Guia do Investidor
vibra energia ticker negociacao
Notícias

Vibra (VBBR3) quer se tornar referência em gás natural

A companhia vem traçando um interessante plano de negócio após sua desvinculação da Petrobras e da marca . A mudança vem para fortalecer a transição para fontes renováveis.

Em abril deste ano, Wilson Ferreira, o CEO da , ganhou reforços de peso para ajudá-lo a cumprir essa etapa do plano, com a eleição de novos membros para compor o Conselho de Administração. Entre eles, Sergio Rial, ex-CEO do Santander, Walter Schalka, CEO da Suzano, e Nildemar Secches, ex-CEO da Perdigão.

“Precisávamos de um time para compartilhar responsabilidade, risco e decisão nesse segundo turno da jornada da companhia”[…]“Tivemos uma primeira reunião na semana passada e ainda estou impactado. Subiu a barra das exigências que vamos ter, mas é assim que se cresce.”

Diz Ferreira

A Vibra não parte do zero nessa nova escala da operação. O grupo conta com mais de 18 mil clientes corporativos, além de uma rede de 8,3 mil postos de combustíveis por onde passam, mensalmente, 30 milhões de consumidores, e de negócios como a BR Aviation, responsável pelo abastecimento de 70% dos voos de aeronaves no País.

A está adicionando outras camadas a essa estrutura. Em menos de um ano, a Vibra costurou uma série de joint ventures e parcerias para marcar sua entrada ou estender sua atuação em novos segmentos. A relação inclui, por exemplo, a de 50% do capital da Comerc, comercializadora de energia elétrica; a joint venture com a em lojas de conveniência; outra com Copersucar, em etanol; uma parceria com a Zeg Biogás, para produzir biometano; e outra com a BBF, em diesel verde.

“O que falta é o gás natural e esperamos complementar essa plataforma nos próximos meses” […] “Estamos trabalhando na identificação de uma originação competitiva da molécula, mas o problema é o momento geopolítico. É um momento mais difícil de precificar transações.”

Enquanto acelera todos os movimentos em direção aos combustíveis do futuro, a Vibra tem desafios de curto prazo para lidar, sob impactos do cenário macroeconômico. No primeiro trimestre de 2022, a empresa reportou uma queda de 33,9% em seu lucro líquido na comparação com igual período de 2021, para R$ 325 milhões.

Nossas redes:

Leia mais

Vibra investe R$ 70 milhões em obras de ampliação no Porto de Miramar, em Belém (PA)

Guia do Investidor

Vibra (VBBR3): Em operação de R$ 1,22 bilhão, Vibra passa a deter 50% da Comerc

Ruan Sousa

As melhores ações ESG para comprar em Maio

Leonardo Bruno

Com queda de 34% Vibra lucra R$ 325 milhões no 1T22

Leonardo Bruno

Quer encher o bolso em maio? Confira a carteira de dividendos recomendada pelo Santander

Leonardo Bruno

Hora de fugir do setor bancário? Confira as opções favoritas da corretora Warren para Maio

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário