Guia do Investidor
Free Messem
Notícias

O que é recuperação judicial? Quais as vantagens e diferença entre falência?

Nos últimos anos, principalmente desde o início da pandemia e isolamento social, temos visto e empresários de diversos ramos passando por quedas de faturamento, renegociações de dívidas com juros elevados que acabam por culminar em uma severa crise econômico-financeira.

Para superar a crise enfrentada, uma opção viável é o ingresso com o pedido de judicial, que pode evitar inclusive a da .

O que é a ?

A recuperação judicial é uma medida judicial onde empresas e empresários que se encontram em dificuldades financeiras poderão tomar um fôlego financeiro para ser reorganizar econômica, financeira, administrativamente, para que assim seja viabilizada a superação da crise, tendo por objetivo principal a continuidade das atividades, permitindo a manutenção dos empregos com geração de receita, além da preservação do interesse dos interesses dos credores, principalmente em receber seus créditos.

Desse modo, a recuperação judicial não traz benefícios somente aos devedores, mas também aos funcionários e aos credores, pois a continuidade das atividades garante aos funcionários que continuarão recebendo seus salários e garante aos credores o recebimento de seus créditos, dentro de prazos e condições a serem estabelecidos.

Qual a diferença entre a recuperação judicial e a falência?

Apesar de ambos os institutos estarem previstos na Lei nº 11.101/2005, são distintos e não podem ser confundidos. Como já dito, a recuperação judicial é utilizada para restruturação de dívidas em atraso e continuidades das atividades da empresa ou empresário devedor, por meio de uma negociação coletiva.

Leia mais  Oi (OIBR3) avisa aos acionistas de nova data de Assembleia Geral

Na falência, por seu lado, a empresa ou empresário devedor encerra completamente suas atividades, tendo por objetivo a liquidação ordenada de seu patrimônio, para que com os valores obtidos seja realizado pagamento de todos os credores.

Como é feito o pedido de recuperação judicial? Quais são os requisitos?

O pedido de recuperação judicial é feito perante o judiciário no local do principal estabelecimento da empresa ou empresário devedor, indicando a situação patrimonial, causas da crise, balanço financeiro dos últimos anos, bem como toda a documentação exigida pela lei.

Os principais requisitos para o ingresso com o pedido é o exercício da atividade empresarial há pelo menos dois anos, não ser falido, não ter obtido a concessão de recuperação judicial há menos de cinco anos, não ter sido condenado pelos crimes previstos na Lei 11.101/2005.

Quais as vantagens da recuperação judicial?

Logo após o ingresso com o pedido de recuperação judicial e a análise do cumprimento dos requisitos previstos na Lei, é deferido do processamento da recuperação judicial que tem como efeito imediato a suspensão das execuções em face do devedor, proibindo-se qualquer forma de constrição ou expropriação de seu patrimônio, bem como a retirada dos bens de capital essenciais às suas atividades. Tal medida, permite que o empresário tome o fôlego financeiro necessário para que haja a negociação dos créditos submetidos ao processo.

Durante a recuperação judicial o empresário permanece no comando da empresa, tomando todas as decisões, promovendo uma proximidade maior com os credores para as tratativas negociais.

Leia mais  Eternit anuncia telha fotovoltaica. Ações disparam

O plano de recuperação judicial deve conter uma apresentação dos meios que serão adotados para a superação da crise e poderá prever inúmeras possibilidades para a renegociação dos créditos, dentre elas, concessão de prazos, períodos de carência, deságio, escalonamento, alienação de ativos, dações em pagamento, etc. A aprovação do plano pela maioria dos credores implica na novação da de todos os credores sujeitos à recuperação judicial.

Apesar de os créditos tributários não estarem sujeitos ao processo, a recuperação judicial abre oportunidades para negociação e parcelamento destas dívidas.

Há também a possibilidade concessão de novas linhas de crédito para financiamento das atividades do devedor, com condições de recebimento diferenciadas ao , que terá prioridade de recebimento e garantias.

Importante esclarecer que a recuperação judicial não é vantajosa somente ao devedor, mas também aos credores e empregados, pois um de seus princípios é a transparência, sendo dever do empresário a prestação de contas aos credores e ao juiz a respeito do andamento das atividades, com a entrega e informações e balanços mensais. O credor também terá garantia do cumprimento das obrigações pelo devedor, sob pena de falência.

Leia mais  Saraiva (SLED3) tem recuperação judicial aditada; entenda

Por fim, ressalta-se que se trata de procedimento judicial, complexo e multidisciplinar, sendo fundamental a participação de profissionais habilitados com atuação voltada para a área, que conheçam bem a legislação e todas as etapas do procedimento.

* Por Dra. Isabella da Costa Nunes — DASA Advogados

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Empresa em recuperação judicial: Como os trabalhadores devem lidar? Especialista dá dicas

Victor Rodrigues

OIBR3: recuperação judicial trará as ações da Oi de volta ao jogo?

Leonardo Bruno

Venda da Oi móvel “avança” e as ações da Oi (OIBR3) disparam 15%

Leonardo Bruno

Oi (OIBR3) anuncia incorporação da subsidiária Oi Móvel

Diogo Albuquerque

Samarco, da Vale (VALE3), não chega a acordo para recuperação judicial

Diogo Albuquerque

Fertilizantes Heringer (FHER3) é comprada por multinacional Eurochem

Deixe seu comentário