Guia do Investidor
Free Mulher Investimento
Colunistas

Presença das mulheres no mercado financeiro aumenta, mas número ainda é baixo

Não é de hoje que observamos números da participação feminina em diferentes mercados crescendo — e no financeiro não poderia ser diferente. Apesar do aumento significativo, ainda há muito que se caminhar para que as deixem de ser minoria neste setor.

De acordo com dados da B3, a quantidade de pessoas físicas que investem na está perto de 4 milhões, mas, dentro desse universo, a participação feminina entre os investidores brasileiros representa cerca de 29%.

E ainda que a quantia seja baixa, o número é o maior já atingido na história, que sempre contou com uma participação menor das de valores.

Uma coisa é fato, felizmente, elas vêm alcançando papéis de liderança e de destaque em todos os mercados, inclusive o financeiro, que traz um histórico composto por personagens predominantemente masculinos.

E isso só é possível por meio da dedicação com afinco, determinação, formação técnica e, claro, desconstrução da sociedade. A partir desses requisitos surgem, por consequência, resultados e metas atingidas — a hoje dita “entrega”.

Leia mais  Nubank: NuConta com proteção do FGC

Os resultados apresentados, por sua vez, se transformam em remuneração e reflexos na carreira e, esta dinâmica calcada na meritocracia, atrai as mulheres que de forma corajosa assumem este desafio, que muitas vezes consiste em mostrar o dobro do resultado de pares masculinos, apenas por conta do machismo presente culturalmente em muitas empresas, conquistar reconhecimento, combatendo o estereótipo de que finanças não são para as mulheres, e conciliar a vida pessoal e profissional, principalmente com a maternidade.

Nesse sentido, no último caso, a flexibilidade das de home office — ao permitirem o ganho de tempo pela falta de necessidade de deslocamento entre a casa e o trabalho e acomodar as necessidades pessoais com as profissionais — tendem a propiciar menores barreiras para a inserção feminina.

Também não posso deixar de falar sobre o papel da educação financeira. Não há dúvidas de que a quantidade de informação disponível sobre finanças e para o público feminino cresceu e, certamente, foi um grande propulsor da independência financeira feminina, já que contribuiu ao despertar o interesse por esse e seu funcionamento.

Leia mais  Top 10 Ações XP

Em um país ainda muito marcado pelo machismo e pela grande diferença salarial entre homens e mulheres, elas viram a necessidade de buscar alternativas que tragam autonomia a curto e longo prazo. E apesar de serem minoria em diversos segmentos, cada vez mais vêm conquistando espaço exponencialmente.

Por fim, a busca das mulheres pela independência financeira — seja por meio do trabalho, relacionamento, empreendedorismo e outros recursos — é absolutamente fundamental. O caminho pode ser longo, mas certamente é necessário e viável, isto se homens e mulheres trabalharem juntos nesta jornada.

*Valquiria Matsui é sócia na QI Tech, de com licença bancária e primeira Sociedade de Crédito Direto aprovada pelo Banco Central do , e líder da área comercial com foco no mercado de capitais.

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Grupo Sabin anuncia novo investimento na startup Pickcells

Guia do Investidor

Prazo para fazer saque extraordinário do FGTS entra na reta final: veja investimentos em que seu dinheiro rende mais

Guia do Investidor

Upon Global Capital contrata a economista-chefe Nicole Kretzmann

Guia do Investidor

Investimentos no exterior: o que você precisa saber

Autor Convidado

Número de mulheres que investem na bolsa de valores cresce mais de 700% em dez anos e ultrapassa 1,1 milhão

Guia do Investidor

Compra e venda de empresas saltaram 20,7% no primeiro trimestre de 2022 diz Santis

Guia do Investidor

Deixe seu comentário