Guia do Investidor
Magazine Luiza 2 2
Notícias

Deu ruim para a Magalu: Lucro desaparece e prejuízo chega a R$ 161 milhões no 1T22

A varejista (MGLU3) registrou prejuízo líquido de R$ 161,3 milhões no balanço do primeiro , revertendo lucro de R$ 258,6 milhões de um ano antes.

Em termos ajustado, a teve prejuízo de R$ 98,8 milhões, revertendo lucro de R$ 81,5 milhões do primeiro trimestre de 2021. O desempenho foi  influenciado, principalmente, pelo aumento das despesas financeiras no período.

O resultado financeiro líquido da Magazine Luiza piorou 147,8%.  As despesas financeiras líquidas totalizaram R$ 422,1 milhões, equivalentes a 4,8% da receita líquida.

“Em relação ao mesmo período do ano anterior, as despesas aumentaram 2,7 pontos percentuais, devido ao aumento da taxa de juros na brasileira ao longo do ano – a taxa SELIC passou de 2,00% a.a. no começo de 2021 para 11,75% a.a. no final de março de 2022”, esclarece a mensagem da administração.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização () da Magazine Luiza somou R$ 339,5 milhões, uma de 51,2%, com margem Ebitda de 3,9%, ante 8,4% de um ano antes.

O Ebitda ajustado somou R$ 434,2 milhões, alta de 1,7%, com margem de 5,0%, ante 5,2% de um ano antes. Em março, a margem Ebitda atingiu 6,1%.

Leia mais  Petrobras (PETR4) vende participações em Bacia de Campos e GásLocal

As vendas totais, incluindo market place, da Magazine Luiza totalizaram R$ 14,124 bilhões, um aumento de 13,2%.

O registrou crescimento de 16% e atingiu R$ 10 bilhões em vendas.  As vendas do market place do Magazine Luiza avançaram 50%, ficando acima de R$ 3,6 bilhões, e representaram 36% das vendas on-line.

Nas lojas físicas, as vendas cresceram 6% na comparação com o 1T21, para R$ 4 bilhões. “A
tendência de vendas vista em janeiro e fevereiro foi significativamente melhor que no final de 2021 e, em março, o
crescimento acelerou ajudado parcialmente pela menor base de comparação”, diz o comunicado do Magazine Luiza.

As vendas mesmas lojas físicas (SSS, na sigla em inglês) recuaram 2,8%.

“Na prática, repassamos para o preço final a de custo dos produtos que comercializamos e o aumento da taxa de juros, o que foi refletido na margem bruta”, diz a mensagem da administração.

A empresa reafirmou seu foco em rentabilidade, principalmente para as categorias de bens duráveis.

Os níveis de estoque foram ajustados, com redução do saldo em mais de 1 bilhão de reais comparado ao fechamento de 2021. “Além disso, otimizamos as despesas variáveis e fizemos ajustes na operação para estarmos mais adaptados ao tamanho do atual, que tem sofrido o impacto do cenário macroeconômico adverso”, complementa a nota.

Leia mais  Magalu (MGLU3) compra Jovem Nerd, plataforma voltada ao público Geek

As despesas operacionais em relação à receita líquida cresceram 2,9 pontos percentuais para 22,8%. O Magazine Luiza explica que o aumento está associado à menor diluição das despesas nas lojas físicas e ao crescimento expressivo do market place.

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Acabou a esperança? Com queda do Varejo, ações da Magalu e Via seguem derretendo na bolsa

Leonardo Bruno

Ibovespa fura teto dos 112 mil pontos apoiado pelo exterior

Leonardo Bruno

Analistas cortam preço-alvo para as ações da Magalu: ainda existe chance de lucrar?

Leonardo Bruno

A culpa é da Shoppe? O que aconteceu com as ações da Magalu?

Leonardo Bruno

Magalu no mundo das fintechs? Empresa anuncia lançamento de serviços de crédito e ações disparam

Leonardo Bruno

Após semana de quedas, Ibovespa volta a subir nesta quarta; Vai engrenar?

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário