Guia do Investidor
Cripto 1
Bitcoin / Criptomoedas Educação financeira

Quero começar a investir em criptomoedas, por onde começar?

As criptomoedas já movimentam mais de 2 trilhões de dólares em todo o mundo, mas ainda são desconhecidas ou rejeitadas por boa parte do público. Muitos têm medo de investir nessa classe de ativos, seja por eles terem existência “apenas virtual”, seja pela sua já bem conhecida volatilidade.

Mas como muitos especialistas apontam, as criptomoedas são uma realidade que veio para ficar, com diversos governos e de ativos tradicionais gradualmente começando a aceitá-las como um sério.

Neste artigo, explicamos aos leigos em criptomoedas como elas funcionam, em que categorias elas são classificadas, como é possível investir nelas, entre outros detalhes importantes. Confira!

O que são criptomoedas?

As criptomoedas são ativos virtuais que utilizam as tecnologias e criptografia para funcionarem de forma segura. Ativos virtuais não são algo exatamente novo. Basta pensarmos que a maior parte do dinheiro usado no mundo hoje tem uma existência apenas virtual.

O diferencial das criptomoedas, no entanto, é que elas utilizam a tecnologia de encriptação ou criptografia para garantir que apenas o seu proprietário possa autorizar transações com elas. Quem não possuir as chaves eletrônicas de uma criptomoeda não poderá transacioná-la.

O que é blockchain?

Outro diferencial das criptomoedas é que elas usam uma tecnologia chamada blockchain, que pode ter como tradução “corrente de blocos”. Nela, blocos de dados estão interligados, como numa rede ou corrente, e só podem ser modificados se todo o conjunto também for.

As criptomoedas, portanto, possuem armazenamento em blockchain, que reúnem dados como sua data de criação e quem é o seu proprietário. Para que esses dados sejam alterados, a maior parte da blockchain precisa autorizar a operação.

Leia mais  Ômicron é confirmada nos EUA, arrasta o Dólar para cima e o Ibovespa para baixo

As blockchains garantem um aspecto importante da maioria das criptomoedas, que é a descentralização. Isso quer dizer que, dessa forma, a emissão e as transações com criptos não tem controle por autoridades como um Banco Central. Em vez disso, as operações se mantém por meio dos próprios participantes do mercado, através da blockchain.

Cripto 2
Imagem: Pexels/Mikhail Nilov.

Mas é dinheiro de verdade? Consigo pagar mercado com criptomoedas?

As criptomoedas são um ativo financeiro e, assim como todo ativo, elas têm um valor, que pode ser mensurado pelo seu lastro ou pela relação entre oferta e demanda no mercado.

Algumas criptomoedas estão ligadas a ativos reais, como ações, propriedades ou commodities, ou a moedas fiduciárias, como ou euro. Trata-se das stablecoins (“moedas estáveis”). Quem possuí-las tem maior certeza de quanto elas “valem”.

Outras criptomoedas, como o famoso Bitcoin, têm seu valor medido apenas pela relação entre demanda e oferta. Dessa forma, se a procura por Bitcoin for maior em relação à quantidade dessa criptomoeda disponível para transações, então seu valor vai aumentar.

Criptomoedas podem ter conversão para outros tipos de ativos, incluindo dinheiro “de verdade”. É possível não apenas comprá-las usando o dinheiro normal, como trocá-las por dinheiro normal, que poderá ser usado no mundo real.

Além disso, alguns estabelecimentos e até mesmo países (como El Salvador) já aceitam transações diretas com criptomoedas. Algumas empresas, inclusive, já pagam seus funcionários com esse tipo de ativo.

Quais são as principais moedas do mercado?

Atualmente, existe uma variedade muito grande de criptomoedas, embora o mercado esteja concentrado em torno de algumas principais. Confira quais são elas:

  • Bitcoin: A primeira e até hoje mais importante criptomoeda do mundo, concentra cerca de metade de todas as transações do , com reservas totais avaliadas em cerca de 1 trilhão de dólares.
  • : Segunda criptomoeda mais transacionada, a Ethereum ou está ligada a uma plataforma com aplicabilidade bem ampla. Através dela, usuários podem fazer infinitos tipos de operações utilizando a tecnologia de contratos inteligentes (“smart contracts”). Está avaliada atualmente em cerca de 2 mil dólares.
  • Binance Coin: Ligada à bolsa de câmbio de criptomoedas Binance (a maior do gênero), apresenta utilização em transações com outras criptos.
  • : Criptomoeda ligada a uma plataforma que permite transações com diversos tipos de ativos, incluindo moedas reais.
Leia mais  Ocean Protocol O que é? Ocean Protocol Projeto: tudo sobre

Conheça mais detalhes sobre essas e outras criptomoedas.

