Guia do Investidor
Design by freepik
Notícias

Brasil vive insustentabilidade fiscal, avalia ex-ministro da Fazenda

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • O ex-ministro Maílson alerta sobre uma iminente crise fiscal no Brasil
  • De acordo com ele, esta crise, acontece devido à resistência do governo
  • Ele critica a postura do presidente Lula em não cortar os gastos sociais

Maílson da Nóbrega, ex-ministro da Fazenda, alerta sobre uma iminente crise fiscal no Brasil devido à resistência do governo. Esta, em reduzir despesas obrigatórias.

Ele critica a postura do presidente Lula em não cortar gastos sociais e a considera um dos fatores que afetam negativamente os mercados brasileiros. Nóbrega também avalia que os cortes anunciados pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, são insuficientes para reverter o quadro de insustentabilidade fiscal. Destacando, assim, a inviabilidade de ajustes pela arrecadação e a resistência do Congresso ao aumento de impostos​

“Em algum momento vai acontecer um colapso , a não ser que se ataque o gasto obrigatório. Mas, no governo Lula, é zero a chance de se fazer algo”. Apontou, Maílson.

Maílson da Nóbrega é um economista e ex-ministro da Fazenda do Brasil, atuando durante o governo de José Sarney entre 1988 e 1990. Reconhecido por sua expertise em políticas econômicas, ele é uma voz influente em análises e previsões econômicas. Atualmente, Maílson atua como sócio da Tendências Consultoria Integrada, oferecendo consultoria econômica. Ele também escreve regularmente para veículos de mídia, abordando, contudo, temas relacionados à economia brasileira e global.

Leia mais  Negros enfrentam desigualdades no mercado de trababalho, diz Dieese

Resistência do governo

Ele, ainda aponta, que não se “impressionou” com as medidas de cortes de gastos anunciados por Fernando Haddad, na última semana. E que “geraram alívio” nos ativos financeiros.

“O mercado costuma comprar pelo valor de face as declarações de autoridades”, mas elas não revertem o quadro de “insustentabilidade fiscal”. Complementa.

Como citado, de acordo com as falas do ex-ministro, a resistência do governo em reduzir despesas obrigatórias piora, portanto, os resultados fiscais.

Maílson da Nóbrega critica o presidente Lula por não cortar gastos sociais, destacando a inviabilidade de ajustes pela arrecadação e a resistência do Congresso ao aumento de impostos.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Ele menciona que as críticas ao Banco Central, especialmente sobre a política monetária e a taxa de juros, são um fator adicional que afeta negativamente os mercados. E, dessa forma, a percepção sobre a sustentabilidade fiscal do país.

Leia mais  Petrobras assina aditivo de compra de gás de estatal da Bolívia

Dólar a R$ 5,70: Haddad não baixará IOF para segurar alta

O governo não pretende reduzir o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre o câmbio para segurar a alta do dólar, disse nesta terça-feira (2), em Brasília, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Ele afirmou, contudo, que uma comunicação melhor sobre o arcabouço fiscal e a autonomia do Banco Central (BC) significa a principal ação necessária para conter a desvalorização do real.

“Não sei de onde saiu esse rumor [do IOF]. Aqui na Fazenda, estamos trabalhando uma agenda eminentemente fiscal com o presidente [Luiz Inácio Lula da Silva] para apresentar a ele propostas para cumprimento do arcabouço em 2024, 2025 e 2026. Eu acredito que o melhor a fazer é acertar a comunicação, tanto em relação à autonomia do Banco Central, como o presidente fez hoje de manhã, quanto em relação ao arcabouço fiscal”, declarou o ministro após reunião com deputados para discutir a regulamentação da reforma tributária.

Após fechar a segunda-feira (1º) a R$ 5,65, o dólar continuou a subir nesta terça-feira (2). A cotação abriu em pequena baixa, caindo para R$ 5,63 nos primeiros minutos de negociação, mas chegou a R$ 5,70 por volta das 16h.

Rigidez do arcabouço fiscal

Haddad, dessa forma, reiterou a necessidade de melhoria na comunicação.

“Não vejo nada fora disso, autonomia do Banco Central e rigidez do arcabouço fiscal. É isso que vai tranquilizar as pessoas. Uma atenção mais em comunicação do que de outra coisa”, argumentou.

Atualmente, quem faz qualquer operação cambial – como compra no cartão no exterior – paga 4,38% de IOF. Para compra de moeda estrangeira em espécie, a taxação é de 1,1% e deve ser zerada em 2028.

Leia mais  Aneel mantém bandeira tarifária verde para maio

Até 2022, incidiam 6% de IOF sobre empréstimos de até 180 dias, mas a taxa foi zerada naquele ano. O Brasil está diminuindo a tributação sobre o câmbio como compromisso para o país entrar na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Haddad reiterou que se encontrará nesta quarta-feira (3) com o presidente Lula para tentar avançar em um plano de revisão de gastos e de cortes de despesas. Segundo o ministro, o presidente está, portanto, preocupado com a alta da moeda norte-americana.



Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Linha do Tempo: Tentativas de assassinatos presidenciais nos EUA

Paola Rocha Schwartz

“Erro Petista”: Críticas a Lula por reativação da indústria naval

Paola Rocha Schwartz

Está com saque do PIS/Pasep congelado? Veja como resolver

Agência Brasil

Fundos registram captação líquida de R$ 159 bilhões no semestre

Fernando Américo

BlackRock lucra US$ 1,5 bi no 2T24 e supera expectativas

Paola Rocha Schwartz

Governo Lula estuda liberar “jogo do tigrinho”

Márcia Alves

Deixe seu comentário