Guia do Investidor
shutterstock 1505795342 pm04kcmisevs35gcuqsumksx0khjwj9gjohie9dvg0
Notícias

hEDGEpoint prevê demanda mais fraca em função da alta de juros; confira análise

Sentimento em relação ao futuro da economia (portanto, a demanda por commodities) está ficando progressivamente mais fraco, avalia especialista

O aumento das taxas de juros tem historicamente incentivado os participantes do mercado a cortar suas posições compradas em futuros e opções. Este movimento é normalmente seguido por apostas de alta no dólar norte-americano. Para a Markets, o sentimento em relação à demanda por commodities está ficando progressivamente mais fraco em função do aumento da .

Em relatório publicado nesta semana, a companhia especializada em gestão de riscos e hedge de commodities avalia que os preços das matérias-primas são influenciados principalmente por seus balanços de oferta e demanda. No entanto, as de também são relevantes — especialmente agora que os bancos centrais estão comprometidos em combater a .

“A depender de quanto as autoridades monetárias comunicarem que devem continuar subindo os juros, pode haver a crença de que haverá uma . Sob estas circunstâncias, a demanda por matérias-primas normalmente cai”

avalia o analista de Energia e Macroeconomia da hEDGEpoint, Heitor Paiva.

Paiva lembra que os preços das commodities são determinados no curto prazo pelos balanços de oferta e demanda destes ativos. No entanto, isto não significa que as não são relevantes. “Na verdade, elas são cruciais para este mercado por uma variedade de fatores”, indica.

image 190
image 191

As altas taxas de juros normalmente incentivam os especuladores a vender suas posições no mercado de commodities e a se exporem mais aos títulos do tesouro, acrescenta o especialista. Como resultado, as condições financeiras e os preços das commodities são negativamente correlacionados.

Leia mais  O que esperar da economia em 2020

Confira aqui o relatório completo

LULA OU BOLSONARO? Não corra o risco das no Brasil: abra sua conta no exterior e proteja seu

Recomendações no seu e-mail

Nossas redes:

Leia mais

Pesquisa: Investidores manterão aportes em startups, apesar de juros altos

Guia do Investidor

Economistas da ANBIMA projetam fim do ciclo de alta dos juros, com Selic em 13,75% até o fim de 2022

Guia do Investidor

Veja o que dizem especialistas sobre alta dos juros americanos

Autor Convidado

Escalada de juros americana pode ser boa oportunidade para investimentos em crédito com garantias imobiliárias nos EUA

Guia do Investidor

Ciclo de juros altos deu certo? Analistas indicam que o “pior da inflação” já passou

Leonardo Bruno

Presidente da Abit defende fim do ciclo de aumento dos juros

Guia do Investidor

Deixe seu comentário