Guia do Investidor
Dasa GDI
Notícias

Dasa e Amil formam a segunda maior rede de hospitais do Brasil

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • A Amil e a Dasa anunciaram a criação de uma nova empresa hospitalar
  • Assim, consolidando-se como o segundo maior player independente do setor
  • Essa transação fortalece a proposta de valor dos planos da Amil
  • Como parte do acordo, a Amil está contribuindo com 11 hospitais para a joint venture

A Amil e a Dasa anunciaram recentemente a criação de uma nova empresa hospitalar. Consolidando-se como o segundo maior player independente do setor, logo após a Rede D’Or.

Com foco em Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, essa transação fortalece a proposta de valor dos planos da Amil. Além disso, ajuda a Dasa a reduzir sua alavancagem, o que é crucial para o valor da empresa, ao mesmo tempo em que protege sua posição competitiva em um setor que está se consolidando em torno de grandes grupos.

A união entre esses dois players “altera a dinâmica do setor”, afirmou um executivo. “Ela estabelece um novo equilíbrio de forças em um mercado que estava inclinado para um único player”, especialmente após a aquisição da SulAmérica pela Rede D’Or.

Além disso, essa transação representa o primeiro Movimento de Fusões e Aquisições (M&A) de José Seripieri Filho, conhecido como Júnior, desde a aquisição da Amil. Em uma transação avaliada em R$ 11 bilhões de valor de empresa, realizada em dezembro passado.

Como parte do acordo, a Amil está contribuindo com 11 hospitais para a joint venture. Incluindo joias da coroa como o Samaritano Higienópolis e o Samaritano Paulista, enquanto a Dasa está contribuindo com 14 hospitais, sendo os mais relevantes o Nove de Julho e o Leforte.

Nova empresa

A nova empresa será controlada em 50% pelos acionistas da Dasa e em 50% pela Amil. Com ambas exercendo co-controle e sem consolidar os resultados da JV em seus balanços. A companhia será uma operação independente, e os acionistas planejam abrir seu capital em uma próxima janela de mercado para IPOs.

Leia mais  Rede D'or (RDOR3) sela acordo para realizar a aquisição da SulAmérica (SULA11)

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

O CEO será Lício Cintra, atual líder da Dasa. Dulce Pugliesi, co-fundadora da Amil juntamente com Edson Bueno e atual controladora da Dasa, assumirá o cargo de presidente vitalícia da nova empresa. O conselho, portanto, terá 9 membros: 3 da Amil, 3 da Dasa e 3 independentes.

A Dasa está transferindo R$ 3,85 bilhões de sua dívida bruta, que totaliza R$ 12 bilhões, para a nova empresa. Somado ao aumento de capital de R$ 1,5 bilhão que a família Bueno efetuará, essa ação reduzirá imediatamente a alavancagem da Dasa para 3 vezes o EBITDA, em comparação aos 4,2 vezes registrados no fechamento do primeiro trimestre.

A nova empresa contará com 25 hospitais, totalizando 4.400 leitos, e alcançou uma receita líquida pro forma de R$ 9,9 bilhões no ano passado. Desse montante, R$ 5,7 bilhões foram provenientes dos hospitais da Dasa e R$ 4,2 bilhões dos hospitais da Amil. O EBITDA desses hospitais atingiu, portanto, R$ 777 milhões em 2023, sendo R$ 600 milhões da Dasa e R$ 177 milhões da Amil.

Leia mais  Nordeste tem queda de 10,2% em fusões e aquisições em 2022, diz KPMG

A margem EBITDA, de 7,8% no ano passado, é consideravelmente menor que a de players como Rede D’Or e Mater Dei, que operam ao redor de 22%.

“Olhando todas as sinergias, estruturas duplicadas, padronização e ganhos de escala, essa nova empresa tem uma capacidade grande de melhoria operacional, o que traz mais um motor de desalavancagem,” Lício disse ao Brazil Journal

Fontes pagadoras

A nova empresa surge com uma ampla diversificação de fontes pagadoras, sendo a Amil a maior delas, mas representando apenas 20-25% do faturamento estimado.

Antes da transação, a Dasa já era o segundo maior operador de hospitais do Brasil, porém, o terceiro e o quarto colocados tinham um porte muito semelhante. A fusão com a operação da Amil coloca o terceiro player em uma posição mais distante e reduz a diferença em relação à Rede D’Or.

Para efeito de comparação, a Rede D’Or possui 70 hospitais, 11.700 leitos e gerou uma receita líquida de R$ 47 bilhões no ano passado, com um EBITDA de R$ 6,3 bilhões. No entanto, essa comparação não é perfeita, pois esses números incluem a SulAmérica. O negócio hospitalar exclusivo da Rede D’Or gerou uma receita de R$ 20 bilhões no ano passado.

A Amil, com 3 milhões de beneficiários, vem registrando prejuízos ao longo dos anos, levando a UnitedHealth Group a vender o negócio. Em 2023, a Amil teve um prejuízo líquido de R$ 4 bilhões.

Da mesma forma, a Dasa também encerrou o ano passado com prejuízo, totalizando R$ 1,1 bilhão.

Os hospitais da Dasa que fazem parte da transação são: Hospital Nove de Julho (SP), Unidade Nove de Julho Alphaville (SP), Hospital Santa Paula (SP), Hospital Leforte Liberdade (SP), Hospital Leforte Morumbi (SP), Innova Hospital (SP), Hospital (SP), Hospital e Maternidade Christóvão da Gama – Santo André (SP); Hospital São Lucas Copacabana (RJ), Complexo Hospitalar Niteroi (RJ), Hospital Nossa Senhora do Carmo (RJ); Maternidade Brasília (DF), Hospital Brasília Águas Claras (DF), Hospital Brasília (DF), e o Hospital Paraná (PR). 

Leia mais  Dasa (DASA3): lucro de R$ 224,9 milhões no resultado do 1T21

Já os hospitais da Amil são: Samaritano Higienópolis (SP), Samaritano Paulista (SP), Alvorada Moema (SP), Hospital e Maternidade Madre Theodora (SP); o Hospital Pró-Cardíaco (RJ), os Hospitais Samaritano Botafogo (RJ), Samaritano Barra (RJ), Hospital e Maternidade Santa Lúcia (RJ); Hospital Alvorada Brasília (DF), e Hospital Santa Joana Recife (PE).

Investidores estratégicos

Paralelamente à transação anunciada hoje, a família Bueno está em negociações com investidores estratégicos para um investimento minoritário no segmento de medicina diagnóstica da Dasa. Isso ajudaria ainda mais a empresa a reduzir sua alavancagem.

No fechamento do pregão de ontem, a Dasa estava avaliada em R$ 3,5 bilhões.

A Amil foi assessorada pela BR Partners, Santander e pelo escritório de advocacia Lefosse Advogados.

Já o BTG Pactual e o escritório de advocacia Stocche Forbes assessoraram, contudo, a Dasa.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Hapvida e Riza firmam acordo para construir hospital de R$ 600 mi

Paola Rocha Schwartz

Azul avalia fusão com Gol em até três meses, revela jornal

Paola Rocha Schwartz

BTG Pactual (BPAC11) adquire banco americano M.Y. Safra Bank

Paola Rocha Schwartz

Ibovespa fecha em leve alta e BR fora do radar de investimentos: confira o resumo dia

Rodrigo Mahbub Santana

Suzano entra no mercado têxtil com 15% da Lenzing por R$ 1,3 bi

Paola Rocha Schwartz

Dasa está em negociação para fusão da Amil

Márcia Alves

Deixe seu comentário