Guia do Investidor
BTG7
Notícias

BTG Pactual (BPAC11) lança ETF focado em Debêntures junto com a Teva Indices

O primeiro ETF de crédito privado do Brasil chega à (B3SA3) por meio do Pactual (BPAC11).

Assim sendo, o banco de investimentos está lançando o ETF Debêntures DI (DEBB11), que será desenvolvido em parceria com a Teva Indices.

Diante disso, o ETF irá replicar o Teva Debêntures DI, carteira teórica de debêntures emitidas por companhias abertas e que já possuem liquidez no mercado. 

Desse modo, dentro do índice, há debêntures com emissão igual ou superior a R$ 300 milhões. Ou seja, com volume mensal de negociação no valor mínimo de R$ 10 milhões e que tenham pelo menos 40% de presença em dias de negociação.

Nesse sentido, uma vez adicionados, os permanecem no mínimo um ano na composição do índice, salvo em casos de eventos de crédito.

Atualmente, a carteira do índice é composta por 90 ativos de 61 emissores e é rebalanceada mensalmente, de acordo com a metodologia do índice proprietário da Teva. 

Na data de listagem, a cota inicial do fundo começou a ser negociada a R$ 10, com um lote mínimo de 1 cota.

Leia mais  BTG Pactual fecha acordo com Privalia Brasil; Confira

Ações do BTG () ainda pode subir 36%, diz Safra após balanço do 1T22

A ação do BTG Pactual (BPAC11) teve alta de 3,60% na segunda-feira (9) e fechou o dia a R$ 22,69. Nesse sentido, o movimento de compra das ações foi em reação aos dados da companhia no primeiro trimestre de 2022.

Desse modo, segundo o Banco Safra, no entanto, os papéis ainda podem crescer até o fim do ano.

Diante disso, em relatório, assinado por Luiz F. Azevedo e sua equipe, o banco calculou o preço-alvo da companhia em R$ 31. Isto é, o que indica uma alta de 36% frente o valor de no último .

Resultados fortes

Dessa maneira, o BTG registrou lucro líquido ajustado de R$ 2,1 bilhões no 1T22. Isso é, de 72% na comparação com o mesmo período um ano antes.

Assim sendo, o banco ainda avalia que o trimestre foi histórico para o banco, Isto é, com receita e lucro líquido recordes desde o IPO.

Conforme os analistas do Safra, os resultados do banco “foram fortes, mostrando a força de sua diversificação de negócios”, destacando os dados acima de suas expectativas.

Leia mais  BTG (BPAC11) repassará custos de ISS, PIS, COFINS à corretagem de clientes

Destaques corporativos

Ademias, Azevedo e sua equipe ainda ressaltaram o desempenho das linhas de gestão de ativos e patrimônio. Isto é, cujos resultados cresceram 18,3% e 93,6% frente comparação anual, respectivamente.

Para os especialistas, o resultado positivo veio “devido à sólida entrada de novos recursos líquidos em ambos os segmentos, apesar da sazonalidade”.

Além disso, as receitas de vendas e negociação foram outro destaque, devido ao dado de R$ 1,4 bilhão atingido no período. Ou seja, uma alta de 82,6% no ano, de 61,6% no trimestre, e 43,4% acima das estimativas do Safra.

Conforme o relatório, os resultados foram impulsionados “por atividade recorde de clientes (baseada em e fluxos), maior volatilidade do mercado de ações e melhor alocação de VaR (indicador de risco no curto prazo”.

LULA OU ? Não corra o risco das eleições no Brasil: abra sua conta no exterior e proteja seu patrimônio

no seu e-mail

Nossas redes:

Leia mais

Desempenho dos sonhos? Lucro do BTG Pactual dispara 26,5% e chega a R$ 2,1 bilhões

Leonardo Bruno

As melhores ações para Agosto segundo o BTG Pactual

Leonardo Bruno

Hora de Dividendos: BTG e TOTVS anunciam pagamentos

Leonardo Bruno

B3 (B3SA3) anuncia sua sexta emissão de debêntures

Leonardo Bruno

BTG (BPAC11) fecha parceria inédita com BlackRock

Guia do Investidor

Investidores estão fugindo da bolsa? B3 registra queda de 25% em negociações em Junho

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário