Guia do Investidor
realdinheiro moeda 1310202266.jpg
Colunistas

Enriquecimento sem causa: tenho que devolver o dinheiro?

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Em determinada situação, uma pessoa recebe um benefício sem ter um motivo justo para isso. Por conta disso, ela obtém vantagens financeiras à custa de outra pessoa.

Soa injusto, não é? Isso é o que chamamos de “enriquecimento sem causa”. Ou seja, é quando alguém consegue benefícios financeiros sem justificativas legais ou contratuais para isso. No Brasil, a lei estabelece que alguém não pode se beneficiar injustamente em detrimento de outrem. Entender esse princípio é essencial para garantir igualdade e justiça nas relações financeiras.

O locupletamento ou enriquecimento sem causa é uma situação em que uma pessoa obtém um benefício financeiro na ausência de um fato gerador. Ou seja, sem uma razão legal ou moral que justifique esse ganho. Portanto, é um enriquecimento injusto, imoral e contrário à equidade. Assim, uma parte ganha algo sem ter direito legítimo enquanto outra parte sofre uma perda ou prejuízo.

Leia mais  Investigação leva à apreensão de quase R$ 1 milhão de golpista cripto

O enriquecimento sem causa está previsto nos artigos 884, 885 e 886 do Código Civil (Lei nº 10.406/02). O primeiro estabelece que “aquele que, sem justa causa, se enriquecer à custa de outrem, será obrigado a restituir o indevidamente auferido, feita a atualização dos valores monetários”, enquanto o segundo diz que “a restituição é devida, não só quando não tenha havido causa que justifique o enriquecimento, mas também se esta deixou de existir”. Não caberá a restituição por enriquecimento, diz o artigo 886, “se a lei conferir ao lesado outros meios para se ressarcir do prejuízo sofrido”. Assim, segundo a legislação, é obrigação devolver o que foi injustamente enriquecido.

Ausência de contrato, acordo ou lei que justifique o enriquecimento; transferência de valores de uma pessoa para outra; e uma pessoa se beneficia enquanto a outra sofre perdas sem compensação são algumas das situações que caracterizam o enriquecimento sem causa.

Por fim, um exemplo muito comum desta situação quando uma pessoa paga algo que não devia. Neste caso, quem recebeu obteve benefício financeiro sem causa. Como consequência, a pessoa que pagou fica prejudicada. É necessário ficar atento com relação a isso.

Leia mais  Golpe do falso empréstimo: veja dicas para não cair

Por João Valença, advogado e cofundador do escritório VLV Advogados, referência em todo o país na temática do Direito Civil


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Fraude? Caixa tenta investir R$ 500 milhões em banco endividado

Márcia Alves

Após suspeitas de fraude, leilão de arroz tem nova data

Márcia Alves

Governo Lula anula leilão de arroz devido a irregularidades

Rodrigo Mahbub Santana

Mineradora Manah: suspeita de pirâmide para de pagar clientes

Paola Rocha Schwartz

Alerta de golpe: influenciadoras promovem apps que remuneram por avaliações de produtos

Rodrigo Mahbub Santana

Golpe do Boleto Falso: 5 dicas para não cair

Guia do Investidor

Deixe seu comentário