Guia do Investidor
image 121
Colunistas

Será que vem aí o “Deezer” do setor financeiro?

Alguns dos impactos mais marcantes do processo de digitalização da pelo qual estamos passando ainda estão por vir. No setor financeiro, por exemplo, o encontro do uso intensivo de tecnologia pelas instituições financeiras — que vem ocorrendo há anos — com os novos hábitos de consumo dos , cada dia mais afeitos à conveniência e mobilidade, cria o ambiente perfeito para o surgimento, em um futuro próximo, do chamado superapp financeiro.

Antes de mais nada, é preciso deixar claro o conceito de superapp. Com a popularização dos smartphones, nos acostumamos a usar aplicativos especializados em determinadas tarefas, reunindo vários deles em nossos aparelhos. Com isso, começaram a surgir novos aplicativos, agora reunindo um grande volume de recursos e funcionalidades existentes nos demais.

Imagine, por exemplo, um aplicativo em que seja possível assistir a um vídeo, pedir comida, agendar um transporte e alugar uma bicicleta. Essa é a ideia por trás de um superapp: reunir todos os aplicativos em um único, evitando que o usuário tenha que abrir e se logar diversas vezes em aplicativos distintos para executar diferentes tarefas.

No caso do setor financeiro, estamos falando aqui de um player ainda inexistente, um orquestrador de operações financeiras. Ele teria, no setor, a mesma função que o Deezer tem para o consumo de música ou que o Decolar tem para as viagens, permitindo ao usuário compor suas operações e financeiros com diversas instituições. Esta é uma ideia que, apesar de nova, certamente teria sucesso no .

Leia mais  Mercado hoje: De olho no Payroll e nas perspectivas de inflação

Tanto é assim que, já em 2019, o Google divulgou resultados de uma pesquisa que mostrou que 81% dos brasileiros ainda não estão familiarizados com o termo Superapp. No entanto, ao entenderem o conceito, 45,8% dos participantes se mostraram dispostos a instalá-los — 20,3% o fariam imediatamente.

Além da digitalização da economia, o surgimento do superapp de serviços bancários seria estimulado também pelo conceito de open finance e pela (Lei Geral de Proteção de ). Agora o cliente, com o domínio de suas informações, pode dar acesso e controlar quem vê sua financeira.

Parece algo novo, mas este operador vai surgir em um ambiente já bastante conhecido. Isso porque há ainda um outro fator a estimular seu surgimento: o negócio dos bancos nunca foi desenvolvimento de canais de acesso. Ao longo de sua história, os bancos investiram em canais de pelo impulso do e porque precisavam de quem o fizesse. O eventual surgimento desses orquestradores eliminaria a necessidade de se investir no desenvolvimento de serviços de vendas, uma vez que o canal estará nas mãos dos clientes, exatamente como o Google está hoje, por exemplo.

Leia mais  Carrefour adquire 30 lojas Makro: custou caro

Óbvio que, para se colocar no mercado, esse orquestrador precisará contar com a parceria de um grande player integrador, capaz de reunir em uma única plataforma não apenas as ofertas dos grandes bancos, mas também as das fintechs que surgem a todo momento, em movimentos de inovação cada dia mais difíceis de acompanhar. Está aí mais um motivo para acomodar tudo em um único aplicativo.

Esse não é um movimento que será realizado pelos grandes bancos, que já se preparam para disponibilizar seus serviços para este novo possível cenário. Caberá a este novo player incorporar todos estes serviços e coloca-los à disposição dos clientes.

Esse orquestrador dará forma ao modelo de Banking as a Service (BaaS), permitindo com que fintechs, bancos e outras se conectem aos sistemas do orquestrador diretamente por meio de APIs para que possam criar ofertas bancárias com base na infraestrutura regulamentada dos provedores. Estamos falando aqui de recursos como criação de contas wallet; transferência entre contas, depósito por meio de boleto, Pix e TED; saldo e extrato; pagamento de contas; recarga de celular; link de pagamento; pagamento com QR code; saque em ATM; carteiras de investimentos, contratos de financiamento e gateway de pagamentos, entre outros.

Leia mais  Bolsa americana pode "derreter" em 2020: entenda

Parece futurologia, mas estamos muito próximos disso. É um mundo que já está em construção e já passou da hora de nos prepararmos, todos, para ele.

Por Alex Magalhães, diretor de Financial Services da Solutis

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as notícias mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Bear Market: confira os tipos de quedas do mercado

Leonardo Bruno

Ibovespa segue entre quedas e ganhos nesta quinta: confira destaques

Leonardo Bruno

O mercado de tecnologia e bens de consumo deve desacelerar mais de 5 vezes no Brasil em 2022

Guia do Investidor

Open Finance: uma revolução no mercado financeiro brasileiro

Autor Convidado

Quedas e mais quedas: Confira os destaques da “sexta-feira negra” na bolsa

Leonardo Bruno

Em colapso: S&P 500 já perdeu US$ 9,2 trilhões em valor de mercado

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário