Guia do Investidor
criptomoedas 2022
Bitcoin / Criptomoedas

Não é só Bitcoin: 5 criptomoedas para ficar de olho em 2022

Desde a criação do Bitcoin em 2009, novas foram surgindo e conquistando o seu espaço. Dados do Banco Central, mostram que os brasileiros já compraram mais de R$ 23,3 bilhões em criptomoedas somente em 2021.

Bombando: veja lista completa de Games NFT para você fazer dinheiro

Para Wendel Smith, especialista em cripto e responsável pelo Vector – plataforma para operar da Nelogica, investech que desenvolve softwares de alta para o mercado financeiro, o mercado de criptomoedas oferece diversas oportunidades que vão além do Bitcoin.

Segundo o especialista, é necessário sempre acompanhar o mercado e suas tendências e, para ajudar, ele listou 5 moedas para ficar de olho, são elas:

1 – Ethereum ()

Criado pelo jovem russo Vitalik Buterin em 2014, Ethereum é pioneiro na aplicação do conceito de contratos inteligentes através do blockchain, se tornando a primeira rede de criação e execução de aplicações descentralizadas, também chamadas de dApps (Decentralized Applications). Hoje o Ethereum é o segundo maior blockchain em valor de mercado, sendo a rede escolhida por muitos desenvolvedores de NFT e DeFi (Decentralized Finance). Seu token ETH é utilizado para pagar as taxas de execução dessas aplicações e já valorizou mais de 400% só em 2021

2 – (BNB)

Lançada em 2017 pela Binance, maior exchange (corretora de criptomoeda) do mundo atualmente, o BNB foi criado como um meio de oferecer descontos nas taxas de negociação da Exchange aos detentores da criptomoeda. A cripto foi originalmente criada na rede do Ethereum, mas hoje possui duas redes com o BNB como criptomoeda nativa: Binance Chain e Binance Smart Chain. Semelhante ao ETH, o BNB é utilizado para pagar as taxas de transação e execução de aplicações descentralizadas da rede. E somente em 2021 ele teve uma valorização superior a 1.300%

Leia mais  QBTC11: ETF permite comprar Bitcoin através da Bolsa

3 – Solana ()

Criada em 2018 a partir de pesquisas prévias do seu co-fundador Anatoly Yakovenko, a Solana é um blockchain que se popularizou bastante em 2021 e também permite a criação e execução de aplicações descentralizadas. Seu diferencial está no uso do algoritmo baseado em Proof of History que permite a escalabilidade da rede e possibilita que sejam realizadas até 710.000 transações por segundo. Semelhante ao ETH e BNB, SOL é a criptomoeda da rede utilizada para pagar as taxas de transação e execução de aplicações descentralizas da rede. Com uma das maiores valorizações do ano, a criptomoeda subiu mais de 10.000% em 2021.

4 – (ADA)

A Cardano foi lançada em 2017 por Charles Hoskinson, co-fundador da Ethereum, e também permite a criação e execução de aplicações descentralizadas. Seu diferencial é o foco em sustentabilidade, escalabilidade, interoperabilidade com outros blockchains. Ele usa o algoritmo Proof-of-Stake para atingir o consenso dentro de sua rede, fazendo seus usuários comprometerem seus fundos para validar as transações e não poder computacional, como no Bitcoin. Semelhante aos projetos anteriores, a criptomoeda ADA também é utilizada para pagar as taxas de transação e execução de aplicações descentralizadas da rede. A criptomoeda este ano teve mais de 500% de valorização.

Leia mais  KAKA NFT World | KAKA NFT Token: Tudo sobre plataforma Metaverso

5 – Axie Infinity ()

Principal responsável pela popularização dos Blockchain Games em 2021, o jogo Axie Infinity ajudou a validar o conceito Play-to-Earn ao permitir que seus jogadores ganhassem criptomoedas ao vencerem partidas dentro do jogo. Apesar do jogo possuir duas criptomoedas, vale o destaque ao token AXS, que é o token de governança do jogo e que também é utilizado para criação de novos personagens dentro dele. Com mais de 2 milhões de usuários ativos diariamente ao redor do mundo, o jogo se tornou um sucesso, fazendo o token AXS se valorizar mais de 20.000% somente em 2021.

BÔNUS – Bitcoin ()

Bitcoin foi a primeira criptomoeda do mundo e ainda hoje continua sendo a mais conhecida e maior em valor de mercado, tendo superado a marca de 1 trilhão de dólares este ano. Seu objetivo é ser um sistema de dinheiro eletrônico peer-to-peer que não precisa confiar em intermediários. Em 2021, a criptomoeda bitcoin se tornou moeda oficial do país El Salvador, o Twitter permitiu o pagamento de “gorjetas” entre seus usuários com BTC e diversos investidores começaram a adquirir o criptoativo como uma forma de se proteger da inflação, inclusive empresas de capital aberto. Presença garantida na grande maioria dos portfólios de criptoativos, somente esse ano o BTC já chegou a se valorizar mais de 100%.

Leia mais  Melhores Games NFT 2021: veja quais os mais rentáveis

Sobre a Nelogica

A Nelogica é uma investech que atua no desenvolvimento de tecnologia avançada para o mercado financeiro por meio de softwares inovadores. Seu produto mais conhecido é o Profit, plataforma all in one que reúne análise, execução e acompanhamento do mercado financeiro em um só lugar. Através do extenso know-how desenvolvido ao longo dos anos em distribuição de dados em baixa latência, negociação eletrônica e UX, a Nelogica tem ampliado a sua atuação como especialista em desenhar jornada de investimentos. Seja para traders institucionais ultra sofisticados ou uma experiência web com foco em simplicidade de uso, a Nelogica detém os sistemas e tecnologias, da gestão de risco ao front-end, capaz de criar as melhores experiências de investimento/trading do mundo .

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Quero começar a investir em criptomoedas, por onde começar?

Victor Rodrigues

Criptomoedas: Projeto de lei que regulamenta o tema pode ser aprovado ainda em 2022

Autor Convidado

Com mercado de criptoativos de US$ 24 trilhões, custódia é novo filão para instituições financeiras

Guia do Investidor

Do Bitcoin às moedas digitais de Banco Central: como a blockchain revoluciona o mercado financeiro

Zro Bank

Twitter (TWTR34) no caminho de se tornar o “Bitcoin” da mídia?

Autor Convidado

O desafio do investimento seguro nas criptomoedas

Guia do Investidor