Guia do Investidor
como montar um ecommerce
Notícias

5 coisas que o e-commerce nacional pode aprender com os marketplaces da China

Especialista em varejo indica tendências que ajudam a aumentar alcance e alavancar e são exemplo no país que mais fatura com no mundo

Com tecnologias de ponta e estratégias de venda cada vez mais redefinidas, a China se consolidou como o país que mais fatura com e-commerce. É também o primeiro país do mundo em que as vendas on-line ultrapassaram a soma de todas as vendas feitas em lojas físicas, segundo o Trade International Administration. Dados da Pitney Bowes mostram ainda que mais da metade dos brasileiros que compram pela internet consultam sites chineses, como Aliexpress e Wish, antes de realizar pedidos.

Entender e aplicar técnicas desse líder mundial é uma das estratégias para impulsionar o alcance e as vendas de um . Pensando nisso, Alexandre Nogueira, CEO da Universidade Marketplaces e consultor oficial do Livre no , lista as cinco principais lições que os marketplaces da China podem ensinar para os e-commerce nacionais. Confira:

1 – Pagamento mobile pay

Um dos sistemas que tem revolucionado os pagamentos em marketplaces na China é a possibilidade de fazer a transação financeira dentro de aplicativos, o chamado Mobile Payment, a exemplo do AliPay (do Alibaba) e do WeChat Pay, sistema semelhante à funcionalidade do WhatsApp.

“Os consumidores chineses usam o celular como principal ferramenta para compra. Desde a pesquisa do produto até a finalização do pagamento são realizados em dispositivos móveis. Mais de 90% dos pagamentos digitais feitos em aplicativos são realizados pelo WeChat e AliPay”

observa o CEO.

2 – Agilidade de entrega

Leia mais  Moda lidera em vendas no e-commerce; Veja dicas para empreender no segmento

Outra facilidade que os marketplaces da China oferecem é a agilidade no prazo de entrega. Enquanto no Brasil consumidores precisam aguardar em média 11 dias para receberem seus produtos, na China, a entrega é realizada com prazo de até um dia.

Alexandre reforça que investir na melhor experiência do consumidor aumenta significativamente as chances de fidelizar o cliente.

“É válido que anunciantes proporcionem o menor prazo de entrega possível. Com isso, será possível não só reter clientes, mas também alcançar novos consumidores”.

3 – Live commerce

As chamadas lives commerces, que tiveram início na China, já têm sido uma aposta de no Brasil. A estratégia se baseia em realizar vendas por meio de transmissões ao vivo em mídias sociais — que contam com cerca de 150 milhões de usuários no país, segundo o relatório Digital 2021, da WeAreSocial.

“É muito comum, em lojas chinesas, os influenciadores apresentarem lives em shoppings para divulgar produtos e promoções. Além disso, chineses oferecem descontos àqueles que se aproximam de lojas físicas, por meio do envio de mensagens instantâneas, direcionando esses consumidores para a compra online. Há investimento e inovação para atrair cada vez mais compras em marketplaces“

explica o CEO.

4 – Ecossistema de produtos

O conceito de marketplace na China está diretamente ligado à variedade de e produtos dentro de uma mesma plataforma como a Amazon.

“Lá, o varejo digital concentra opções diversas em um único lugar, diferente de alguns sites no Brasil, em que os produtos ainda são segmentados”

afirma.

5 – Promoções e ofertas

Leia mais  Comprar ações da C&A para 2020 é uma boa?

Com uma variedade enorme de produtos e anunciantes, os marketplaces apresentam alta concorrência de e serviços. Com tanta disponibilidade de um mesmo produto, Alexandre aponta o uso estratégico de promoções e ofertas como fator de atração, para se sobressair em meio à concorrência.

“Nos marketplaces da China, é muito comum a alta frequência de promoções e ofertas nos aplicativos, incentivando a compra do cliente”.

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

PIX ‘cola’ no boleto na disputa pelo 2º lugar no ranking de meios de pagamento no e-commerce

Guia do Investidor

Cibersegurança no e-commerce não se conquista com “promoções” e “poucos cliques”

Autor Convidado

E-commerce deve faturar R$ 6,7 bi com Dia dos Namorados em 2022

Guia do Investidor

E-commerce cresce 12,6% e fatura R$ 39,6 bilhões no 1º trimestre de 2022

Guia do Investidor

E-commerce cresce 12,6% e fatura R$ 39,6 bilhões no 1º trimestre de 2022

Guia do Investidor

Dia das Mães: e-commerce deve faturar R$ 7 bi em 2022

Guia do Investidor

Deixe seu comentário