Guia do Investidor
Quais FIIs comprar em Junho de 2020 1
Guias

Aluguel de FII Vale a pena? Como funciona? Tudo sobre

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Já pensou em viver de renda de aluguel de FIIs? O sonho rentista representa uma das principais metas de investidores no mercado. Seja alugando imóveis ou recebendo dividendos, investidores em busca de uma renda extra sempre buscam novas formas para maximizar seus lucros. Por isso, hoje o Guia do Investidor irá mostrar se o aluguel de FII vale a pena e como funciona o FIIs.

Mas já pensou em alugar suas ações? Isso também é possível no mercado de fundos imobiliários (FIIs). Desde novembro de 2020, é possível alugar FIIs em uma operação em que o doador, o dono do ativo, os repassa para o tomador por um prazo determinado em troca de uma taxa de aluguel. Essa é uma forma de obter uma renda extra para o investidor doador, além dos proventos recebidos.

Um levantamento feito pelo TradeMap aponta que os fundos de “papel” e tijolo concentram as maiores taxas do mercado, que podem chegar a até 10% ao ano e quase 20% ao ano em alguns casos. Essas taxas elevadas se devem, em parte, à desvalorização das cotas, como aponta o estudo.

O que são FIIs? – Aluguel de FII vale a pena?

Os FII são como um clube de investimentos que reúne o dinheiro de várias pessoas para comprar imóveis ou investir em empreendimentos imobiliários. Sendo assim, eles compram cotas do fundo e, assim, se tornam proprietários de uma pequena parte do imóvel ou do empreendimento.

fiis fundos imobiliarios
Aluguel de FIIs vale a pena | Como funciona

O dinheiro investido é gerenciado por um gestor profissional que escolhe os imóveis para investir, cuida da manutenção e do aluguel e distribui os lucros para quem investiu.

Dessa forma, quem investe em FIIs pode ter acesso a investimentos no mercado imobiliário mesmo sem ter muito dinheiro para comprar um imóvel sozinho. Além disso, não precisa se preocupar em administrar do imóvel, já que isso fica a cargo do gestor do fundo.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Eles são uma forma de investimento em renda variável, já que a valorização das cotas pode oscilar de acordo com as variações do mercado imobiliário e o quanto rende pode variar ao longo do tempo. No entanto, eles também podem gerar renda periódica para os investidores na forma de aluguéis, o que os torna uma forma de investimento em renda fixa. Por essa razão, os FIIs são dados como uma classe de investimento híbrida.

Leia mais  LCI e CRI: a renda fixa do ramo imobiliário

Além disso, podem ser uma opção boa para iniciantes que desejam ter exposição ao mercado imobiliário sem precisar comprar um imóvel. No entanto, é bom que eles tenham conhecimento sobre como funciona os FIIs. Ainda, sobre seus riscos e potenciais retornos, bem como sobre o mercado de imóveis em geral.

Como funciona – Aluguel de FII vale a pena?

Mas afinal, como funciona o aluguel de FIIs? A operação é intermediada pela B3 e se faz entre três participantes: o doador do ativo, o tomador do ativo e o agente custodiante, que atua como intermediário entre o investidor doador e o investidor tomador. A B3 assume esse papel, que é muito importante para a operação, por atuar como contraparte central dessas operações, garantindo o cumprimento do contrato. Porém, o órgão controla o risco do contrato por meio da exigência de garantias por parte dos tomadores.

O doador do ativo costuma ser aquele investidor de longo prazo que empresta as cotas de sua carteira por um certo período com o objetivo de obter uma renda extra prefixada com o aluguel. Por exemplo, ele pode receber o equivalente a 2% ao ano pelo período de 60 dias. Já o tomador do ativo é aquele que passa a ser o dono temporário das cotas e detém os direitos de negociá-las no mercado, além de ter o direito de votação nas assembleias de cotistas enquanto elas estiverem sob sua custódia.

Aluguel de FIIs vale a pena | Como funciona
Aluguel de FIIs vale a pena | Como funciona

Nem tudo são flores!

Vale lembrar que, como em qualquer investimento, há riscos envolvidos no aluguel de FIIs. Por exemplo, se houver uma desvalorização das cotas durante o período em que elas estiverem alugadas, o doador pode ter prejuízo. Além disso, o tomador pode enfrentar dificuldades em honrar o contrato, o que pode levar a uma perda de dinheiro para o doador. Por isso, é bom avaliar com cuidado os riscos que podem existir antes de realizar isso.

