Guia do Investidor
Mercado Notícias

Google investe US$ 550 milhões no maior concorrente do grupo chines de comercio eletrônico Alibaba.com

O anunciou nesta segunda-feira que investirá mais de meio bilhão de dólares na segunda maior de comércio eletrônico da China, a JD.com.

Como parte de uma parceria estratégica, o Google colocará US$ 550 milhões como na JD.com, disseram as empresas em comunicado. Em troca, o Google receberá mais de 27 milhões de ordinárias Classe J de JD.com recém-emitidas a um preço de emissão de US$ 20,29 por ação. A JD.com listou ações de sua empresa na bolsa americana Nasdaq pela primeira vez em 2014.

As duas empresas de tecnologia disseram que trabalharão juntas para desenvolver uma infra-estrutura de varejo que possa personalizar melhor a experiência de compra e reduzir o atrito em vários mercados, incluindo o Sudeste Asiático.

Por sua vez, a JD.com informou que planeja disponibilizar uma série de itens para venda em lugares como os EUA e a através do Google Shopping – um serviço que permite aos usuários pesquisar produtos em sites de comércio eletrônico e comparar preços entre diferentes vendedores.

Quando os varejistas fazem parceria com o Google, isso dá visibilidade aos produtos e torna conveniente que os consumidores os comprem on-line. Para o gigante de tecnologia, seu serviço de compras é importante para ajudar a recuperar o online de produtos que a Amazon tem conquistado e permanecer relevante no futuro do comércio eletrônico.

Leia mais  A concorrência desleal no e-commerce internacional

A parceria abriria um canal para a JD.com vender para consumidores fora da China, especialmente num momento em que as tensões comerciais entre Pequim e Washington são altas.

O fundador e CEO da JD.com, Richard Liu, disse recentemente à CNBC que uma guerra comercial seria “horrível” e que acabaria prejudicando muitas marcas americanas. Ele também disse que a atual incerteza deu à empresa uma pausa nos planos de expansão dos EUA.

A empresa chinesa de comércio eletrônico concorre agressivamente com a Alibaba, de Jack Ma, no enorme mercado de comércio eletrônico da China. Ambas as empresas investiram significativamente em tecnologia, varejo e para conquistar consumidores.

Por exemplo, a JD.com testou os serviços de entrega de drones para alcançar os consumidores rurais da China, mantendo o custo de logística relativamente baixo.

O também tem o apoio de outro grande rival do Alibaba – a gigante chinesa de tecnologia Tencent, que está envolvida em áreas de negócios, incluindo redes sociais, digitais e jogos. Ela também opera a maior plataforma de mensagens sociais da China, a WeChat.

Leia mais  Intenção de consumo das famílias recua em maio, diz CNC

A parceria da JD.com com a Tencent permite que a empresa de comércio eletrônico venda diretamente aos consumidores por meio do aplicativo WeChat.

Ao mesmo tempo, a JD.com também se uniu à gigante de varejo americana Walmart no setor de supermercados. Segundo a reportagem, a Walmart abriu um pequeno supermercado de alta tecnologia na China, onde os consumidores podem usar smartphones para pagar itens que estão disponíveis em sua loja virtual na plataforma online JD Daojia, uma afiliada da JD.com.

Fonte: www.cnbc.com

Avalie este post:
[Total: Média: ]

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Analistas do Banco Original falam sobre queda das bolsas, China, reajustes da gasolina e mais

Autor Convidado

Investimentos dos brasileiros em títulos e valores mobiliários batem recorde e superam R$ 2 trilhões

Fernando Américo

Cerca de 16% dos brasileiros das classes D/E investiram em produtos financeiros em 2021

Fernando Américo

Dia das Mães: e-commerce deve faturar R$ 7 bi em 2022

Fernando Américo

China: Surto de Covid vai afetar a economia global?

Leonardo Bruno

Gafisa alcança R$150 milhões em negócios com Kinea Investimentos

Gabriel Tavares

Deixe seu comentário