Guia do Investidor
c198d6a5 ba8d 456a 8f3b 1c2a296e5242
Colunistas

Um cartão de crédito por semana: é o que o ser humano ingere de microplástico, sem saber

Tão incrível quanto preocupante, é exatamente isso que aponta o estudo da Universidade Newcastle, na Austrália, que mostra como os microplásticos entram de variadas formas em nosso organismo. Além disso, indica que o ser humano pode estar ingerindo, em média, cinco gramas destes microplásticos por semana, o equivalente a comer um cartão de crédito a cada sete dias.

A descoberta mostra que além dos danos ao meio ambiente, o plástico também causa danos à nossa . Portanto, a chamada pela sustentabilidade nunca foi tão necessária.

É preciso acelerar urgentemente as formas de reciclagem de materiais e, cada vez mais, mesmo com a complexidade da logística reversa, desenvolver e buscar materiais de origem renováveis, como por exemplo, produtos à base de polpa de madeira.

Já existem ótimas iniciativas no mundo. Na Suécia e na Finlândia, berço mundial da indústria de papel e celulose já possível encontrar excelentes para reaproveitamento de materiais não-renováveis e, principalmente, como estão surgindo novos produtos com base renovável, evitando o uso excessivo do plástico e o substituindo por produtos não nocivos ao .

Sem querer acirrar a briga entre o plástico e o papel, o objetivo aqui é propor uma reflexão sobre como essas duas indústrias juntas podem melhorar o mundo. Os movimentos por lá são realmente motivadores e, na prática, começam pelo consumidor, que está muito mais atento à origem dos produtos que consome e o impacto que eles geram no nosso ambiente. É cultural e essa é a chave para a mudança no nosso consumo.

Leia mais  Duas propostas importantes para ampliar a competitividade

No comércio da região, é possível observar uma boa quantidade de produtos com características biodegradáveis ou ainda com a preocupação da sua pegada de carbono deixada. Há várias iniciativas ligadas ao bioplástico ou produtos com fibras renováveis da natureza e manejadas de forma correta.

Algumas já estão com essa mentalidade e criando inovações nesse segmento. Embalagens 100% biodegradáveis e resistentes à umidade, calor e odor e o melhor: com preços competitivos, algo bastante desafiador para essa categoria de produto.

Mudar a chave para esta questão pode nos ajudar a realizar melhores escolhas para o bem da humanidade. Saber optar por produtos compostáveis, reciclados ou biodegradáveis, aprender mais sobre cada um desses tipos de produtos, como podemos, individualmente, ter mais consciência sobre o impacto de nossas ações é um bom exercício para começar a fazer sua parte.

Por Rafael Gibini, CEO da Melhoramentos

Nossas redes:

Leia mais

Setor de saúde não “convence” investidores

Leonardo Bruno

Setor de saúde está longe de ser uma boa oportunidade de investimento?

Leonardo Bruno

Fim da pandemia? Investidor alerta sobre compra de ações no setor da saúde “Não recomendo”

Victor Rodrigues

Com o “fim” da pandemia ainda vale a pena investir em ações da Saúde?

Leonardo Bruno

Franquias de Saúde e Beleza faturam cerca de R$ 39 bilhões em 2021 e crescem em unidades

Victor Rodrigues

Com a pandemia chegando ao fim, ainda vale a pena investir no setor de saúde?

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário