Guia do Investidor
ibovespa queda ibov
Notícias

Quedas e mais quedas: Confira os destaques da “sexta-feira negra” na bolsa

O desta sexta possuiu todo o clima de um filme de terror no de capitais. Afinal, apesar de não ser uma “sexta-feira 13”, o primeiro pregão após as mudanças nos na quarta-feira reservou um dia de liquidações e correções no mercado, e poucas de peso saíram “ilesas”.

A que lidera as quedas mais relevantes do mercado é a , nome de peso do e que apresenta seu pior pregão dos últimos 6 meses, pagando o preço dos mercados internos e das recentes movimentações da política de preços interna.

image 92

O temor de recessão global e as incertezas sobre a da China se somaram hoje ao dólar forte para derrubar os preços do petróleo, que fechou nas mínimas em um mês. Na Ice, o contrato do Brent para entrega em agosto caiu 5,58%, negociado a US$ 113,12/barril, e na Nymex, o WTI para o mesmo prazo, recuou 6,30%, para US$ 107,99. Nos Estados Unidos, o mercado continua reagindo à expectativa de que o Fed não terá outra alternativa a não ser pesar a mão nos juros para debelar a inflação, o que fortalece o dólar e torna as commodities menos atrativas. Como fatores coadjuvantes da queda do petróleo, especialistas citam a disposição da Opep+ para começar a discutir uma oferta maior, diante das pressões da Casa Branca. O presidente Biden ameaçou elevar os impostos das refinarias para produzirem mais. Além disso, segundo a agência Tass, o vice-primeiro ministro da Rússia, Alexander Novak, disse hoje que as exportações do petróleo do país devem aumentar este ano.

A queda da commodity de referência, aliada com o descontentamento do governo com o aumento de preços revela que os cargos executivos da companhia não estão em sintonia com os principais poderes que estão a frente (teoricamente) da estatal. O resultado é muita desconfiança e aversão ao risco em toda a base da cadeia produtiva.

Leia mais  Safra de grãos cresce 4,5% e deve fechar em 238,3 milhões de toneladas

Os Papéis de siderúrgicas também ampliam perdas, figurando entre as maiores baixas do Ibovespa, diante da forte queda de 5,76% do minério de ferro em Qingdao. Para analistas, há uma pressão sobre os preços das commodities que estão levando a uma deterioração geral dos do setor. Há pouco, Metalúrgica Gerdau (GOAU4) cedia 9,07% (R$ 9,83), liderando o ranking, negativo. Também na lista, Gerdau (GGBR4) desvalorizava 7,85%, a R$ 23,37. CSN (CSNA3) caía 5,80%, a R$ 16,90. Usiminas (USIM5) perdia 5,68% (R$ 8,80). Já Vale (VALE3) registrava -5,25% (R$ 77,38) e CSN Mineração (#CMIN3), -381% (R$ 4,55).

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

O minoritário da Petrobras deve ser respeitado

Autor Convidado

“Não vai dar liga”? Itaú BBA acredita que a bolsa não vai passar dos 110 mil pontos em 2022

Leonardo Bruno

Ações de Petróleo disparam nesta segunda; o que aconteceu?

Leonardo Bruno

Conselho da Petrobras (PETR4) analisa nome de Paes de Andrade nesta segunda

Ruan Sousa

Comitê da Petrobras aprova nome de Caio Andrade para presidência

Agência Brasil

Bear Market: confira os tipos de quedas do mercado

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário