Guia do Investidor
banco central do brasil
Notícias

Selic deve ser elevada em 150 bps no último Copom do ano

Esta semana teremos a última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), que definirá a taxa básica de para os próximos 45 dias. Dessa forma, as expectativas do apontam para uma elevação da 150 bps, levando a para 9,25% ao ano. Isto é, uma elevação com a mesma magnitude da última, assim como Roberto Campos Neto tem reforçado.

Contudo, as sequenciais elevações da Selic colocam em risco o crescimento da atividade econômica em 2022. Afinal, por meio dos transmissores da política monetária, sabemos que uma elevação da taxa de juros desaquece a . Isto é, uma Selic maior desestimula os e o consumo privado, além de diminuir as exportações líquidas. Portanto, reduz a demanda agregada – e o PIB.

Além disso, o movimento de outros Centrais, principalmente frente a nova variante da Covid, faz repensar a política monetária. De acordo com Jerome Powell, presidente do , a norte-americana é transitória – ou ao menos era. Isto porque, em depoimento recente ao Congresso, Powell afirmou que a inflação se mostra mais persistente do que o previsto.

Assim sendo, vale lembrar que o Fed já havia falando o tapering, isto é, a retirada de estímulos à economia, e de uma provável elevação de juros em 2022. E, enquanto a Ômicron não se desenha como um perigo real, as novas falas acerca da inflação podem significar um adiantamento da postura mais hawkish. Entretanto, uma postura completamente diferente se observa na Europa, com Christine Lagarde, presidente do Europeu, minimizando a inflação e o impacto da pandemia. Desse modo, é muito pouco provável que o BCE eleve os juros em 2022, dando ainda mais espaço para a inflação agir.

Avalie este post:
[Total: Média: ]

Nossas redes:

Leia mais

Itaú Unibanco lança funcionalidade de iniciador de pagamentos

Guia do Investidor

Valor de transações Pix tem o maior aumento em um ano, puxado por operações para PJ

Guia do Investidor

12,75%: como a nova Selic afeta seus investimentos?

Leonardo Bruno

Apesar dos juros altos, renda fixa requer cautela

Autor Convidado

Entenda como a alta da Selic impacta na compra de imóvel

Autor Convidado

ANBIMA revisa projeções e Selic deve chegar a 13,25% em 2022

Autor Convidado