Guia do Investidor
Bitcoin / Criptomoedas Notícias

Altcoins atraem investidores mais ousados e que buscam maiores ganhos em moedas digitais

Volume investido em alternativas já supera o do no mundo com cada vez mais adeptos.

Muita gente pode ter se surpreendido com a redução do valor de do bitcoin nos últimos meses em relação ao ano passado. Mas o conhecedor do mercado de criptomoedas sabe que essa variação é algo esperado para o ativo. Esse investidor não só mantém sua operação na maior e mais consolidada moeda digital do mundo como está atrás de outras que possuem grande potencial e que podem passar por uma valorização semelhante ou até maior do que a que ocorreu com o bitcoin em 2017. Essas moedas “alternativas” são denominadas “”.

O que são as Altcoins?

As altcoins são criptomoedas alternativas ao Bitcoin, que não chegaram ainda ao patamar do bitcoin, mas que muitas delas já possuem um histórico interessante e um nível de estabilidade que indicam que ela pode ser um ativo seguro para se investir. As altcoins já possuem uma cotação semelhante à do bitcoin há dois anos e atraem a atenção dos com gosto maior pelo risco.

“Analisando o histórico dessas moedas, vemos que elas já possuem um certo nível de estabilidade que indicam a possibilidade de receber um investimento mais significativo. Não há garantia de que vai acontecer uma valorização tão grande como a do bitcoin, mas algumas possuem um potencial interessante”, afirma André Horta, sócio da , exchange pioneira na negociação de criptomoedas no . .

Bitcoin só representa 40% do mercado de criptomoedas

Para se ter uma ideia, no início de 2017, cerca de 80% do volume investido em criptomoedas no mundo estava depositado em bitcoin. Atualmente, segundo a de pesquisa DAR, mesmo com o ativo valendo sete vezes mais que no ano passado, o bitcoin responde somente por menos de 40% do mercado das criptomoedas.

“Cada vez mais pessoas estão buscando alternativas para ganhos maiores, apostando no aumento da popularidade das criptomoedas em todo o mundo. Mas é preciso pesquisar bem o histórico desses e procurar fontes confiáveis de informação para começar a operar com uma nova moeda digital”, afirma Alexander Horta, diretor da Bitcointoyou.

Onde comprar Altcoins no Brasil?

A partir de julho, a Bitcointoyou lançou uma nova plataforma de negociação para seus mais de 310 mil clientes. Mais moderna, ágil e ainda mais segura, a nova ferramenta possibilitou a oferta de mais criptomoedas para negociação, entre elas Ethereum, Ripple, Litecoin, Dash e IOTA.

Leia mais  China faz um "ataque" ao Bitcoin, que já cai mais de 30%

Nas primeiras semanas de funcionamento, as criptomoedas Ripple, Ethereum e Binance Coin foram as mais procuradas pelos clientes da Bitcointoyou, além é claro do Bitcoin, o que prova que o interesse nas altcoins está se tornando ainda maior.

É possível comprar Ethereum, Litecoin e em breve Bitcoin Cash através da corretora BitcoinTrade.

Através da nova plataforma Profitfy é possível comprar Litecoin e Decred.

Onde comprar altcoins no exterior e qual o melhor lugar para negociá-las?

Infelizmente no Brasil ainda não existe uma liquidez sólida para a negociação de altcoins em grandes volumes. Nós recomendamos o cadastro na Binance, a maior corretora de criptomoedas do mundo. Cadastre-se agora na Binance e comece a ganhar com criptomoedas.

LULA OU BOLSONARO? Não corra o risco das eleições no Brasil: abra sua conta no exterior e proteja seu patrimônio

Recomendações no seu e-mail

Nossas redes:

Leia mais

Órigo Energia anuncia novo investidor e projeta investimento de R$ 4 bilhões no setor de geração compartilhada até 2024

Guia do Investidor

Investimentos em crédito privado bateram recordes positivos

Guia do Investidor

Oportunidades históricas que não podemos perder

Autor Convidado

Investimentos de Private Equity e Venture Capital ultrapassam R$ 28 bilhões no primeiro semestre

Guia do Investidor

Como se tornar um analista de investimentos? Saiba tudo

Suno Research

Brasil precisa criar estoques estratégicos para insumos como gás natural, fertilizantes e remédios, afirma especialista

Autor Convidado

Deixe seu comentário