Guia do Investidor
banco inter nasdaq
Notícias

Bolsas de NY sobem; Nasdaq atinge recorde e Apple se destaca

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

As bolsas em NY fecham em alta, com Nasdaq atingindo máxima histórica e ações da Apple subindo após recomendação.

As bolsas de Nova York apresentaram um desempenho positivo, com destaque para o Nasdaq, que atingiu uma máxima histórica, impulsionado pelo forte balanço da empresa taiwanesa de semicondutores TSMC.

O Nasdaq registrou um avanço de 1,35%, alcançando 15.055,65 pontos. Um dos principais motores desse desempenho foi a Apple, cujas ações subiram 3,26%, após o Bank of America elevar a recomendação do papel de “neutra” para “compra”.

Mercados de ações em NY têm dia positivo com Nasdaq em alta histórica e Apple se destacando após recomendação de compra

Nesta sessão, as bolsas de valores em Nova York apresentaram um desempenho notável, com destaque para o índice Nasdaq, que atingiu uma máxima histórica. O Nasdaq avançou 1,35%, fechando em 15.055,65 pontos, impulsionado pelo vigoroso desempenho da fabricante taiwanesa de chips TSMC. Essa reviravolta positiva ocorreu após um início de semana desafiador para as gigantes de tecnologia, as chamadas big techs.

Um dos principais impulsionadores do Nasdaq foi a Apple, cujas ações subiram 3,26%. Essa alta significativa ocorreu em resposta à recomendação do Bank of America, que elevou a classificação das ações da Apple de “neutra” para “compra”. Esse movimento positivo da gigante da tecnologia teve um impacto considerável na performance geral do mercado de ações.

O Dow Jones também registrou ganhos sólidos, encerrando o dia com uma alta de 0,54% a 37.468,61 pontos, enquanto o S&P500 avançou 0,88%, fechando em 4.780,94 pontos. Vale mencionar que as ações da Boeing também tiveram um dia positivo, com um aumento de 4,21%, marcando uma recuperação após perdas recentes.

Leia mais  Copom, resultados, queda do varejo e mais: Confira o que afeta o Ibovespa nesta tarde

Apesar do otimismo nos mercados, os investidores continuam atentos à questão do afrouxamento monetário nos Estados Unidos, à luz das declarações mais conservadoras dos dirigentes do Federal Reserve (Fed) e dos dados econômicos positivos do país. Os rendimentos dos Treasuries apresentaram movimentos mistos, com o juro do T-bond de 30 anos subindo para 4,368%.

Mercado cambial fecha a semana com dólar em alta de 1,5% em meio a incertezas sobre política monetária dos EUA e risco fiscal no Brasil

O mercado cambial encerrou essa quinta-feira com o dólar acumulando uma alta de 1,5%, após uma série de movimentos turbulentos. Apesar de ter subido novamente frente ao real e outras principais moedas nesta quinta, a moeda norte-americana perdeu força no final da sessão, seguindo a recuperação das bolsas de valores dos Estados Unidos.

A volatilidade do dólar nos últimos dias está relacionada a uma série de fatores, incluindo as expectativas em torno da política monetária do Federal Reserve (Fed) dos Estados Unidos. O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, forneceu mais clareza sobre os próximos passos do banco central ao sugerir que os cortes nas taxas de juros provavelmente só ocorrerão no terceiro trimestre, contrariando as esperanças do mercado de uma ação mais imediata em março.

Leia mais  MRV lidera ganhos do Ibovespa; Cogna tem maior queda da sessão

Além disso, indicadores econômicos norte-americanos surpreenderam positivamente, com uma queda nos pedidos de auxílio-desemprego e uma redução menor do que o esperado nas construções de moradias iniciadas em dezembro. Isso fortaleceu a perspectiva de uma economia dos EUA em crescimento, contribuindo para a valorização do dólar.

No contexto doméstico, o risco fiscal no Brasil também exerceu pressão sobre o câmbio. O Tribunal de Contas da União (TCU) alertou o governo sobre a possibilidade de não atingir a meta fiscal zero e estimou um déficit nas contas públicas de até R$ 55,3 bilhões para o ano.

Além disso, os investidores aguardam o desfecho de uma reunião entre o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e o presidente da Câmara, Arthur Lira, para tratar de questões relacionadas à Medida Provisória da reoneração da folha de pagamento.

No fechamento do mercado, o dólar à vista registrou uma leve alta de 0,02%, encerrando o dia a R$ 4,9311, enquanto o dólar futuro para fevereiro caiu 0,14%, chegando a R$ 4,9390. O índice DXY, que mede o desempenho do dólar em relação a outras moedas, teve alta de 0,07%, atingindo 103,521 pontos. O euro caiu 0,19%, negociado a US$ 1,0862, enquanto a libra subiu 0,07%, alcançando US$ 1,2686.

Leia mais  NY avança com dados econômicos positivos; Ibovespa segue tendência positiva
Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Crise na Bolsa de Valores? Um alerta para a economia brasileira

Fernando Américo

O que acontece com uma nova bolsa de valores no Brasil?

Fernando Américo

Insider? Investidor desembolsa 1,7 milhão de reais em CALL da Petrobrás

Guia do Investidor

Ministro critica “lucro exorbitante” da Petrobras e nega interferência

Rodrigo Mahbub Santana

Empresa de Trump tem prejuízo de quase US$ 60 bi em 2023

Rodrigo Mahbub Santana

BTG Pactual rebaixa recomendação da Vale em meio a tumulto

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário