Guia do Investidor
Lenovo ThinkBook Plus Gen 3 price and specs via Revu Philippines
Notícias

Propaganda enganosa: Consumidora acusa Lenovo de oferecer produto e não entregar

Especialista comenta mais um caso em que consumidora levou gato por lebre

Os casos de consumidores lesados ao sucumbirem à — como o recente caso do sanduíche do McDonald’s que, apesar do nome, não tinha picanha em sua composição — se multiplicam a cada dia, em todas as áreas. No início de maio, por exemplo, uma consumidora comprou — no site da própria — um notebook promocional da Lenovo, porque o anúncio garantia que o produto vinha com acesso gratuito ao pacote Office 365 por 12 meses.

A novela se desdobrou ao longo da semana, depois que, em casa, com o produto, a consumidora constatou que o notebook — ao contrário do anunciado — não vinha com a chave de acesso ao Office 365. No suporte da Lenovo, mais dor de cabeça: ela foi informada que quem deveria repassar a chave era a Microsoft. Em contato com a Microsoft, por sua vez, soube que a empresa não tinha chave disponível para o pacote Office 365.

Diante de tudo isso, ela não hesitou. Em 18 de maio, solicitou o direito à devolução do produto com o devido ressarcimento dos valores pagos. A empresa não respondeu à solicitação. Ela então acionou o — SP, onde a questão segue em análise.

Leia mais  Cielo (CIEL3) anuncia nova VP Executiva de Grandes Contas

“A conduta da Lenovo configura propaganda enganosa, pois o anúncio do produto levou o cliente a erro”, comenta a advogada e especialista em Direito do Renata Abalém, acrescentando que, “na plataforma Reclame Aqui é possível verificar que existem outras reclamações contra a Lenovo a respeito do mesmo tema”. A especialista reitera que “a conduta da empresa é veementemente reprovada — e o Código de Defesa do Consumidor proíbe toda e qualquer publicidade de produtos e serviços que induzem a erro o consumidor”.

A advogada vai além. “É o velho paradoxo: quem veio primeiro, a propaganda enganosa ou o consumidor mal informado? Ou ainda os órgãos fiscalizadores que não dão conta da demanda? As situações que temos visto, longe de serem fatos isolados, revelam como a fiscalização da propaganda é falha — e o pior: como os fornecedores não se importam com o consumidor brasileiro. E com razão: é mais barato! O consumidor brasileiro é barato; as multas são risíveis; e os órgãos que deveriam fiscalizar não o fazem. É o do engano, fomentado por quem deveria proteger o .”

Leia mais  CVM cobra justificativas da Tim (TIMS3) por movimentos de oscilação nas ações da empresa

Para este caso específico, Renata Abalém aponta que a consumidora tem o direito da devolução do produto e ressarcimento imediato dos valores pagos, fazendo jus ao direito ao arrependimento: de acordo com a data da compra, entrega, reclamações e requerimento para devolução do produto, foi respeitado o prazo estabelecido por lei de 7 dias.

“Em segundo lugar, o direito sobre o pedido de devolução do produto e reembolso é justificado diante da não entrega daquilo que foi anunciado e depois comprado pela consumidora, podendo ainda a Lenovo ser responsabilizada pelo tempo que a consumidora gastou para resolver o problema, além dos danos causados pela não entrega do produto oferecido”

Conclui.

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Confiança dos consumidores avança 3,5 pontos em junho

Guia do Investidor

Confiança do setor de serviços sobe 2,1 pontos em maio

Guia do Investidor

Confiança dos consumidores recua 3,1 pontos em maio

Guia do Investidor

Entrega por delivery: conheça seus direitos na hora dos problemas

Victor Rodrigues

Seguro residencial: escolha requer cuidados, diz PROTESTE

Victor Rodrigues

Caso de Polícia: Procon pede investigação contra Empiricus

Diego Dias

Deixe seu comentário