Guia do Investidor
Mutual 1
Notícias

Fintech ajuda investidor da renda fixa a diversificar com financiamento de crédito

Avalie este post:
[Total: Média: ]

De olho no investidor que busca diversificar sua carteira de renda fixa com opções mais rentáveis, a Mutual criou, no final do ano passado, uma modalidade de investimento em crédito para financiar a instalação de painéis solares. Ainda pouco difundida no , de acordo com a empresa, essa nova alternativa na renda fixa pode gerar um retorno total de 16% ao ano no longo prazo (6 anos).

Uma das principais vantagens do investimento em crédito em energia solar frente a outras aplicações de renda fixa, como CDBs pré e pós-fixados, é o fato de o investidor mitigar o risco em relação ao custo de oportunidade. 

Isso porque em um cenário de elevação da taxa Selic, por exemplo, ao usar os ganhos mensais para reinvestir em novas cotas com taxas atualizadas de , o investidor tem a possibilidade de aproveitar juros mais vantajosos. 

Victor Fernandes, co-CEO da Mutual, compara a mesma situação com um CDB. “No caso das CDBs, o dinheiro investido fica preso à taxa pré-fixada até o vencimento. Assim, o investidor pode acabar perdendo a oportunidade de ganhar mais com a subida dos juros”.

Fernandes comenta que ao conversar com vários , sejam eles mais experientes ou não, sua equipe sempre ressalta que ter o dinheiro em mãos para ele reinvestir todo mês vale mais do que deixar ficar parado no longo prazo. 

Leia mais  Depois de sucesso na Argentina, Mercado Pago expande para México

O valor mínimo para o investimento em crédito para energia solar no Mutual Invest é de R$ 3 mil. Para quem já investe na , os aportes em novas cotas de solicitações de podem variar entre R$ 100 e R$ 500. 

Apenas neste ano, cerca de R$ 5 milhões foram transacionados na plataforma Mutual Invest em crédito solar. A meta da fintech é manter uma média de R$ 8 milhões transacionados por mês na modalidade até final de 2021.

Vantagem do investimento em crédito frente à renda fixa tradicional

Na prática, o investidor adquire cotas de pedidos de empréstimos de pessoas físicas, especificamente para financiar a compra e instalação de equipamentos de energia solar. O público-alvo da Mutual é o investidor com perfil mais arrojado, que busca maiores ganhos a longo prazo ao investir na renda fixa.

O produto é similar ao modelo pré-fixado, porém, tem liquidez mensal. O investidor recebe os rendimentos e o principal das cotas de crédito adquiridas a cada mês e não somente ao final do pagamento, gerando uma renda passiva de juros mensais que  possibilita novos .

De acordo com as projeções da Mutual, o investidor tem o seu payback máximo em 40 meses para os investimentos médios de 60 meses, com opções de investimento também entre 12 e 72 meses. Ao reinvestir os recursos mensais recebidos em novas cotas, o retorno total pode chegar a 16% ao ano.

“Esse ciclo de investimento e o fator juros sobre juros podem dar esse retorno total, algo que um investidor não conseguiria, hoje, com algum outro produto de renda fixa”, destaca o co-CEO da Mutual.

Leia mais  Governança é o aspecto do ESG mais observado pelas gestoras de recursos

Fernandes explica que o cenário ideal para o investidor ter alta nesse tipo de investimento leva em consideração que ele tenha uma carteira com cotas de investimento de mais de um tomador, sempre, e que os valores recebidos mês a mês sejam reinvestidos, tendo em mente o retorno a longo prazo.

Risco e garantia

Para Fernandes, o investimento em crédito para financiar energia solar pode ser considerado de médio risco devido ao perfil do tomador.

As pessoas que buscam financiamento na plataforma Mutual Invest para viabilizar projetos de energia solar são, em sua maioria, pertencentes às classes A e B, sendo que 85% delas são proprietárias de imóveis sem histórico de inadimplência nos últimos três anos. “Desde o mês de dezembro até hoje, o nível de inadimplência para esse tipo de empréstimo é zero”, destaca Fernandes.

Além disso, as operações de crédito solar oferecem ao investidor a garantia das placas solares adquiridas pelo tomador, por meio da alienação fiduciária desses equipamentos. O registro das placas, inversores e demais equipamentos da instalação consta na cédula de crédito bancário (CCB), que traz também a confirmação de alienação por contrato e obrigatoriedade de seguro por dano, roubo e furto das placas.

Para diminuir o risco, a Mutual também faz um rating das empresas parceiras a partir de informações da saúde financeira de cada uma delas, além da de crédito dos tomadores.

Leia mais  MercadoLivre (MELI) investe R$ 10 bi no Brasil e quer dobrar de tamanho

Troca de dívida vale a pena

A principal motivação pela busca do crédito dos tomadores é reduzir os gastos com energia elétrica. Fernandes explica que a ideia da Mutual é tratar o empréstimo como uma troca de dívida do tomador. Os integradores e instaladores parceiros da fintech, que são mais de 100 empresas, mostram ao cliente, por meio de simulações de crédito, que é possível trocar sua conta de luz atual pelo financiamento sem que o orçamento fique muito caro.

“O valor das parcelas é calculado de acordo com o gasto mensal atual do cliente com a energia elétrica. O cliente percebe que vale a pena fazer essa troca porque ao economizar até 95% do valor da sua conta de luz, ele ganha margem para pagar as parcelas do empréstimo, que tem um payback entre 4 a 5 anos”, conta Fernandes, ressaltando que o cliente também ganha ao não precisar mais se preocupar com o aumento das tarifas de energia elétrica e porque vai utilizar um produto com vida média útil de 20 anos.

Avalie este post:
[Total: Média: ]

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Turbo Pan Taxas | Turbo Pan Valor e Telefone: Tudo sobre a maquininha

Erick Morais

BTG+ ou Nubank? Qual o melhor banco? Análise completa

Victor Rodrigues

Recordes de Venture Capital e Private Equity alteram a dinâmica da liderança dos negócios

Guia do Investidor

Festas e eventos: crescem em 162% pedidos de empréstimo para festividades, aponta levantamento

Guia do Investidor

Como a taxa de juros do cartão de crédito é calculada? Aprenda na prática

Gabriel Tavares

Pedidos de empréstimo para “viagem” crescem mais de 203% em um ano

Guia do Investidor