Guia do Investidor
iStock 1198544754
Notícias

Após alta recorde, preço de locação comercial desacelera em maio

+ registrou avanço de 0,66% no do segmento, enquanto preços de venda permaneceram estáveis

■ Análise do último mês: com base na última apuração mensal do Índice FipeZAP+, os preços de venda de salas e conjuntos comerciais de até 200 m² oscilaram perto da estabilidade (-0,02%), enquanto os preços de do segmento* desaceleraram frente ao mês anterior, apresentando uma alta de 0,66% em maio de 2022. Comparativamente, a inflação mensal medida pelo IPCA/IBGE registrou uma elevação de 0,47% nos preços ao , ao passo que o IGP-M/FGV apurou um aumento de 0,52% nos preços da brasileira. Considerando as 10 cidades onde o segmento comercial é atualmente monitorado, os preços de venda avançaram em: Brasília (+1,69%), Florianópolis (+0,70%), Curitiba (+0,45%) e Niterói (+0,12%), contrastando com os recuos observados em: Salvador (-1,02%), (-0,26%), Porto Alegre (-0,21%), Rio de Janeiro (-0,06%), Campinas (-0,03%) e São Paulo (-0,02%). Já em relação ao valor do aluguel de salas e conjuntos comerciais, a alta foi mais generalizada, abrangendo: Florianópolis (+1,54%), Rio de Janeiro (+1,19%), Curitiba (+1,07%), Belo Horizonte (+0,74%), Campinas (+0,67%), São Paulo (+0,56%) e Porto Alegre (+0,50%). Em contrapartida, apurou-se queda mensal nos aluguéis comerciais em: Niterói (-1,36%), Salvador (-0,22%) e Brasília (-0,12%).
 

 Análise dos últimos 12 meses: em média, os preços de comerciais avançaram marginalmente nos últimos 12 meses (+0,04%), em contraste aos preços de locação do segmento, que acumularam uma alta nominal de 4,71% nesse mesmo horizonte temporal. Comparativamente, ambas variações se mantiveram abaixo dos resultados dos principais índices de preço da economia doméstica: IPCA/IBGE (+11,73%) e IGP-M/FGV (+10,72%). Individualmente, aumentos nos preços de venda dos comerciais foram registrados em Curitiba (+9,65%), São Paulo (+1,37%), Niterói (+0,38%), Campinas (+0,33%) e Brasília (+0,28%), em contraste aos recuos nos preços em: Salvador (-5,38%), Rio de Janeiro (-2,96%), Belo Horizonte (-2,29%), Porto Alegre (-0,20%) e Florianópolis (-0,06%). Quanto ao comportamento do aluguel comercial nos últimos 12 meses, o Índice FipeZAP+ destaca as altas apuradas em: Brasília (+7,77%), Curitiba (+7,35%), Rio de Janeiro (+6,51%), São Paulo (+5,20%), Niterói (+4,52%), Florianópolis (+4,08%), Campinas (+3,78%), Belo Horizonte (+3,54%) e Porto Alegre (+1,78%). A única das 10 cidades acompanhadas onde os preços de locação de salas e conjuntos comerciais recuaram em 12 meses é Salvador (-2,92%).

Leia mais  Cielo e Facebook juntos - Ações CIEL3 disparam 30%

 Preço médio de venda e locação: em maio de 2022, o valor médio do m2 de imóveis comerciais anunciados nas cidades monitoradas pelo Índice FipeZAP+ Comercial foi de R$ 8.459/m2 , no caso de imóveis comerciais anunciados para venda, e de R$ 39,18/m2 entre aqueles destinados para locação. Considerando todas as 10 cidades monitoradas pelo Índice FipeZAP+ Comercial, a cidade de São Paulo se destacou com o maior valor médio tanto para venda de salas e conjuntos comerciais de até 200 m² (R$ 9.825/m2 ), quanto para locação desses imóveis (R$ 46,61/m2 ). Comparativamente, no Rio de Janeiro, os preços médios de venda e de locação de salas e conjuntos comerciais anunciados no último mês foram R$ 9.068/m² e de R$ 39,93/m², respectivamente.

■ Rentabilidade do aluguel comercial*: pela razão entre o preço médio de locação e o preço médio de venda, é possível obter uma medida da rentabilidade para o investidor que opta por com a finalidade de obter renda com o aluguel. O indicador resultante (rental yield) pode ser útil para avaliar a atratividade de salas e conjuntos comerciais em relação a alternativas de investimento disponíveis. Em maio de 2022, o retorno médio do comerciais foi calculado em 5,69% ao ano, superando a rentabilidade projetada para a locação de imóveis residenciais (4,92% ao ano). Mesmo com o ligeiro avanço registrado, a rentabilidade do aluguel (em ambos segmentos) se manteve baixo do retorno médio esperado de aplicações financeiras de referência nos próximos 12 meses. As localidades com os maiores retornos do aluguel comercial incluíram: Salvador (7,87% a.a.), Campinas (6,48% a.a.), Brasília (6,17% a.a.) e São Paulo (5,98% a.a.).

Leia mais  Preços do aluguel comercial têm maior elevação mensal desde 2014

Nota (*): os preços considerados se referem a anúncios para novos aluguéis. O Índice FipeZAP+ não incorpora em seu cálculo a correção dos aluguéis vigentes, cujos valores são reajustados periodicamente de acordo com o especificado em contrato.

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as notícias mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Índice FipeZAP+ registra maior alta do aluguel comercial desde 2013

Guia do Investidor

Imóveis residenciais registram queda de 2p.p. na intenção de compra no 1º tri, aponta Raio-X FipeZAP+

Guia do Investidor

Preços do aluguel comercial têm maior elevação mensal desde 2014

Gabriel Tavares

Valor do metro quadrado no Brasil nem sempre é real

Victor Rodrigues

Índice FipeZap Preços dos imóveis sobem 0,55% em março e encerram 1º tri com alta de 1,58%

Victor Rodrigues

Preços de locação de imóveis comerciais avançam 0,43% em fevereiro

Diego Marques

Deixe seu comentário