Guia do Investidor
queda acoes
Recomendações

Quais as melhores ações para enfrentar uma recessão em 2022?

A recessão está batendo às portas do em 2022. As consequências da pandemia covid ainda assolam muitos setores do mercado, e as escalas de produção global correm atrás do para recuperar as perdas e danos dos lockdowns aos sistemas econômicos globais.

O medo da recessão está vivido, e claramente não sem motivos. No entanto, ainda resta esperança para os apostadores da bolsa de valores, em que irão suportar de frente o dano da recessão.

Pelo menos é o que indica a mais recente análise do UBS BB, que revela algumas das opções favoritas da corretora para bater de frente com a fase pessimista do mercado.

Os ativos para se ficar de olho

EmpresasTicker
HapvidaHAPV3
BRFS3
RENT3

O UBS BB manteve a recomendação de compra para a gigante verticalizada de saúde, pela primeira vez colocando na conta a fusão com a Intermédica. Com o papel a R$ 6 e negociando a múltiplos da época do IPO – 22x o lucro dos próximos 12 meses e um free cash flow yield de 6% – o UBS diz que o papel oferece “um ponto de entrada particularmente atraente para uma cujas defesas contra a concorrência e potencial de crescimento permanecem intocados apesar da deterioração do sentimento de mercado.”

Mas o banco cortou o preço-alvo em 41%, de R$ 15,40 para R$ 9, alertando que o aumento nos médicos pressionará as margens no restante do ano.

Leia mais  Banco Inter enfrenta quedas e mais quedas em Wall Street; ainda vale a pena investir?

Além disso, os desafios de integração das últimas aquisições criam obstáculos para a aceleração de um crescimento orgânico. BRF – Apesar de ter achado os do primeiro trimestre da BRF decepcionantes e ter reiterado a recomendação neutra, o BTG revisou o preço-alvo da companhia de R$ 17 para R$ 20, um upside de 36%.

A elevação não tem a ver com a dinâmica da empresa, e sim com o cenário mais positivo para o setor, com o aumento dos preços das aves e a safra de milho recorde esperada no Brasil, o que deve diminuir a pressão dos custos. Localiza – Depois do closing da fusão com a na sexta-feira, o JP Morgan revisou seu preço-alvo para a Localiza de R$ 60 para R$ 65, mas manteve sua recomendação ‘neutra’.

O banco enxerga desafios no curto prazo, como o aumento no custo das tarifas, o que pode desacelerar o crescimento da receita no segmento de locação de veículos. Com a indústria automotiva ainda pressionada pela falta de microprocessadores, as locadoras – que têm se beneficiado com a alta dos seminovos – agora vão enfrentar custos mais altos para renovar a frota. A ação da Localiza cai 2,5% por volta do meio-dia para R$ 51,36. No setor, o JP prefere a Movida dado seu nível de desconto. Enquanto a Localiza negocia a 17x o lucro de 2023, a Movida sai a 4x.

Leia mais  Localiza (RENT3) reporta lucro líquido de R$ 325,5 milhões no 3T20

Bônus: fique de olho no Petróleo

Se houver uma recessão global severa, com destruição de empregos e quebras de empresas, o Citi enxerga que o preço do barril de petróleo Brent pode desabar para US$ 65 neste ano – e US$ 45 em 2023. Mas o banco alerta que esse seria um dos piores cenários possíveis: sem nenhuma intervenção da Opep+ para reduzir a produção e um fracasso do Fed em conseguir um soft landing.

LULA OU BOLSONARO? Não corra o risco das eleições no Brasil: abra sua conta no exterior e proteja seu patrimônio

no seu e-mail

Nossas redes:

Leia mais

As melhores da semana: confira a carteira recomendada pela Warren

Leonardo Bruno

Perdido no mercado? Confira as indicações de ações da Terra Investimentos para a semana

Leonardo Bruno

De volta à Arábia: BRF (BRFS3) anuncia retorno de exportações de frango

Leonardo Bruno

Fitch Rating altera classificação da Localiza (RENT3) para AAA

Leonardo Bruno

CVM cobra explicações da BRF sobre oscilações de suas ações

Cristiane Luzio Rodrigues

O barato que sai caro: nova decisão da CVM pode custar R$ 1,2 bi para a Localiza

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário