Guia do Investidor
Arte: GDI
Notícias

Lula não deixa o Brasil crescer, diz um dos pais do Plano Real

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • Economista Edmar Bacha critica falta de avanço nas reformas estruturais pós-Plano Real.
  • Bacha lamenta que estabilidade proporcionada pelo Plano Real não tenha impulsionado crescimento esperado.
  • Ele aponta para um “Estado inchado” que consome um terço do PIB sem oferecer serviços públicos adequados.
  • Críticas focam na falta de progresso em reformas tributária, do Estado e abertura econômica.
  • Bacha critica disparidades na tributação e resistência à entrada de produtos estrangeiros que beneficiariam população de baixa renda.

O renomado economista brasileiro Edmar Bacha lançou críticas contundentes sobre a gestão econômica do país desde a implementação do Plano Real, há três décadas. Em entrevista a Folha de São Paulo, Bacha, conhecido por seu papel na formulação do plano que estabilizou a inflação no Brasil, expressou desapontamento com a ausência de progresso nas reformas estruturais necessárias para impulsionar o crescimento econômico sustentável.

Em entrevista recente, Bacha lamentou que as expectativas de um ciclo de crescimento robusto após a estabilidade conquistada pelo Plano Real não se concretizaram. Ele destacou que, embora tenham sido realizadas reformas nos primeiros anos, as últimas décadas foram marcadas por uma série de retrocessos, caracterizados por medidas que ele descreveu como “desreformas”.

Leia mais  Tudo mais caro: Reforma tributária deve mais do que dobrar impostos

Bacha criticou especificamente a gestão dos governos posteriores ao Plano Real, apontando para um “Estado inchado” que absorve uma parcela significativa do Produto Interno Bruto (PIB) sem fornecer serviços públicos de qualidade nas áreas de saúde, educação, transporte, segurança e infraestrutura. Ele também ressaltou a falta de avanço na abertura econômica e nas reformas tributária e do Estado, fundamentais para melhorar a eficiência e competitividade do setor produtivo brasileiro.

Além disso, o economista não poupou críticas ao governo em relação à política tributária, destacando a disparidade na tributação entre diferentes estratos sociais e a resistência à entrada de produtos estrangeiros que poderiam beneficiar a população de baixa renda e classe média.

Bacha, que possui uma extensa carreira acadêmica e ocupou posições de destaque em instituições como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), reforçou a necessidade urgente de reformas estruturais profundas para que o Brasil possa alcançar seu potencial econômico pleno e reduzir as desigualdades persistentes.

“O crescimento não veio como a gente esperava. Por que não veio? Bom, nós fizemos oito anos de reformas, mas aí veio o PT e fez 15 anos de ‘desreformas’ “.

Bacha em entrevista a Folha.

O economista ainda destacou que ainda temos um Estado inchado que absorve um terço do PIB e não entrega para a população serviços adequados de saúde, educação, transporte, segurança e infraestrutura, e a economia continua fechada.

Leia mais  Banco do Brasil privatizado? Governo quer vender 20 mi de ações

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Vou repetir aqui o que já disse em outra entrevista. Brasil podia decolar, mas o Lula não deixa.

Disse, Edmar em entrevista;

Ele ainda destacou que a abertura comercial deve ser tratada como uma questão de produtividade. E apontou para a elite ao qual classificou com “infame”, que, de acordo com Bacha, explora monopolisticamente o mercado nacional com preços surreais e não deixa entrar produtos estrangeiros de boa qualidade e preços baixos para que os pobres e a classe média se beneficiem.

Olha o paradoxo da situação. Nós ricos podemos gastar o que quisermos lá fora sem pagar imposto aqui. Na volta, a gente ainda passa no free shopping e pode gastar US$ 1.000 sem pagar um tostão. No dia que os pobres descobriram um canalzinho chinês pela internet, onde eles podem comprar coisinhas, o governo quer taxar. Por que o governo quer taxar os pobres e não taxa os ricos de vez?

Afirmou.
Leia mais  LCD: BNDES quer criar novo título de Renda Fixa

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Economia brasileira tem mais um “voo de galinha”, cita economista

Paola Rocha Schwartz

Dólar sobe após falas de Lula: “Povo pobre não compra dólar”

Paola Rocha Schwartz

PT causou retrocesso ao Plano Real, diz um dos pais do plano

Márcia Alves

Situação fiscal do Brasil piorou, apontam economistas

Rodrigo Mahbub Santana

A Petrobras voltou ao passado, diz colunista do O Globo

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa recua para mínimo anual em meio a tensões fiscais

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário