Guia do Investidor
shutterstock 1007722072 1
Notícias Recomendações Renda Fixa

Títulos públicos de curto prazo têm as melhores rentabilidades de junho

Valorização das carteiras com vencimentos menores reflete aversão ao risco, de acordo com dados da ANBIMA

A carteira de títulos públicos marcados a refletida pelo (Índice de Mercado ANBIMA, da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) teve de 0,43% em junho. Os destaques do mês foram os papéis de curto prazo: o principal retorno do período foi do IMA-S, subíndice que reflete as LFTs em mercado, com variação de 1,07%.

“O clima de incertezas dos foi motivado por fatores como as perspectivas de aumento de juros externos acima do previsto, a persistência da no e a deterioração das expectativas fiscais diante de novos gastos do federal, sobretudo nos últimos dias de junho, com a aprovação no Senado de uma nova PEC”

avalia Marcelo Cidade, economista da ANBIMA.

Segundo ele, isso se traduziu no aumento do prêmio de risco nas curvas de juros, com maior impacto para as carteiras de prazos mais longos.

Leia mais  Após 2021 de quedas, o que esperar das ações da Pão de Açúcar em 2022?

Além do IMA-S, os demais subíndices que refletem os de curto prazo tiveram os maiores retornos de junho: os prefixados com vencimentos de até um ano, refletidos no IRF-M1, valorizaram 0,93%. Já os prefixados acima de um ano (IRF-M1+) tiveram valorização de 0,09%.O subíndice IMA-B5, que reflete as NTN-Bs até cinco anos, avançou 0,33% no mês, enquanto o IMA-B5+, que acompanha os papéis acima de cinco anos, registrou perda de 1,10%.

No resultado acumulado da primeira metade do ano, o IMA-B5 apresenta a melhor rentabilidade (6,61%), bem acima do desempenho do segundo semestre do ano passado, quando variou 3,24%. Em seguida, o IMA-S acumula retorno de 5,65%. Este índice havia registrado o maior ganho do semestre anterior, com variação de 3,40%. De acordo com Marcelo Cidade, os dados indicam que as apostas mais conservadoras vêm se mantendo relevantes ao longo dos últimos 12 meses, diante de um ambiente de dúvidas e da possibilidade de juros elevados por mais tempo.

Leia mais  Fujifilm está processando a Xerox por mais de 1 bilhão de dólares por fusão fracassada

Dívida corporativa: foco no curto prazo e nas debêntures incentivadas

Entre os títulos corporativos, o perfil dos rendimentos em junho foi semelhante aos dos papéis públicos, com as carteiras de menor prazo apresentando os principais retornos: a melhor performance do mês foi a do IDA-DI (debêntures indexadas à taxa DI diária), carteira de prazo mais curto, com alta de 1,15%. Em seguida, destaca-se o IDA IPCA Infraestrutura (0,25%), que corresponde à carteira das debêntures incentivadas e que apresenta maior diante da isenção de imposto de renda para pessoa física. Já o IDA IPCA Ex Infraestrutura, formado por debêntures indexadas que não contam com benefício fiscal, recuou 0,27% no mês. No ano, a melhor performance também é do IDA-DI (6,49%), confirmando a maior aversão ao risco para prazos mais longos no segmento de dívida corporativa.

Clique aqui e confira as estatísticas completas de renda fixa em junho

Recomendações no seu e-mail

Nossas redes:

Leia mais

3 Dicas para investir o dinheiro da restituição do Imposto de Renda

Autor Convidado

Com nova alta da Selic, renda fixa passa a gerar ganhos de 1% ao mês

Guia do Investidor

Com Selic a 13,25% é hora de largar a bolsa? Descubra como lucrar com a renda fixa

Leonardo Bruno

Títulos de prazos mais longos mantêm a melhor performance

Guia do Investidor

Renda fixa: até quando a taxa Selic continuará subindo?

Guia do Investidor

Renda fixa se recupera em março após comunicado do Copom

Victor Rodrigues

Deixe seu comentário