Guia do Investidor
ilustracaodegraficosubindocomdinheiroemoedas
Notícias Recomendações Renda Fixa Selic

Renda fixa: até quando a taxa Selic continuará subindo?

A , considerada no momento a “queridinha” de muitos investidores, está em 12,75% ao ano. E por ser considerada uma categoria mais segura, tem atraído cada vez mais investidores do mercado. Nesse caso, tanto os títulos públicos como ligados ao CDB acabam sendo beneficiados.

“Se você for ao banco e buscar qualquer rendimento que seja 100% do CDI, o que é muito fácil de se achar, você ganhará 12,65% ao ano. Isso dá mais de 1% ao mês. É uma rentabilidade alta, considerando que esses são investimentos de menor risco do mercado

Afirma Fabio Louzada, economista, analista CNPI e fundador da Eu Me Banco.

Segundo ele, para o investidor que busca liquidez e segurança, o CDB ou o Tesouro são ótimas opções.

“Antes da elevação da taxa de essa taxa era de 2% ou 3% ao ano”

Compara Louzada

Já o tesouro pré-fixado pode ser uma boa escolha para os que buscam um retorno a longo prazo.

“O pré-fixado é importante para quem vai conseguir manter o recurso por mais tempo guardado rendendo. Se a pessoa pensar em longo prazo, o pré-fixado 2024 ou 2025 são ótimos negócios, estão pagando uma taxa muito boa

Comenta.

Ricardo Jorge, especialista em renda fixa e sócio da Quantzed, empresa de tecnologia e educação para investidores, é otimista e julga que o deve promover mais um aumento de 0,5% na reunião de junho. Segundo ele, essa será a última elevação da Selic no País e, após isso, a taxa deverá se manter sem alterações até o fim do ano.

“O não deu palavra definitiva sobre o término do fim do ciclo de alta. Mas, ao que tudo indica, dada as condições do mercado e comunicações do BC, o mercado espera que em junho tenhamos a última alta de juros para o ano de 2022. O mercado trabalha com cenário de alta de 0,5% e aí a taxa segue estável pelo menos até o fim do ano. E o que vai definir se até o fim do ano podem vir mais altas necessárias ou mudança de política monetária dando espaço para reduzir a Selic são os próximos indicadores de . Espera-se que seja a última alta do ano e que até o fim do ano a taxa fique inalterada

Explica.

Jorge cita que a normalização dos preços de commodities, especialmente as ligadas à energia, também poderia acelerar a redução da inflação e, consequentemente, da Selic. As commodities estão em alta desde o início do conflito entre Rússia e Ucrânia.

“As duas principais mudanças macro que permitiriam redução da taxa de juros lá na frente seriam primeiro a normalização da cadeia de distribuição global de insumos e, segundo, a normalização do preço das commodities, principalmente as vinculadas à energia. O primeiro problema surgiu por conta da crise do Covid e o segundo com a guerra entre Ucrânia e Rússia. Com esses dois pontos principais sendo resolvidos, teremos reflexos nos indicadores de inflação e aí os Centrais no mundo poderão voltar com a política monetária expansionista, ou seja, voltar a cortar juros no médio prazo. No final do ano, caso os indicadores de inflação deem sinais de arrefecimento, a partir de 2023 o Banco Central poderá cortar juros”

Diz Jorge.

Nossas redes:

Leia mais

Os juros altos chegaram para ficar? É o que indica o Copom

Leonardo Bruno

Vai continuar aumentando: Ata do Copom indica as expectativas do BC para os juros

Leonardo Bruno

Banco Central eleva a alta da Selic para 13,25%. Veja como ficam os investimentos

Guia do Investidor

Com Selic a 13,25% é hora de largar a bolsa? Descubra como lucrar com a renda fixa

Leonardo Bruno

Combustíveis, FED e Copom: Confira o que afeta seus investimentos na semana

Leonardo Bruno

Selic subiu para 13,25% ao ano – saiba como ficam seus investimentos agora

Guia do Investidor

Deixe seu comentário