Guia do Investidor
petrobras polo alagoas petro
Notícias

Petrobras (PETR4) assina com Grepar venda da Lubnor

A (PETR4) informou de forma oficial, via fato relevante, que assinou com a Grepar Participações, veículo societário de propriedade conjunta das Grecor Investimentos em Participações Societárias, Greca Distribuidora de Asfaltos e Holding GV Participações, contrato para a venda da refinaria Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor) e seus ativos logísticos associados, localizados no Estado do Ceará.

Assim sendo, o valor total da venda é de US$ 34 milhões. Isto é, sendo US$ 3,4 milhões pagos na data de hoje; US$ 9,6 milhões a serem pagos no fechamento da transação e US$ 21 milhões em pagamentos diferidos.

Desse modo, o referido valor total da venda não contempla o pagamento de ajustes previstos no contrato, devidos até o fechamento da transação.

Nesse sentido, a Refinaria Lubnor está localizada em Fortaleza, Ceará, e possui capacidade de processamento autorizada de 10,4 mil barris/dia.

Segundo a Petrobras, é uma das líderes nacionais em produção de asfalto, e a única unidade de refino no país a produzir lubrificantes naftênicos.

Petrobras (): Cade tende a aprovar venda da refinaria da no Amazonas

A Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (SG/Cade) está perto de aprovar a venda da refinaria da Petrobras (PETR4) em Manaus, Amazonas. Isto é, a refinaria Isaac Sabbá (Reman), para o grupo Atem.

Leia mais  Ações da PetroRio (PRIO3) disparam com oferta de ações

Assim sendo, a venda é umas das obrigações firmadas entre a estatal e o órgão em termo de cessação de conduta (TCC) assinado em 2019. Desse modo, a operação, contudo, é polêmica no setor.

Além disso, a refinaria é considerada estratégica na região. Ou seja, isso em virtude de a refinaria englobar um acesso a navios de importação de combustível. Nesse sentido, algumas distribuidoras grandes estariam agindo para dificultar a venda da regional e evitar o crescimento de uma rival na região.

Diante disso, informações sobre a divergência são públicas. Assim sendo, a área técnica do Cade admitiu as empresas Raízen, Fogás, Equador e Ipiranga, como terceiras interessadas da operação.

Sob essa perspectiva, em nota publicada em março, a SG afirma que as empresas manifestaram preocupações em relação à operação, relacionadas aos impactos na cadeia de refino de petróleo na região Norte do país. Ou seja, especialmente nos processos de importação e distribuição de combustível.

Portanto, as preocupações incluem risco de desabastecimento e de práticas abusivas, além da possibilidade de práticas discriminatórias e de fechamento de mercado.

Nossas redes:

Leia mais

Petrobras (PETR4) paga hoje R$ 24,23 bilhões em dividendos e juros sobre capital próprio

Ruan Sousa

Ações da Petrobras (PETR4) voltam a ter negociações suspensas

Ruan Sousa

Pediu para sair: José Mauro Coelho deixa presidência da Petrobras

Leonardo Bruno

Com ameaças de Arthur Lira, Petrobras apresenta novos indicados ao conselho

Leonardo Bruno

Quer desvendar a bolsa brasileira? Foque nestas duas commodities

Leonardo Bruno

Reajuste da Petrobras (PETR4) impacta inflação no mês, mas não muda cenário para o ano, dizem economistas

Ruan Sousa

Deixe seu comentário