Como funciona?

Se você é um leigo em criptomoedas, tudo o que já dissemos até aqui pode parecer um pouco complicado e você ainda deve ter dúvidas como: será que realmente vale a pena investir em criptomoedas? Como eu começo a investir nesse mercado? É sobre isso que falaremos a seguir.

Como eu faço para investir nessas moedas? Onde comprar?

É possível investir em criptomoedas de diversas formas. Uma das mais utilizadas é participando de um fundo de investimento, que pode conter criptomoedas e outros tipos de ativos, além de possuir negociação na Bolsa de Valores. Dentro dessa categoria, existem os ETF’s (Exchange-Traded Funds) atrelados a índices cripto. Conforme o índice se valoriza, o montante investido no ETF também se valoriza.

Outra opção é comprar criptomoedas através de , que são corretoras com especialização nesse tipo de ativo. Elas se responsabilizam por trocar o seu ativo pela e cuidar da gestão da sua carteira. O processo é muito semelhante ao investimento tradicional por corretoras.

Por último, os investidores podem comprar as criptomoedas diretamente de um proprietário, pelo método conhecido como peer-to-peer. Isso pode ser feito em casas de câmbio de criptos, como a Binance, que oferecem contas de custódia, que garantem maior segurança à transação. A negociação peer-to-peer é considerada mais arriscada, mas pode ser mais ágil e dispensar pagamento de taxas.

Leia mais  Bitget vale a pena e é confiável ? Conheça a exchange de criptomoedas

Onde essas moedas ficam guardadas?

Se você comprou as suas criptomoedas através de uma exchange, pode optar por deixá-las guardadas na carteira virtual da própria exchange ou então transferi-las para a sua carteira. As carteiras de criptomoedas, também conhecidas como wallets, podem ser de quatro tipos: app de celular, site na internet, app para desktop de computador ou carteira física semelhante a um pendrive.

Cripto 3
Imagem: Pexels/Bram van Oosterhout.

Vantagens e riscos de investir em cripto

As criptomoedas podem ser consideradas por muitas pessoas como um investimento arriscado, devido à sua alta volatilidade, mas vantajoso, devido à crescente valorização do mercado como um todo.

Como exemplo, o Bitcoin, principal criptomoeda, se valorizou mais de 84 milhões de vezes entre 2010 e 2021. Mas depois de chegar ao patamar histórico de 69 mil dólares em novembro do ano passado, é cotado agora por menos da metade desse valor.

A menor incidência de taxas, impostos e regulações diversas por governos e órgãos regulatórios também costuma ser citada como uma vantagem, embora isso também aumente o risco de golpes e usos indevidos das cripto, como lavagem de dinheiro. Por outro lado, o uso de criptografia, blockchain e outros mecanismos conferem grande segurança às moedas digitais.

De todo modo, assim como ocorre em outros tipos de ativos, investir em criptomoedas exige estudo e planejamento financeiro. É preciso ir além dos conceitos que apresentamos aqui e também preparar as suas finanças, de modo a tornar o seu investimento mais seguro e rentável.

Por fim, confira também: Investindo em criptomoedas com segurança.

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as notícias mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Entenda o que é o halving do Bitcoin

Zro Bank

Como uma NFT valoriza? Saiba mais a seguir

Autor Convidado

Conheça os diferentes tipos de criptomoedas

Autor Convidado

O fim dos Criptos? Criptomoedas já perderam 61,16% em valor de mercado em 2022

Leonardo Bruno

Celsius Network: tudo o que você precisa saber sobre o congelamento dos saques

Fernando Américo

Bloomberg inclui os 50 principais ativos de criptografia

Guia do Investidor

Deixe seu comentário