Guia do Investidor
a 6869 6b51113ecf0482ff5b07da5e4f0ad0ff
Notícias

Nova Lei de Transação autoriza a utilização de prejuízo fiscal e dá outros benefícios para empresas

A publicação da Lei nº 14.375 no último dia 21 de junho de 2022, trouxe importantes evoluções em termos de judicial, principalmente em função do instrumento da transição tributária. A referida lei altera outra (Lei nº 13.988/20), que autorizava a utilização do prejuízo fiscal, dentre outros benefícios.

São várias as alterações, dentre estas foram destacadas pela advogada Alexia Sorrilha, associada à Barroso Advogados Associados, os seguintes pontos:

  • Aumentar para 65% o desconto máximo a ser concedido, preservada a parte principal do débito;
  • Aumentar de 84 para 120 o número de parcelas;
  • Possibilitar a utilização de de prejuízo fiscal (IRPJ) e de base de cálculo negativa (CSLL);
  • Prever que os descontos concedidos nas hipóteses de transação não serão computados na apuração da base de cálculo do PIS, COFINS, IRPJ e CSLL.
  • Dispensa de prestação de garantias pelo devedor ou de garantias adicionais às já formalizadas em processos judiciais.
  • Os benefícios concedidos em programas de parcelamentos anteriores ainda em vigor serão mantidos, limitados ao montante referente ao saldo remanescente ao respectivo parcelamento, considerando-se quitadas as parcelas vencidas e liquidadas, desde que o contribuinte se encontre em situação regular no programa;
  • Extensão do regime da transação por adesão ao contencioso tributário de pequeno valor às dívidas de natureza não tributária cobradas pela PGFN, aos créditos inscritos no FGTS e às dívidas das autarquias e fundações.

“Para adesão das modalidades de transação, a procuradoria irá verificar o grau de recuperabilidade e possibilidade de pagamento do interessado, histórico de solvência junto ao fisco estadual. Tais informações deverão ser verificadas através de apresentação de documentos contábeis do contribuinte no momento de apresentação da proposta”

explica Alexia Sorrilha.

Ela complementa que, com base nos novos critérios os contribuintes serão classificados de A à D como índices de recuperabilidade, com a ressalva de que os interessados que estejam em ou extrajudicial, em liquidação judicial, em intervenção ou liquidação extrajudicial e aqueles com CPF ou base do CNPJ em situação de baixado ou inapto, automaticamente serão classificados como irrecuperáveis.

“A exceção serão os casos em que já houver plano de recuperação judicial aprovado, o deferimento do parcelamento na transação, por adesão ou individual, está condicionado ao recolhimento à vista de valor não inferior a 20% do crédito final líquido consolidado”

explica a associada à Barroso Advogados Associados.

Contudo, em função à complexidade que podem existir nessas possibilidades de adesões às modalidades de transação fiscal e benefícios disponíveis, o interessante é sempre consultar um advogado especializado.

Recomendações no seu e-mail

Nossas redes:

Leia mais

6 razões para as empresas se internacionalizarem para fins de crédito

Guia do Investidor

Sair do perrengue sai caro: Oi vai ter que pagar R$ 21 milhões para seus advogados

Leonardo Bruno

🎧 “A Oi está saindo fortalecida de processo de RJ”, comenta advogada em novo Podcast

Guia do Investidor

Recompra de ações: confira as empresas que estão controlando a liquidez de seus ativos

Leonardo Bruno

Nova lei que altera a transação tributária permite uso de prejuízo fiscal para abater dívidas com a União

Guia do Investidor

Grupo Sabin anuncia novo investimento na startup Pickcells

Guia do Investidor

Deixe seu comentário