Guia do Investidor
Bolsonaro e Lula
Notícias Política

Confrontos com STF e TSE interrompem crescimento de Bolsonaro na corrida eleitoral aponta pesquisa

segue liderando com 46% das intenções de voto. fica com 21% e para de subir depois de três meses 45% reprovam perdão a deputado condenado pelo ; 30% aprovam. Desconfiança em relação às urnas eletrônicas cai para 22%.

Eleitores avaliam que presidente erra ao propor enfrentamento institucional, pôr em xeque a credibilidade das urnas eletrônicas e ao perdoar deputado condenado pelo Supremo.

A 11ª rodada da pesquisa presidencial Genial/Quaest, a mais longa série de sondagem eleitoral com entrevistas presenciais, mostra que os embates do com o Supremo Tribunal Federal (STF) e com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) interromperam a tendência de crescimento da sua candidatura. A maior parte dos eleitores reprovou o perdão presidencial ao deputado Daniel Silveira, condenado por ameaças aos ministros do STF, enquanto caiu a porcentagem dos que desconfiam das urnas eletrônicas. As intenções de voto em Bolsonaro vinham subindo desde fevereiro.

Para Felipe Nunes, diretor da Quaest, “a graça presidencial ao deputado Silveira engajou os setores radicais da campanha, mas afastou o eleitor moderado que vinha se aproximando do presidente”. Nunes demonstra o argumento com a divisão sobre a rejeição ao perdão entre os eleitores que gostariam que nem-Bolsonaro-nem-Lula vencessem a disputa. “Como os eleitores de Bolsonaro e Lula já estão definidos, é a faixa dos Nem-Um-Nem-Outro que vai decidir a eleição. Entre esses eleitores, 54% reprovam a ação do presidente, contra 17% que aprovam”, diz Nunes. O afastamento dos moderados explica por que caiu o número de eleitores que votaram em Bolsonaro em 2018 que defendem a reeleição. Eram 63% em abril e são 58% hoje. A pesquisa mostra que 18% dos eleitores de Bolsonaro nas passadas pretendem votar em Lula.

Perguntados se o perdão ao deputado mudou a possibilidade de voto no presidente, 12% responderam que diminui e 45% que confirmou a intenção de não votar pela reeleição. O levantamento mostrou ainda que a faixa de brasileiros que desconfia das urnas eletrônicas caiu de 29% para 22% desde setembro do ano passado, quando foram organizados protestos pedindo o voto impresso.

Leia mais  Governo digital: Brasil está modernizando serviços públicos

De acordo com a pesquisa Genial/Quaest, se a eleição fosse hoje o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estaria na margem de erro para vencer no primeiro turno. Ele tem 46% das intenções de voto no primeiro turno contra 44% dos adversários somados. No cenário com oito candidatos, Bolsonaro vem em segundo lugar com 29% das intenções de voto, seguido por Ciro Gomes com 7%, João Doria e André Janones com 3%, Simone Tebet e Felipe D’Ávila com 1% e Luciano Bivar com 0%.

Lula ganha em quatro regiões do país: Nordeste (62% a 20%), Sudeste (43% a 29%), Norte (40% a 35%) e Sul (36% a 34%), neste último caso dentro da margem de erro de dois pontos percentuais. Na Região Centro-Oeste, Bolsonaro está com 48% contra 32% de Lula. Entre as mulheres, o ex-presidente fica com 51% dos votos, contra 22% do atual presidente. Na simulação do segundo turno, Lula chega a 54% contra 34% de Bolsonaro.

Para 58% dos brasileiros, o atual presidente não merece um segundo mandato, enquanto 44 % acham que Lula não merece voltar ao Palácio do Planalto. A pesquisa também indica que o voto já está cristalizado para 63% dos eleitores. Em 2018, este grau de decisão só aconteceu em setembro. Em outra pergunta, os entrevistados puderam dizer quem gostariam que vença a eleição: 45% preferem Lula e 29% optam por Bolsonaro.

A também vem influenciando diretamente na eleição. Ela é o principal problema do país, na avaliação de 50% dos entrevistados. Para 62%, a situação econômica piorou no último ano. Porém, 52% têm expectativa de melhora. Em relação à pandemia, os eleitores acreditam que Bolsonaro mais errou do que acertou, embora 71% considerem positivo o trabalho do Sistema Único de (SUS).

Leia mais  Lucro da MRV cai 47,8% no 1T22 e chega a R$ 71 milhões

A pesquisa Genial/Quaest ouviu 2.000 pessoas com mais de 16 anos entre os dias 5 e 8 de maio em entrevistas nas casas dos eleitores em 27 Estados. Desde julho de 2021, a Genial/Quaest realiza pesquisas de intenção de voto para as eleições presidenciais. É a mais longa série de sondagens feitas presencialmente no país.

Metodologia

A Pesquisa Genial/Quaest trabalha com metodologia inédita de acompanhamento da opinião pública. Até novembro de 2022, serão 24 rodadas de pesquisa nacional, cada uma delas implicando em duas mil coletas domiciliares face a face, realizadas nas 27 unidades da federação, abrangendo 123 municípios.

A partir das entrevistas domiciliares, é feita a decupagem, análise e estratificação dos dados por sexo, idade, escolaridade, renda e População Economicamente Ativa (PEA). A pesquisa também recebe tratamento estatístico de pós-estratificação para reduzir as chances de viés de seleção e de não-resposta. Trata-se do primeiro levantamento feito em âmbito nacional que combina coleta domiciliar com modelagem em pós-estratificação.

O nível de confiança da pesquisa Genial/Quaest é de 95%, com margem de erro máxima de 2%, para cima ou para baixo, em relação ao total da amostra.

Leia mais  Credit Suisse aposta em eleições com Lula vitorioso e traça cenários de investimento

Pesquisa completa aqui

Avalie este post:
[Total: 1 Média: 5]

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Eleições: Pesquisa do BTG Pactual aponta Lula vencedor nas urnas na maioria dos cenários

Leonardo Bruno

Segunda Via consolidada: PSB indica Geraldo Alckmin a vice da Chapa Lula

Leonardo Bruno

Eleição, queda econômica e problema estrutural: quais são as perspectivas do Brasil nos próximos tempos?

Autor Convidado

Bolsonaro “demite” presidente da Petrobras; O que muda?

Leonardo Bruno

Fenafisco faz alerta a população por incentivos fiscais e atitudes populistas do governo

Victor Rodrigues

Guerra, inflação e eleições reforçam necessidade de diversificação, avalia Spiti

Victor Rodrigues

Deixe seu comentário