Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Banco Central vai acabar com TED e DOC

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O Banco Central publicou, ontem a Circular nº 4.027, que institui e regulamenta o Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI) e a Conta de Pagamentos Instantâneos (Conta PI).

Essas duas ferramentas, fazem parte do projeto do BC de permitir pagamentos instantâneos, cuja marca é o PIX. De acordo com a circular, o sistema começará a funcionar em 3 de novembro de 2020 e estará totalmente funcional em 16 de novembro.

De fato no novo sistema lançado pelo Banco Central, os pagamentos instantâneos serão transferências monetárias eletrônicas. Em que a transferência e a disponibilidade do dinheiro na conta seja na mesma hora. As transferências poderão ser feitas a qualquer momento, 24 horas por dia, todos os dias do ano.

Bancos e Fintechs

De acordo com lista divulgada pelo BC, diversas instituições pediram adesão ao programa. Tanto grandes instituições financeiras como Banco do Brasil, Itaú, Santander, Bradesco e até as novas fintechs, tais como o PicPay,  PayPal, Nubank, Mercado Pago, PagSeguro e diversas outras.

Uma exigência do Banco Central, para as empresas que pretendem aderir ao programa. É a verificação de como as instituições vão apresentar o PIX aos seus clientes. De fato para o Banco Central é importante que as interfaces atendam os requisitos definidos pelo Banco Central.

Precisamos garantir que a população tenha acesso ao PIX de forma simples e prática, para que dos entendam e possam usar esse novo meio de pagamento”. Explicou Breno Lobo, chefe de divisão no BC.

Entenda o PIX

De acordo com Campos Neto, o presidente do Banco Central. O sistema permitirá transferências instântaneas entre contas correntes utilizando apenas um QR Code.

Leia mais  Greve no Banco Central em dia de inflação

Atualmente as transferências entre contas bancárias de diferentes instituições são feitas através de TEDs e DOCs. Já os pagamentos de contas do dia a dia são feitos por boletos, transações físicas, por cartões e com dinheiro vivo.

Essas operações eletrônicas podem levar dias. E muitas delas acabam custando caro (algumas instituições chegam a cobrar mais de R$20 por TED, por exemplo). E o dinheiro vivo pode representar um risco maior tanto para o pagador quanto para o recebedor.

De fato com o lançamento do PIX modalidades de pagamento como o TED e o DOC deixarão de ser as únicas modalidades para os cidadãos. O PIX passa a ser uma alternativa para transferir e fazer pagamentos.


Nos siga no Google News
Leia mais  Banco Central autoriza o uso de boletos para depósito em conta

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Airbnb agora aceita PIX para pagamento de reservas

Fernando Américo

Inovação do setor financeiro, Drex será o Pix dos investimentos

Fernando Américo

“PIX dos Investimentos”: entenda mudança em norma da CVM

Guia do Investidor

Campos Neto, alvo de Lula, sai de férias

Márcia Alves

Governo tem rombo de R$ 61 bi em Maio, pior resultado em 04 anos

Márcia Alves

Transações bancárias no Brasil disparam com smartphones

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário