Guia do Investidor
dolar moeda 0803221205
Recomendações

Enquanto não houver compromisso fiscal Dólar não vai estabilizar: é o que alerta gestores

  • O cabo de Guerra cambial entre EUA e prejudica a cotação do ;
  • Analistas apontam que enquanto a questão do fisco não for resolvida, o Brasil não vai ganhar esta disputa.

A taxa de vem passando por altas e baixas nos últimos meses, seguindo diretamente a volatilidade dos globais. Em especial, no que vem acontecendo aqui no Brasil, e nos EUA, casa da moeda de referência internacional.

Segundo os analistas Alfredo Menezes, da gestora Armor, e Alexandre Chaia, professor do Insper os culpados por este “sobe e cai” são claros, e se nada for feito para mudar a situação, é bom você se preparar para um dólar ainda mais alto nos próximos meses.

Desse modo, o alerta passa por duas fontes: o cenário externo conturbado, e o total “afrouxamento” do compromisso fiscal em território interno.

O cabo de Guerra

Essa dualidade parte do ponto de risco. A variação cambial não passa de um grande cabo de guerra: onde cada país está puxando uma das pontas. O risco seria os escorregões e indicações que alguém perderá esta disputa.

No lado americano, estão puxando firme a corda.

Cabo de guerra - Desenho de rayner_lima - Gartic

A ata do Federal Reserve (Fed), o BC dos EUA, indica que mais um aumento de 0,50 ponto ou 0,75 ponto na taxa básica é adequada na próxima reunião de política monetária, a turbulência no câmbio internacional colaborou para puxar o dólar até R$ 5,46 – nível mais elevado desde janeiro. O fechamento foi em torno de R$ 5,42. A ata mostra que o BC americano está atento a , e vai correr atrás do relógio para manter níveis satisfatórios.

Leia mais  XP agora oferece fundo internacional da Bridgewater

O câmbio está pesado aqui e lá fora. Chaia, do Insper, avalia que o aumento do juro nos EUA já está levando do mundo inteiro para ativos em dólar.

Com outros centrais de grandes economias também aumentando os , diz o professor, “o cenário caminha para um equilíbrio, mas não está claro quando isso vai acontecer”.

Chaia lembra que, no Brasil, o juro também fez diferença na trajetória do dólar. Ele diz que o BC errou a mão quando baixou o juro a 2%. A baixa atratividade do juro e o baixo compromisso com reformas impulsionou a moeda.

Por outro lado, com outros bancos centrais de grandes economias também aumentando os juros, diz o professor, “o cenário caminha para um equilíbrio, mas não está claro quando isso vai acontecer”. Chaia lembra que, no Brasil, o juro também fez diferença na trajetória do dólar. Ele diz que o BC errou a mão quando baixou o juro a 2%. A baixa atratividade do juro e o baixo compromisso com reformas impulsionou a moeda.

Leia mais  Ações da Locaweb (LWSA3) para 2021: o que esperar delas?

Falta compromisso com o fisco

No entanto, para Alfredo Menezes, Armor Capital, um dos maiores especialista do país em operações monetárias e cambiais e ex-chefe de Tesouraria do Bradesco, vai à mesma linha e pondera que o governo abre brechas para gastar além do teto de gastos, o Congresso segue a mesma toada e os dois principais pré-candidatos à presidência da República – o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – já se manifestam contra o teto de gastos. E o que mostra que a nação não está segurando firme a corda.

“O Brasil não tem folga fiscal como no passado e as bondades do pacote em aprovação vieram para ficar. Não vejo Bolsonaro ou Lula tirando os benefícios concedidos e voltaremos ao dilema: o PIB potencial do Brasil menor, o setor privado fica sufocado e ainda podem surgir questionamentos sobre nossa solvência fiscal, ainda mais com os dois pré-candidatos vindo com discursos populistas”, afirma o CEO da Armor, para quem essas condições locais podem carregar o dólar a R$ 5,60/R$ 5,80 no fim deste ano.

Menezes lembra que o Brasil teve grande melhora nos termos de troca [de mercadorias na balança comercial] que ajudou a apreciação forte do real, além de obter um fluxo importante de recursos externos para investimentos em ações de ligadas a commodities, como Vale, CSN, Usiminas e Petrobras.

Leia mais  As ações do Ibovespa que mais caíram desde 2019

Contudo, o discurso de que ‘não precisamos de um teto de gastos’ preocupa. Afinal, o descompromisso com teto significa um alongamento da dívida externa, que aumento os riscos do país, e prejudicam ainda mais o “cabo de guerra cambial”.

LULA OU BOLSONARO? Não corra o risco das eleições no Brasil: abra sua conta no exterior e proteja seu

Recomendações no seu e-mail

Nossas redes:

Leia mais

“Deu ruim” para os “Hermanos”: com alta do dólar, alerta para a crise na Argentina dispara

Leonardo Bruno

Por que o Euro tem se desvalorizado frente ao Dólar?

Guia do Investidor

A alta dos juros americanos vai afetar a inflação no Brasil?

Leonardo Bruno

1 Euro = 1 Dólar: Pela primeira vez em 20 anos, cotação do Dólar e Euro chega a paridade

Leonardo Bruno

Nem barato e nem caro: Dólar está “justo”

Leonardo Bruno

As perspectivas para o segundo semestre de 2022: dólar, investimentos e economia

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário