Guia do Investidor
reuniao lula reitores2 mcamgo abr 10062024 3 12.jpg
Notícias

Governo Lula propõe aumento dos tributos empresariais

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • O Governo apresentou ao Congresso um “gatilho” para aumentar a contribuição a CSLL
  • O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, fez a proposta durante uma reunião com o presidente Lula, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o líder do governo no Senado, Jaques Wagner
  • A proposta de Haddad, contudo, envolvendo a CSLL enfrenta vários desafios, além do aumento do tributo em si

O governo apresentou ao Congresso um mecanismo de “gatilho” para aumentar a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Este, somente se a arrecadação das medidas do Senado para compensar a desoneração da folha de pagamento for insuficiente.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, fez a proposta durante uma reunião com o presidente Lula, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o líder do governo no Senado, Jaques Wagner. Esta, na última quarta-feira, 10.

Pacheco argumentou que as quatro propostas do Congresso seriam suficientes para cobrir a renúncia fiscal da desoneração. Em resposta, Haddad sugeriu que a Receita Federal calcule, após dois meses, a arrecadação gerada pelas medidas. Se o montante não for suficiente para compensar a desoneração, o governo implementará o aumento na CSLL, imposto sobre o lucro das empresas.

Desoneração da folha

A desoneração da folha de pagamentos foi criada em 2011, contudo, para setores intensivos em mão de obra. Estes, beneficiando milhares de empresas que empregam 9 milhões de pessoas. Essa medida, no entanto, substitui a contribuição previdenciária patronal de 20% sobre a folha de salários por alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta, reduzindo a carga tributária das empresas.

Recentemente, o Congresso prorrogou a desoneração até 2027 com votações expressivas. No entanto, o STF suspendeu essa decisão liminarmente após ação do governo federal, alegando, portanto, que o Congresso não havia previsto uma fonte de receita para financiar o programa e nem estimado o impacto nas contas públicas. Em resposta, o Legislativo afirmou, dessa forma, que aprovou medidas para aumentar as receitas da União. E que a estimativa de impacto estava incluída na proposta. Diante disso, o ministro da Fazenda anunciou, contudo, um acordo para manter a desoneração em 2024 e negociar uma cobrança gradual a partir do próximo ano.

Leia mais  Reforma tributária: cashback dá 50% do imposto na conta de luz

A proposta e o tributo

A proposta de Haddad, contudo, envolvendo a CSLL enfrenta vários desafios, além do aumento do tributo em si. Um dos problemas é que, considerando os dois meses para calcular a arrecadação e os 90 dias para a nova alíquota entrar em vigor, o ano de 2024 já teria terminado. Ou estaria próximo do fim.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Como alternativa, os participantes das discussões no Palácio do Planalto sugeriram buscar um entendimento com o STF. Dessa forma, para tratar a compensação da desoneração entre 2024 e 2027, como uma única medida. Dessa forma, a neutralização da renúncia fiscal de 2024 poderia ocorrer ao longo dos próximos três anos. E, não necessariamente apenas em 2024. Estima-se que o valor total da renúncia para o período seja de R$ 50 bilhões.

Leia mais  IMC (MEAL3) aprova emissão de debêntures avaliadas em R$ 290 milhões

Essa proposta enfrenta resistência dentro do Ministério da Fazenda. Que acredita que ela poderia comprometer o resultado primário, já que não haveria uma compensação imediata para o déficit de aproximadamente R$ 17 bilhões a R$ 18 bilhões decorrente da desoneração em 2024.

Embora o desenho final dessa proposta ainda não esteja definido, fontes envolvidas indicam que ela provavelmente permitirá ao governo aumentar a alíquota da CSLL caso a meta de arrecadação não seja atingida após o período necessário para a Receita Federal calcular a receita obtida. O Palácio do Planalto ainda avalia como autorizar essa operação, seja por medida provisória, no texto do projeto ou por decreto.

A sugestão de Haddad de realizar essa aferição foi uma resposta ao argumento do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. AInda, que suas propostas seriam suficientes para compensar a desoneração. A lógica é que, se Pacheco tem tanta certeza de que as medidas como repatriação de recursos, taxação de importações abaixo de US$ 50, refinanciamento de multas de agências reguladoras e atualização de ativos no Imposto de Renda fornecerão a receita necessária para cobrir a desoneração, não haveria motivo para se preocupar com o “gatilho” incluído no projeto de lei para permitir o aumento da CSLL. Se os cálculos de Pacheco estiverem corretos, o “gatilho” não seria acionado e o tributo não aumentaria.

Leia mais  Cresce percentual de pessoas a favor de privatizações, aponta pesquisa

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Lula inaugura obras inacabadas e pagas pelo Governo Bolsonaro

Paola Rocha Schwartz

Preço da gasolina se aproxima de recorde no Governo Lula

Márcia Alves

Dólar sobe após falas de Lula: “Povo pobre não compra dólar”

Paola Rocha Schwartz

Incorporação de ações Dexxos é concluída com sucesso

Fernando Américo

“Erro Petista”: Críticas a Lula por reativação da indústria naval

Paola Rocha Schwartz

Governo Lula estuda liberar “jogo do tigrinho”

Márcia Alves

Deixe seu comentário