Guia do Investidor
polo textil de americana
Notícias

O Brasil precisa da indústria para se desenvolver, afirma presidente da Abit

Dirigente disse que relatório do IBGE diagnosticou com precisão as consequências dos danos sofridos pela

O presidente da Associação Brasileira da Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Valente Pimentel, salientou que o fortalecimento do parque fabril é decisivo para a retomada do crescimento econômico em níveis expressivos e o aumento da competitividade do Brasil no cenário . Ele fez a afirmação ao analisar os dados da Pesquisa Industrial Anual (PIA) Empresa e Produto de 2020, divulgada pelo IBGEque demonstra a queda da . Somente na década de 2011 a 2020, fecharam-se cerca de 10 mil empresas e se perderam mais de um milhão de empregos no setor.

“No segmento de confecção, representado pela , ocorreram 25% dessas reduções de postos de trabalho. Somando-se esta área às de acessórios de metal e artigos de couro, chega-se à metade das vagas perdidas, ou seja, cerca de 500 mil empregos”, observou Pimentel.

Ele frisou que o próprio IBGE indicou que esses três setores enfrentam de modo mais intenso as mudanças estruturais relacionadas à evolução tecnológica, a forte concorrência internacional e maior dependência do consumo interno.

“Com o ficamos 10 anos travados nesse período, ficou muito prejudicada a evolução desses setores, que, simultaneamente, se depararam com o nacional estagnado e com a concorrência, nem sempre de uma forma justa, de produtos importados”, explicou o presidente da Abit.

Assim, ponderou, “são necessárias estratégias específicas para setores intensivos na geração de empregos, como a confecção, para melhorar sua competitividade”.  

Pimentel enfatizou que muitas nações desenvolvidas estão procurando repatriar ou levá-las para mais perto de seu território, numa nova ordem mundial na qual reduzir dependências, inclusive na logística e no transporte, torna-se diferencial estratégico.

“Entretanto, o Brasil está na contramão dessas tendências. Precisamos, com urgência, de uma política industrial moderna e eficaz. Enfrentamos elevados , ondas de juros altos e falta de crédito, câmbio muito volátil, insegurança jurídica e todos os conhecidos componentes do Custo Brasil. O resultado é visível no crescimento de apenas 0,3% por ano, em média, de 2011 a 2020, exatamente no período em que o IBGE aponta as perdas do setor”, avaliou.

O dirigente defendeu uma política industrial com planejamento e previsibilidade, ancorada em P&D e que contemple linhas especiais de crédito, incentivos à produção conforme vocações regionais e mercadológicas e regime tributário incentivador aos voltados à inovação, incluindo os bens de capital. Para ele, cabe ao governo, em parceria com o setor privado, fomentar a pesquisa e ciência nas universidades e institutos públicos, remover obstáculos burocráticos e promover incentivos nas áreas nas quais haja vantagens competitivas ou interesse estratégico, principalmente na agenda que envolva a bioeconomia. É essencial, ainda, realizar as reformas estruturantes, principalmente a tributária e a administrativa, para melhorar a estrutura do setor público e proporcionar melhor ambiente de negócios.

Leia mais  RENT3, MOVI3, LCAM3: XP recomenda comprar todas as locadoras

Também é necessário contemplar uma política que insira o setor na chamada Manufatura Avançada, permeada pela digitalização da , inteligência artificial, internet das coisas, impressão 3D, robotização e o conceito de ESG (do inglês Environmental, Social and Governance / Meio Ambiente, Social e Governança Corporativa).

“Alta tecnologia e responsabilidade socioambiental são as novas marcas do fomento da indústria”, enfatizou Pimentel.

“Todos os setores são importantes e precisam ser estimulados para conduzir o País a um novo patamar de desenvolvimento. Porém, a indústria tem papel estratégico, pois é provedora de tecnologia e inovação, gera empregos de modo intensivo e de qualidade e produz bens e mercadorias de alto valor agregado, inclusive para incrementar nossas exportações”, afirmou o presidente da Abit.

LULA OU BOLSONARO? Não corra o risco das eleições no Brasil: abra sua conta no exterior e proteja seu patrimônio

Recomendações no seu e-mail

Nossas redes:

Leia mais

Aumento de preços dos insumos afeta indústria têxtil e de confecção

Guia do Investidor

Indústria de São Paulo parou no tempo e estado precisa pensar políticas conjuntas para o desenvolvimento, dizem especialistas

Guia do Investidor

Indústria paulistana tem saldo positivo de 3.383 empregos no quadrimestre

Guia do Investidor

Indústrias de refrigerantes param produção por falta de CO²

Guia do Investidor

Vendas reais da indústria paulista avançam após dois meses de contração

Guia do Investidor

Brasil precisa da indústria para impulsionar o desenvolvimento

Autor Convidado

Deixe seu comentário