Guia do Investidor
Mulher recebendo presente
Notícias

Presentes para o Dia dos Namorados ficam abaixo da inflação em 12 meses pelo segundo ano consecutivo

Levantamento realizado a partir de 23 produtos e serviços do Índice de Preços ao Consumidor (IPC/ IBRE) indicou que os produtos e serviços mais procurados como presentes para o subiram em média 4,8% nos últimos 12 meses. O percentual ficou abaixo da apurada para o mesmo período, que foi de 10,27%. Já é o segundo ano consecutivo que isso ocorre, no ano passado, a mesma cesta tinha variado 3,86% contra 7,98% do IPC-DI.

A pesquisa também revelou a recuperação dos serviços, que subiram 5,6%, em média. Todos os itens da cesta de serviços sofreram aumento: restaurantes (8,13%), hotéis e motéis (7,47%), cinemas (5,62%), salão de beleza (4,94%), academia (2,37%), teatro (2,01%) e shows (0,29%).

O pesquisador do FGV IBRE Matheus Peçanha salienta o papel da retomada nessa inflação de serviços:

“Após o fim das restrições sanitárias e com a volta do trabalho presencial, a demanda por serviços foi normalizada, o que permitiu o reajuste de muitos preços que já estavam com os custos pressionados, mas não estavam sendo reajustados pela restrição de demanda”.

Pelo lado dos produtos mais comumente escolhidos como presente, a cesta de 16 itens teve um aumento médio de 4,04%. As maiores altas vieram principalmente dos itens de vestuário: roupas masculinas (11,04%), calçados masculinos (9,84%), roupas femininas (7,98%), calçados femininos (7,57%) e cintos e bolsas (7,3%). Assim como na cesta de serviços, todos os itens da cesta de presentes registraram alta: bijuterias (4,91%), vinhos (4,6%), livros (3,6%), produtos para barba (3,21%), perfumes (2,84%), bicicletas (2,78%), bombons e chocolates (2,67%), relógios (2,31%), celulares (1,4%), artigos de maquiagem (1,07%) e computadores e periféricos (0,99%).

“Mais uma vez, os custos tiveram um papel importante”, avalia Matheus Peçanha, “as cadeias globais de valor sofreram muito durante a pandemia e ainda não se recuperaram, e uma das que mais sofreu foi a da indústria têxtil.”

Var.% acumulada em 12 meses

Nossas redes:

Leia mais

Inflação pelo IPC-S sobe 0,76% na terceira quadrissemana de junho

Guia do Investidor

Inflação pelo IPC-S sobe 0,91% na segunda quadrissemana de junho

Guia do Investidor

O fim dos juros baixos? Países ao redor do mundo estão lutando contra a inflação

Leonardo Bruno

Expectativas de inflação no Brasil para o 2º semestre de 2022

Autor Convidado

Preços dos produtos juninos sobem mais que a média da inflação nos últimos 12 meses

Guia do Investidor

Crise inflacionária leva 65% dos brasileiros a comprarem marcas mais baratas, diz pesquisa da PROTESTE

Guia do Investidor

Deixe seu comentário