Guia do Investidor
bolsas em queda
Notícias

INBR31 queda: perspectiva para BDRs do Inter ainda é pessimista

  • O Banco Inter finalizou na última semana o seu processo de “migração” para Nasdaq, uma das principais bolsas de valores dos Estados Unidos;
  • No entanto, algumas casas de análises e de recomendações seguem pessimistas com os papéis da empresa, que estrearam sobre perdas.

O Banco Inter não encontrou nenhuma “moleza” em seu processo de migração para a Nasdaq. Passando a ser agora Inter & Co, os analistas do Goldman Sachs e do Morgan Stanley trocaram as ações que são objetos de análise de BIDI3, BIDI4 e BIDI11 para INTR, ticker do papel negociado no exterior.

Contudo, não mudaram a visão bastante cautelosa que possuem para os ativos, que estrearam na última quinta-feira (23) na americana em forte queda de 12,56%. E ja acumulam queda superior a 20% desde o soar do sino em seu primeiro pregão no mercado de Nova Iorque

image 162

O Morgan Stanley possui recomendação underweight (exposição abaixo da média) e preço-alvo de US$ 2,16 para o ativo, um valor 37,9% menor ante o da ação na véspera.

O que explicam os analistas?

Analistas do banco atribuem a classificação ao desafiador modelo de negócios do Inter de oferecer produtos e serviços gratuitos com altas recompensas e benefícios para atrair clientes e esperar fazer vendas cruzadas de produtos bancários onde não há experiência ou histórico.

Para o Morgan, é improvável que o Inter gere uma monetização significativa de clientes. A expectativa é de um retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) em um dígito baixo para os próximos 2-3 anos, sugerindo que as ações devem ser negociadas bem abaixo do múltiplo atual de 1,0 vez P/BV (Price to Book Value), um indicador que relaciona o preço da ação ao valor patrimonial proporcional a ela. O preço-alvo de US$ 2,16 assume que as ações serão negociadas a 0,5 vez o P/BV.

Leia mais  Brisanet (BRIT3) ultrapassa 900 mil clientes de banda larga no primeiro trimestre

Já o Goldman Sachs tem recomendação de venda para os ativos INTR, com preço-alvo de US$ 4 (ainda um potencial de valorização de 15% frente o fechamento da véspera).

“Embora acreditemos que a listagem da empresa nos EUA possa melhorar a visibilidade das ações, alcançando um conjunto mais amplo de investidores, continuamos a ver desafios para a monetização de clientes”, destaca a análise, ressaltando o mesmo ponto do Morgan Stanley.

Os desafios para a monetização incluem exposição limitada ao crédito sem garantia, menor escala e taxa de ativação e foco de expansão internacional. O preço-alvo atualizado implica em um valuation de US$ 1,6 bilhão (R$ 8,2 bilhões), que se compara à avaliação anterior de preço-alvo de R$ 3,70 por ação BIDI4 e US$ 2,0 bilhões (R$ 9,5 bilhões).

O Goldman destaca que o Inter construiu uma plataforma digital sólida com 19 milhões de clientes, desfrutando de uma forte base de crédito. Desde sua virada digital iniciada em 2015, a empresa inovou com lançamentos de novos produtos, como sua plataforma aberta de e integração de comércio eletrônico ao banco.

“Embora entendamos que o Inter está construindo uma marca sólida de banco digital de consumo no , nossas preocupações estão relacionadas ao caminho da empresa para a lucratividade”, destacam os analistas do banco.

“Os cinco porquês”

Especificamente, eles destacam cinco pontos:

  • 1) uma abordagem cautelosa ao crédito não garantido, perdendo, portanto, o núcleo da receita de varejo;
  • 2) falta de vantagens competitivas claras em suas verticais de negócios, considerando sua baixa participação de mercado;
  • 3) seu menor índice de cobertura – que representa a proporção que a provisão para risco de crédito é capaz de cobrir os créditos inadimplentes – em relação a outros bancos de varejo, permitindo o crescimento de menor margem de segurança no crédito sem garantia;
  • 4) menor escala e menor taxa de ativação em relação ao seu principal concorrente digital Nubank (NUBR33), apesar de possuir um portfólio de produtos maior;
  • 5) o foco de expansão internacional no mercado de remessas dos EUA, que consideram um caminho mais desafiador do que focar em sua grande base de clientes no Brasil.
Leia mais  Notícias Localiza, Azul, Minerva, BR Partners e mais

LULA OU BOLSONARO? Não corra o risco das eleições no Brasil: abra sua conta no exterior e proteja seu patrimônio

Recomendações no seu e-mail

Nossas redes:

Deixe seu comentário