Em resumo, o aluguel de FII pode ser uma nova forma de ganhar dinheiro para os investidores que buscam uma renda extra. No entanto, é bom lembrar que como em qualquer investimento, há riscos envolvidos e é justo avaliar com cuidado antes de realizar a operação. A B3 é a intermediária dessa operação, que envolve o doador do ativo, o tomador do ativo e o agente custodiante.

FIIs e Crowdfunding Imobiliario Qual e a Diferenca
Aluguel de FIIs vale a pena | Como funciona

Como operar

O aluguel de Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs) é uma operação que tem ganhado destaque entre investidores que buscam dar um complemento em seus rendimentos e também entre aqueles que desejam especular no mercado. Mas, é importante entender como funciona esse mecanismo e os riscos envolvidos.

Para habilitar o serviço de aluguel de FIIs, é necessário que o investidor veja as condições de sua corretora ou banco de investimentos, já que cada uma possui regras específicas. No caso do investidor doador, que empresta suas cotas, após habilitar o serviço não é preciso fazer nenhuma outra ação. Se houver demanda no mercado, suas cotas poderão ser alugadas.

Já no caso do investidor tomador, que aluga cotas, deve se verificar se o FII de interesse está disponível na lista de “venda a descoberto” da corretora. Caso esteja, o tomador pode enviar ordem de venda pelo home broker para formar o contrato de aluguel. Caso o FII não esteja na lista, então se deve entrar em contato com a mesa de operações da instituição financeira. Vale lembrar que para a operação ser fechada é preciso que o investidor tomador atenda às condições de garantias exigidas.

Aluguel de FIIs vale a pena | Como funciona
Aluguel de FIIs vale a pena | Como funciona

Sobre o pagamento

O pagamento do aluguel de FIIs é feito direto na conta da corretora do investidor doador ao fim do contrato. Em relação aos proventos distribuídos pelo FII durante o período de aluguel, o investidor doador continua recebendo como sempre.

Leia mais  Preço do aluguel em Belo Horizonte tem alta no acumulado de 2022

Em relação a possibilidade de alugar FIIs, é bom destacar que ainda é um mercado pouco líquido. Além disso, as taxas de remuneração do aluguel ainda não são tão interessantes para o doador. No entanto, para investidores de longo prazo, a remuneração do aluguel pode complementar os rendimentos recebidos do FII. É importante ressaltar que ao alugar suas cotas, o investidor doador estará transferindo seu direito a voto em assembleias para um terceiro durante a vigência do contrato.

Por outro lado, o tomador assume um risco maior ao realizar operações de curto prazo para lucrar com a queda no preço do ativo. Nesse caso, o lucro é limitado ao recomprar as cotas mais baratas do que as vendeu, mas o prejuízo pode ser “ilimitado” caso as recompre mais caras. É importante destacar que essa operação é recomendável apenas para investidores muito conscientes dos riscos envolvidos.

Aluguel de FII vale a pena?

Portanto, o aluguel de cotas de Fundos Imobiliários pode ser uma alternativa interessante tanto para o doador quanto para o tomador, desde que sejam consideradas as condições e riscos envolvidos na operação. Enquanto o doador pode obter uma remuneração extra sem grandes riscos, o tomador deve estar ciente dos riscos elevados da operação e deve ter uma tese bem fundamentada para realizá-la. Dessa forma, é importante avaliar com cuidado todas as condições envolvidas e ter consciência dos riscos antes de decidir realizar essa operação.

Vantagens e Desvantagens gerais FIIs

Agora que você já sabe como funciona o aluguel de FII e se vale ou não a pena, é válido apontar as vantagens e desvantagens gerais desse tipo de investimento. Veja, então, abaixo.

