Guia do Investidor
mineracao 4 739x490 1
Notícias

Imposto seletivo reduz competitividade da mineração, diz IBRAM

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • O governo propõe um novo IS, conhecido também, como “Imposto do pecado”
  • Isto, em diversos setores, incluindo a mineração
  • No entanto, aplicá-lo à mineração pode reduzir a competitividade do setor, afetar a balança comercial e prejudicar a transição verde almejada pela sociedade

O governo propõe um novo Imposto Seletivo (IS), conhecido como “imposto de pecado”, para diversos setores, incluindo a mineração, na reforma tributária. Esse imposto, inédito em todo o mundo para o minério de ferro, visa produtos finais prejudiciais à saúde, como bebidas alcoólicas e cigarros.

No entanto, aplicá-lo à mineração pode reduzir a competitividade do setor, afetar a balança comercial e prejudicar a transição verde almejada pela sociedade.

“Se isso for instituído, irá encarecer a venda de matéria-prima para a siderurgia nacional, tirando a competitividade do setor,” aponta o presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), Raul Jungmann.

Embora o setor de mineração já pague altos impostos, arrecadando R$ 85,6 bilhões em 2023. Ainda, incluindo R$ 6,7 bilhões em royalties pela CFEM, o governo pretende introduzir o Imposto Seletivo (IS) também para este setor. Segundo Jungmann, a mineração não é prejudicial ao meio ambiente como alguns alegam, pois o minério de ferro é fundamental para produtos e serviços essenciais à descarbonização.

Leia mais  TecBan investe R$ 50 milhões na expansão dos caixas eletrônicos que aceitam depósito em dinheiro

Este novo imposto, conhecido como “imposto de pecado”, pode afetar a competitividade e a economia do setor de mineração.

“A mineração é a indústria das indústrias, insumo para tudo. Sem o aço, que feito do minério de ferro, não temos o carro elétrico, aerogeradores ou placas solares,” complementa o presidente do IBRAM.

Minério de ferro

O minério de ferro representa um insumo essencial sem substituto direto, destacou o executivo. No entanto, ele ressaltou que o setor de siderurgia e mineração está passando por mudanças significativas em direção à sustentabilidade.

Um exemplo notável é a produção de “aço verde”, que envolve a substituição de combustíveis fósseis por fontes de energia limpa, como o hidrogênio verde e o carvão vegetal. Além disso, a Vale introduziu recentemente no mercado um briquete de minério de ferro que promete reduzir as emissões na siderurgia em até 10%, após duas décadas de pesquisa intensiva.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

“A mineração brasileira tem um papel estratégico para tornar o Brasil o principal protagonista para a transformação energética pela qual o mundo precisa passar,” explica Jungmann. “No caso do minério de ferro, é preciso, portanto, descarbonizar a indústria do aço.”

Segundo vários especialistas, o imposto atualmente proposto parece mais voltado para aumentar a arrecadação do governo do que para proteger o meio ambiente.

Leia mais  Governo decide manter a meta de déficit zero para 2024

No entanto, essa medida poderia ter consequências adversas. Afetando diretamente as finanças públicas e o saldo da balança comercial do Brasil, especialmente porque o tributo seria aplicado mesmo sobre minérios destinados à exportação. O executivo critica a proposta, argumentando que tributar exportações seria contrário à Constituição, à política de comércio internacional e aos princípios fundamentais da reforma tributária em andamento.

De acordo com o IBRAM, o Imposto de Serviços (IS) poderá reduzir as exportações em até R$ 736 milhões. Isto, baseado no valor de R$ 1,53 bilhão registrado em 2023. Isso indica que a competitividade do Brasil poderá ser ainda mais comprometida. Um estudo da consultoria EY revela que o Brasil já possui a carga tributária mais elevada sobre a produção entre os seis principais produtores de commodities globais.

“Vamos criar um modelo fiscal insustentável para novos negócios,” disse Jungmann. “Um ambiente de aberração tributária só irá afastar novos investimentos, levando o País a perder a oportunidade de liderar a transição energética no mundo.”

Leia mais  Salário mínimo “vai ser pago normalmente”, diz Haddad

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

“Erro Petista”: Críticas a Lula por reativação da indústria naval

Paola Rocha Schwartz

Está com saque do PIS/Pasep congelado? Veja como resolver

Agência Brasil

Fundos registram captação líquida de R$ 159 bilhões no semestre

Fernando Américo

BlackRock lucra US$ 1,5 bi no 2T24 e supera expectativas

Paola Rocha Schwartz

Governo Lula estuda liberar “jogo do tigrinho”

Márcia Alves

Reforma Tributária: a questão federativa nos PLPs 68 E 108/2024

Fernando Américo

Deixe seu comentário