Guia do Investidor
Acoes do Burguer King compre e espere diz BTG
Recomendações

Ações do Burguer King vão dobrar de preço?

O resultado do BK Brasil (BKBR3) no primeiro trimestre deixou os analistas com “água na boca”, com eles prevendo um “ano suculento” sobre o que vem por aí para o operador das redes de restaurantes Burger King e Popeye’s no País, diante dos sinais de retomada do tráfego às lojas e os efeitos das medidas implementadas para controlar custos.

A companhia, que sofreu muito com a restrição à circulação de pessoas nos últimos dois anos, divulgou na quinta-feira, 12 de maio, que a receita operacional líquida atingiu R$ 801,2 milhões no primeiro trimestre, crescimento de 42,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

As vendas no conceito “mesmas lojas”, métrica que considera o desempenho de unidades com um ano de funcionamento, foram positivas. Os restaurantes da bandeira Burger King tiveram alta de 21,4%, revertendo a queda de 10,3% vista no mesmo período de 2021.

O mesmo ocorreu com a Popeye’s, cujas vendas “mesmas lojas” passaram de queda de 23,5% para alta de 60,4%. Esse desempenho, combinado com renegociações de contratos com fornecedores e iniciativas da administração para impulsionar a receita, levaram a margem bruta a atingir o maior patamar desde 2018, de 63,4%.

Leia mais  Veja o que 4 corretoras recomendam para a semana

A evolução operacional que o BK Brasil registrou no primeiro trimestre ganhou destaque no relatório de Marcella Recchia, do Credit Suisse, a ponto de sua análise se intitular “Um começo suculento para o que vem por aí”, em tradução livre do inglês.

Ela recomenda a compra das , com preço-alvo de R$ 10,50, o que representa um potencial de alta de 65% ante o fechamento de ontem.

“A manutenção das eficiências com os quiosques de autoatendimento e maior alavancagem operacional levaram a uma melhora significativa nas despesas com pessoal e ocupação de lojas, que representaram 17,3% e 9,2% da receita, abaixo dos 25,1% e 11,1% do primeiro trimestre de 2021, respectivamente”, diz um trecho do relatório.

A evolução da receita líquida, da margem bruta e o controle das despesas gerais e administrativas também foram destacadas pelos analistas Thiago Bortoluci e Galdino Falcao, do Goldman Sachs, como um bom indicador sobre o que vem por aí.

No relatório, eles citaram ainda que o BK Brasil conseguiu superar o consenso do mercado para o em 18% no trimestre, mesmo após as projeções terem subido em mais de 100% nas últimas duas semanas.

“Olhando para frente, acreditamos que o retorno gradual do tráfego aos restaurantes, que ainda está 15% abaixo dos níveis pré-pandemia, deve continuar suportando não apenas o crescimento das vendas, mas resultar numa forte alavancagem operacional”.

Os analistas reiteraram a recomendação de compra para as ações do BK Brasil, com preço-alvo de R$ 12,50, indicando um potencial de alta de 96,2%. O papel é uma das principais indicações do Goldman Sachs para o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais  Ações de distribuidoras de combustíveis: hora de comprar?

O otimismo dos analistas com o desempenho do BK Brasil está sendo acompanhado pelos , com as ações da empresa subindo no pregão desta sexta-feira, 13 de maio. Por volta das 12h23, as ações subiam 4,55%, a R$ 6,66. Com isto, elas acumulam alta de 14,4% no ano e a companhia registra valor de mercado de R$ 1,8 bilhão.

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

BK Brasil (BKBR3): Conselho aprova Ariel Grunkraut para suceder Iuri Miranda na presidência

Ruan Sousa

Acionistas do BK Brasil (BKBR3) aprovam mudança de nome para Zamp

Ruan Sousa

Acionistas do BK Brasil (BKBR3) aprovam mudança de nome para Zamp

Ruan Sousa

BK Brasil (BKBR3) reduz prejuízo no 1T22

Ruan Sousa

Burger King (BKBR3) quer mudar nome no Brasil para Zamp

Ruan Sousa

Burguer King (BKBR3) engrena no resultado 4T21 e bate recorde em vendas e EBTIDA

Diego Marques

Deixe seu comentário