Vantagens

  • Renda passiva: Quando se investe em FIIs, se adquire cotas de imóveis que geram aluguéis. Esses aluguéis são distribuídos aos cotistas por mês, dando uma fonte de renda passiva sem a necessidade de se preocupar com a administração dos imóveis.
  • Diversificação: Ao investir em FIIs, você pode adquirir cotas de diferentes tipos de imóveis, como escritórios, galpões, shoppings e até hospitais. Isso permite que você diversifique sua carteira de investimentos, reduzindo o risco de depender apenas de um tipo de ativo.
  • Acesso fácil: Os FIIs permitem que pequenos investidores invistam em imóveis sem precisar comprar uma propriedade inteira. Com um valor baixo, é possível adquirir cotas de um FII e participar dos rendimentos gerados pelos imóveis do fundo.
  • Liquidez: Como os FIIs são negociados em bolsa de valores, você pode comprar ou vender suas cotas facilmente, sem precisar esperar por um comprador ou vendedor de um imóvel físico, o que aumenta a liquidez do seu investimento.
  • Gestão profissional: Os FIIs contam com gestores que entendam, responsáveis por administrar os imóveis, negociar contratos de locação e tomar decisões para aumentar a rentabilidade do fundo. Isso poupa os investidores de se preocuparem com a gestão dos imóveis.

Desvantagens

  • Risco de inadimplência: Os inquilinos dos imóveis podem atrasar ou deixar de pagar seus aluguéis, o que afeta a renda dos FIIs. Se a inadimplência for alta, os rendimentos do fundo podem se prejudicadar.
  • Vacância: A vacância ocorre quando há imóveis desocupados no fundo, ou seja, sem gerar aluguéis. Se a taxa de vacância for alta, a renda do FII pode diminuir, impactando na renda para os investidores.
  • Risco de mercado: Os preços das cotas dos FIIs podem sofrer variações no mercado, tanto para cima quanto para baixo. Isso significa que o valor do seu investimento pode aumentar ou diminuir, o que depende das condições do mercado.
  • Taxas de administração: Os FIIs cobram taxas para gerir o fundo, que são pagas pelos investidores. Essas taxas podem variar e, dependendo do valor, podem impactar a renda do seu investimento.
  • Incerteza econômica: Mudanças na economia, como crises financeiras, aumento do desemprego ou inflação, podem afetar a demanda por imóveis e os valores dos aluguéis. Essa falta de certeza pode influenciar de forma negativa o quanto rende os FIIs.
Leia mais  Fundos registram captação líquida de R$ 5,7 bi na semana do Carnaval
FIIs recomendados para Maio de 2020
Aluguel de FIIs vale a pena | Como funciona

Conclusão

Por fim, o aluguel de FIIs é uma forma atraente e eficiente de investir no mercado imobiliário. Ao adquirir cotas de um FII, os investidores têm acesso a uma ampla variedade de imóveis, como shoppings, escritórios, galpões e até hospitais. Isso permite uma distribuição de risco mais equilibrada, além de gerar renda mensal por meio dos aluguéis.

O investimento em FIIs é válido tanto para investidores iniciantes quanto para os mais experientes, já que oferece um acesso fácil, gestão profissional e liquidez. Além disso, é uma opção para aqueles que desejam obter renda passiva e não têm tempo ou o saber para gerenciar imóveis de forma direta.

No entanto, é bom considerar os riscos que envolvem o investimento em FIIs, como a inadimplência dos inquilinos, a vacância dos imóveis e as variações do mercado. Além disso, as taxas de administração e as incertezas econômicas podem impactar a renda dos fundos.

Para tomar uma decisão informada sobre o investimento em FIIs, os investidores devem avaliar as vantagens e desvantagens, analisar o histórico do fundo e o desempenho dos gestores, além de pensar sobre o cenário econômico atual. Dessa forma, é possível maximizar os ônus dessa forma de investir e obter resultados bons a longo prazo.

Em última análise, o aluguel de FIIs pode ser uma excelente chance para aqueles que buscam variar seus investimentos e obter renda passiva, desde que estejam cientes dos riscos e se dediquem a analisar com muito cuidado suas opções no mercado.


Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Fundos imobiliários: por que investir neles agora?

Guia do Investidor

Como investir em Fundos Imobiliários: Guia para Iniciantes

Guia do Investidor

Fundos tem entrada líquida de R$ 105 bi no primeiro tri de 2024

Guia do Investidor

Fundos têm R$ 13,5 bilhões de retiradas líquidas na última semana

Guia do Investidor

O que vale mais a pena: aluguel de imóveis ou fundos imobiliários?

Guia do Investidor

Fundos têm captação líquida positiva de R$ 17 bilhões

Guia do Investidor

Deixe seu comentário