo negociadas são múltiplos altos. Portanto, confira agora 3 ações americanas prontas para disparar!

EmpresaTicker
Silicon Motion Technology Corp. SIMO
Teradata Corporation TDC
Yelp.IncYELP

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

DIs caem apesar de feriado nos EUA e IBC-Br acima do esperado

Guia do Investidor

Inflação ao produtor nos EUA surpreende e sob e acima do esperado

Guia do Investidor

Inflação nos EUA supera projeções e pode afetar mercados

Lara Donnola

Luta livre na Netflix: streaming investe R$ 5 bilhões no setor

Lara Donnola

A melhor ação de IA para 2024

Leonardo Bruno

Petróleo registra ganho de 4% após ataques dos no Iêmen

Miguel Gonçalves

Deixe seu comentário