Guia do Investidor
DSC0522bx 1
Carteiras Notícias

Aumente exposição a setor de celulose, recomenda BTG

  • É hora de comprar de , segundo o ;
  • O banco de investimento, acredita que o setor vai se manter forte em meio as crises;
  • Além disso, a cotação atual da celulose abre margens de valorização para os do setor.

É o momento ideal de expor seu portfólio para o setor de celulose. Pelo menos, é o que recomenda o banco BTG Pactual, ao atualizar suas avaliações para as principais ações deste setor! Confira agora!

Hora de comprar ações do setor de celulose? Entenda

Assim, o BTG reiterou hoje sua avaliação outperform (acima da média do ) para  (SUZB3) e (KLBN11) e avalia que o setor de celulose é “antifrágil”.

Desse modo, o banco avalia que o setor está muito menos exposto à crise hídrica e que os preços da celulose podem ter chegado ao seu nível mais baixo. Além disso, o BTG lembra que o processo de produção tem energia como subproduto, o que faz com que os produtores de celulose tendam a ser autossuficientes nesse quesito, sendo que algumas fábricas vendem excesso de energia para a rede. “Em suma, acreditamos que faz sentido que os investidores aumentem as alocações em ações de papel e celulose”, diz relatório do banco. 

a pena investir no setor de celulose?

Além do BTG, recentemente o deu ao mercado sua análise do setor, confira agora:

Leia mais  Brasil pode entrar em profunda desaceleração econômica e dólar disparar, diz banco

Primeiramente, a research destaca que o segundo trimestre do ano deve ser marcado por preços maiores em todas as linhas, tanto na celulose quanto nos segmentos de papel.

Afinal, o setor segue sendo beneficiado pelo bom momento das commodities no exterior, com demanda elevada, o que permitiu a implementação dos anúncios de preços observados ao longo do semestre. No entanto, devemos ver pressões nos custos das companhias, em razão de maiores preços de combustíveis e energia. Mesmo assim, devemos ver margens em níveis satisfatórios e resultados robustos para duas importantes do setor: a Suzano (SUZB3) e a Klabin (KLBN11).

Além disso, a demanda global de celulose segue aquecida enquanto a oferta ainda sente os efeitos de paradas não programadas e adiadas devido à pandemia e ao cenário desafiador no transporte marítimo internacional. Com isso, no 1S21, os preços de praticamente todas as fibras tiveram avanços importantes, especialmente quando comparados aos preços e depreciados de 2019. Com as negociações na China tornando-se mais difíceis, parte das vendas foi direcionada para outros mercados, contribuindo para volumes em bons níveis e preços ainda melhores.

Avalie este post:
[Total: Média: ]

Nossas redes:

Leia mais

No “resumo da temporada 1T22” companhias se saíram bem; Aponta BTG

Leonardo Bruno

Via (VIIA3): BTG (BPAC11) mantém recomendação neutra

Ruan Sousa

BTG (BPAC11) reitera recomendação de compra para as ações do Grupo Mateus (GMAT3)

Ruan Sousa

Ações do BTG (BPAC11) ainda pode subir 36%, diz Safra após balanço do 1T22

Ruan Sousa

Confira as indicações de ações da Warren para a semana

Leonardo Bruno

Com lucro de R$ 2,1 bilhões no 1T22, BTG Pactual lidera as altas da bolsa nesta segunda

Leonardo Bruno