Guia do Investidor
Juros do rotativo de cartoes subiu para 326 ao ano em marco
Notícias

Inflação e risco: a receita por trás do ciclo de alta de juros

A inflação explosiva, o risco de aumentos mais rápidos das pelo Federal Reserve (Fed) e a desaceleração da atividade global colocaram os ativos financeiros em completa desordem no início da semana. Os mercados de globais caíram na segunda-feira, 13 de junho. Hoje, eles buscam o equilíbrio em meio a um cenário mais “calmo”.

O S&P 500, o benchmark mais representativo das bolsas de valores dos , entrou no território do “bear market”, com de 20% em relação ao pico de janeiro.

O rendimento do Tesouro dos EUA de 10 anos saltou para 3,27% e reacendeu o movimento de “fuga para a qualidade” favorecido pelos investidores. As criptomoedas entraram em colapso por temores de que o Federal Reserve possa aumentar as de 0,50 ponto percentual para 0,75 ponto percentual em uma reunião que começa hoje e termina amanhã, refletindo um padrão de pânico em todo o mundo.

O saldo negativo do na segunda-feira afetou severamente o e os preços não devem se recuperar da noite para o dia. O índice despencou ontem para 102 mil pontos por pressão externa, os juros subiram e o valorizou mais de 3% em alguns momentos de negociação nos negócios à vista.

Leia mais  Ibovespa em alta; inflação nos EUA vem acima das expectativas

A moeda atingiu 5,14 reais e quebrou abaixo desse patamar por 19 sessões consecutivas – sequência que dá ânimo adicional para a possibilidade de uma desaceleração da inflação anualizada de mais de 10%.

Para sustentar a inflação, o Senado aprovou ontem à noite o limite de arrecadação do ICMS em 17%. As tensões persistiram sobre a postura do Comitê Federal de Mercado Aberto do Federal Reserve.

Enquanto a inflação, medida pelo índice de preços ao produtor, divulgado esta manhã, confirmou a projeção de maio de alta de 0,80% e alta anualizada de 10,80%, houve importante aceleração mensal.

O Copom voltou a se reunir sem referência às projeções de mercado para os principais indicadores econômicos monitorados pela pesquisa Focus.

A pesquisa semanal foi interrompida há quase dois meses, quando funcionários públicos da Colúmbia Britânica entraram em greve por causa de reajustes salariais e reestruturação de carreira.

Na semana passada, a agência ainda divulgou alguns dos dados em foco: inflação projetada de 4,39% em 2023, 13,25% ao ano para a em 2022 e 9,75% em 2023. Ontem, o BC não divulgou parte da nova versão da Pesquisa Focus, nem previu que seria divulgada nesta terça-feira.

Leia mais  10 ações pra Julho pra ganhar muitos dividendos

Ao contrário do hiato de dados, porém, Roberto Campos Neto comandará todo o conselho de administração do Copom — com oito membros. É quase certo que a decisão de aumentar o custo de capital será novamente unânime. No mínimo, isso indicaria que o BC está “fechado” para a inflação.

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as notícias mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Presidente da Abit defende fim do ciclo de aumento dos juros

Guia do Investidor

Inflação pelo IPC-S sobe 0,76% na terceira quadrissemana de junho

Guia do Investidor

Selic a dois dígitos: hora de fugir da Renda Variável?

Guia do Investidor

Alta da Selic: Banco Central divulga ata

Guia do Investidor

Os juros altos chegaram para ficar? É o que indica o Copom

Leonardo Bruno

Inflação pelo IPC-S sobe 0,91% na segunda quadrissemana de junho

Guia do Investidor

Deixe seu comentário