Guia do Investidor
mercado consumidor
Inflação Notícias

Crise inflacionária leva 65% dos brasileiros a comprarem marcas mais baratas, diz pesquisa da PROTESTE

Segundo a pesquisa, dificuldade para pagar contas essenciais também é uma das consequências da crise

Recentes pesquisas da PROTESTE já evidenciaram que a percepção dos brasileiros é que o endividamento está aumentando, assim como o custo de vida e o empobrecimento. Divulgamos hoje os resultados de mais uma grande pesquisa realizada pelas cinco organizações membro do Grupo Euroconsumers localizadas na Bélgica, Portugal, Itália, Espanha e .

Os resultados apontam que a maioria dos entrevistados já mudou significativamente seu comportamento — principalmente nas áreas de energia, alimentação e mobilidade. E o futuro não parece promissor, pois um número preocupante de entrevistados indica que não tem margens ou economias para lidar com futuros aumentos de preços.

A seguir, destacamos as principais conclusões da pesquisa brasileira, que contou com 1038 participantes e considerou todas as regiões do país.

A qualidade de vida dos consumidores está sendo afetada, pois a maioria cortou custos essenciais

Devido ao aumento dos preços de bens e serviços, desde o início do ano, os brasileiros adaptaram seu comportamento nas principais áreas de consumo, especialmente energia elétrica, alimentação e mobilidade, incluindo também atividades sociais e até saúde:

  • Mais de 90% dos entrevistados alteraram os hábitos de consumo. Destes, 70% afirmaram ter desligado os aparelhos ou evitado usá-los com mais frequência para poupar eletricidade.
  • Três quartos dos respondentes mudou o comportamento de consumo de mobilidade: 45% dos entrevistados declararam ter evitado usar o carro em função do aumento do preço do combustível, enquanto 28% passaram a dirigir de forma mais econômica.
  • A grande maioria mudou os hábitos alimentares: 65% dos consumidores começaram a comprar mais marcas de preço baixo no supermercado (por exemplo, marcas próprias), enquanto um em cada três cortou alimentos não essenciais. Um a cada dois entrevistados brasileiros afirmou, ainda, comprar menos peixe ou carne.
  • Os consumidores da amostra brasileira declararam ter renunciado/adiado a compra de roupas para si (53%), passado a cortar atividades sociais como a ida a restaurantes e bares (47%) e mudado os planos de férias (30%). Também cancelaram atendimento odontológico (29%), adiaram consultas médicas (26%) e a compra de óculos ou aparelhos auditivos (20%).
Leia mais  Ibovespa opera em queda, mas IBC-Br avança 0,69% em novembro

Embora as famílias de baixa renda tenham sido as mais atingidas, mesmo entre os consumidores financeiramente confortáveis, a maioria geral dos entrevistados apontou estar mudando o comportamento de consumo.

Vale destacar que, apesar da piora em geral, o Brasil foi o país que apresentou o maior percentual de consumidores cujo padrão financeiro melhorou. Quando solicitados a comparar a situação financeira atual com a de um ano atrás, 16% dos brasileiros afirmaram ter havido progresso. Já em Portugal e Espanha esse dado foi 9%, na Bélgica 8% e na Itália 7%. Segundo Henrique Lian, Diretor de Relações Institucionais da PROTESTE, “sendo um país de renda média, o Brasil é fortemente impactado pela crise inflacionária. Mas, ao mesmo tempo, em função de sua concentração de renda e oportunidades, possui o maior percentual de pessoas entre os países pesquisados cujo nível de vida permaneceu igual ou está melhor do que um ano atrás”.

A alta dos preços expôs uma proporção preocupante de consumidores à situação precária

  • Quase um quarto de todos os entrevistados descreveu a situação financeira de sua família como difícil.
  • 39% declaram que sua situação financeira neste momento é pior em relação a um ano atrás.
  • Mais da metade dos entrevistados (58%) indicou não ter margens ou economias para lidar com futuros aumentos de preços.

Nossas redes:

Leia mais

Inflação pelo IPC-S sobe 0,76% na terceira quadrissemana de junho

Guia do Investidor

Inflação pelo IPC-S sobe 0,91% na segunda quadrissemana de junho

Guia do Investidor

O fim dos juros baixos? Países ao redor do mundo estão lutando contra a inflação

Leonardo Bruno

Expectativas de inflação no Brasil para o 2º semestre de 2022

Autor Convidado

Preços dos produtos juninos sobem mais que a média da inflação nos últimos 12 meses

Guia do Investidor

Presentes para o Dia dos Namorados ficam abaixo da inflação em 12 meses pelo segundo ano consecutivo

Guia do Investidor

Deixe seu comentário