Guia do Investidor
ibovespa mercados b3 min
Colunistas

Mercados reagem a incertezas fiscais com alta dos juros e dólar

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Os recentes movimentos do mercado financeiro deixaram claro como as incertezas fiscais podem impactar rapidamente a economia brasileira. Na última semana, assistimos a uma disparada dos juros futuros e à valorização do dólar, em um cenário que contrastou fortemente com a queda dos yields americanos e europeus.

O comportamento dos mercados foi desencadeado pela decisão do Senado de devolver parte da Medida Provisória (MP), uma peça-chave para o aumento das receitas governamentais. Em meio a esse cenário conturbado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva reiterou que o governo está comprometido em equilibrar as contas públicas, aumentando a arrecadação e reduzindo a taxa de juros.

A decisão do Senado em devolver a MP, que incluía propostas essenciais para incrementar a arrecadação, gerou uma onda de preocupação no mercado. A reação foi imediata: os investidores, temerosos quanto à capacidade do governo de manter o equilíbrio fiscal sem as receitas adicionais previstas, elevaram suas expectativas de risco e isso se refletiu diretamente na elevação dos juros futuros e na valorização do dólar, em um claro sinal de desconfiança sobre a trajetória fiscal do país.

Leia mais  Lula defende que escolas não devem ser transformadas em prisões de segurança máxima

Em uma tentativa de acalmar os ânimos, Lula utilizou suas redes sociais para assegurar que o governo está “arrumando a casa”. Ele destacou que a combinação do aumento da arrecadação e a redução da taxa de juros são pilares para diminuir o déficit fiscal sem sacrificar investimentos públicos essenciais. A mensagem, embora otimista, não foi suficiente para tranquilizar os mercados.

O presidente também enfatizou a importância da reforma tributária, afirmando que a mudança será fundamental para criar um sistema tributário mais justo e eficiente. A reforma, que visa simplificar impostos e promover uma distribuição mais equitativa da carga tributária, é vista como crucial para fortalecer a competitividade econômica do Brasil e aliviar a carga sobre os mais pobres.

Apesar das palavras de Lula, o mercado reagiu com ceticismo. O índice Ibovespa, que havia operado em alta, reverteu os ganhos, refletindo a cautela dos investidores diante do cenário fiscal incerto. A devolução da MP pelo Senado reforçou a percepção de que o governo enfrentará desafios significativos para implementar as medidas necessárias ao ajuste fiscal, aumentando assim a volatilidade dos mercados financeiros.

Leia mais  Petrobras vai pedir reconsideração de licença na Foz do Amazonas

O episódio destaca a sensibilidade dos mercados às políticas fiscais e à capacidade do governo de gerenciar a economia. A resposta negativa dos investidores sublinha a necessidade de ações concretas e bem executadas para garantir a sustentabilidade das contas públicas. O foco agora está na eficácia das futuras políticas econômicas e fiscais, particularmente na reforma tributária, que será um teste crucial ao governo.

Hugo Garbe é professor de Ciências Econômicas do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas (CCSA) da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM).


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais  Haddad comenta ata do Copom: "é uma ata mais amigável"

Leia mais

Está com saque do PIS/Pasep congelado? Veja como resolver

Agência Brasil

Fundos registram captação líquida de R$ 159 bilhões no semestre

Fernando Américo

BlackRock lucra US$ 1,5 bi no 2T24 e supera expectativas

Paola Rocha Schwartz

Reforma Tributária: a questão federativa nos PLPs 68 E 108/2024

Fernando Américo

IVAR apresenta aumento de 0,61% em junho

Fernando Américo

Carteira de crédito em 2024 tem estimativa de alta de 10%

Fernando Américo

Deixe seu comentário