Guia do Investidor
Imagem/Reprodução
Notícias

Dólar atinge R$ 5,42 em disparada no mercado financeiro

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • O dólar reverteu sua tendência nesta quarta-feira (12)
  • Isto, devido às declarações do presidente Lula durante um evento no Rio de Janeiro
  • Tal mudança de perspectiva do mercado em relação à economia pode estar influenciando o aumento da volatilidade cambial

O dólar reverteu sua tendência e registra uma forte alta nesta quarta-feira (12), à medida que os investidores reagem às declarações do presidente Lula. Estas, durante um evento realizado no Rio de Janeiro hoje.

Lula enfatizou que não consegue discutir economia sem “colocar a questão social na ordem do dia”, destacando que o “mercado financeiro não é uma entidade abstrata, separada da política e da sociedade”. Suas observações geraram reações nos mercados. Assim, com os investidores analisando o impacto das políticas econômicas e sociais do governo.

Essa mudança de perspectiva do mercado em relação à economia pode estar influenciando o aumento da volatilidade cambial. E, ainda, resultando em uma alta significativa no valor do dólar em relação ao real. Os investidores estão agora atentos aos desdobramentos das políticas econômicas e sociais anunciadas pelo governo, aguardando por mais detalhes e clareza sobre o cenário econômico futuro.

Leia mais  Ministério da Fazenda apresenta 17 propostas para reforma financeira

A declaração do presidente Lula chega em um momento de crescente cautela entre os investidores em relação à situação fiscal do Brasil, enquanto o governo enfrenta pressão para reduzir gastos públicos.

Paralelamente, o Ibovespa, principal índice acionário da B3, registra uma forte queda, refletindo a preocupação dos investidores com o cenário econômico e político atual. Este declínio pode indicar uma reavaliação do mercado. Ainda, sobre os rumos da economia nacional e as políticas governamentais em curso.

O que está influenciando os mercados?

O mercado iniciou a quarta-feira com uma atmosfera “mais tranquila”, após a divulgação dos dados de inflação nos Estados Unidos. Os mesmos, indicando que os preços na maior economia do mundo começam a arrefecer.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) não registrou alterações em maio, enquanto o mercado esperava uma leve alta de 0,01%. No mês anterior, a inflação no país havia crescido 0,03%.

Leia mais  Gratuidade para idosos no transporte público será retomada em SP

Com os indicadores apontando para um arrefecimento da inflação, as expectativas dos investidores em relação ao Federal Reserve (Fed), sugerem que não devem ocorrer novas elevações das taxas de juros e que, além disso, um ciclo de redução pode ter início nos próximos meses.

Hoje (12), o Fed se reúne para decidir sobre as novas taxas de juros americanas, atualmente entre 5,25% e 5,50% ao ano. As projeções, portanto, indicam que a instituição manterá essas taxas inalteradas, diante do cenário de inflação estável e da cautela diante das incertezas econômicas globais.

Apesar da visão positiva com o futuro da inflação e dos juros nos Estados Unidos, o mercado nacional inverteu o sinal depois do discurso feito pelo presidente Lula, este defendendo que a economia não pode estar apartada do social.

“Todos os debates que se fazem se tratando de economia, a gente fala de um monte de coisa, mas me parece que os problemas sociais não existem. Eles existem. Estão nos nossos calcanhares, estão nas nossas portas, estão nas ruas”, disse o atual presidente.

O presidente fez essa declaração em um momento em que o governo enfrenta pressão do mercado para reduzir gastos. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou, portanto, que apresentará a Lula uma proposta de alteração no formato dos pisos de gastos mínimos em saúde e educação.

Leia mais  Dívida pública sobe com Governo Lula e atinge R$ 5,86 trilhões

Diante das dificuldades do governo em zerar o déficit das contas públicas, Lula afirmou, contudo, que está empenhado em equilibrar as contas. Assim, sem comprometer os investimentos.

“Estamos arrumando a casa e colocando as contas públicas em ordem para assegurar o equilíbrio fiscal. O aumento da arrecadação e a queda da taxa de juros permitirão a redução do déficit sem comprometer a capacidade de investimento público”, declarou Lula.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

FGTS tem lucro recorde de R$ 23,4 bilhões em 2023

Agência Brasil

Equatorial é confirmada investidora estratégica da Sabesp

Agência Brasil

Orçamento de 2024 possivelmente terá contingenciamento, diz Haddad

Agência Brasil

Ibovespa abre novamente com alta e ativos continuam subindo

Paola Rocha Schwartz

BNDES disponibilizará R$ 66,5 bilhões para Plano Safra 2024/2025

Agência Brasil

Mercado reduz previsão da inflação de 4,02% para 4% em 2024

Agência Brasil

Deixe seu comentário