Guia do Investidor
evangelos mpikakis 2ieJFbTwBhU unsplash
Notícias

Charles River Capital detém agora 10,01% da BrasilAgro

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Com a nova compra, o total de ações detidas pela gestora carioca é de 10.281.388, segundo comunicado da Companhia Brasileira de Propriedades Agrícolas

A BrasilAgro (AGRO3) publicou, nesta quarta (14), comunicado ao mercado publicado na Comissão de Valores Mobiliários (CMV). Segundo ele, a Charles River Capital aumentou o seu percentual de participação na companhia.

Até então, a Gestora carioca possuia em torno de 9% de AGRO3. Com a nova compra, a administradora de recursos soma um total de 10.281.388 de ações. A quantia equivale agora a 10,01% da empresa do setor agrícola.

Confira abaixo o comunicado na íntegra:

A posição estratégica da empresa em para a safra 2023/2024

No mês de novembro de 2023, Gustavo Javier Lopez, CFO e diretor de relações com investidores da BrasilAgro, compartilhou insights sobre os resultados da empresa no primeiro trimestre da safra 2023/2024 (1T24). Em síntese, Lopez destacou que as margens de grãos, especialmente do milho, tiveram uma queda de aproximadamente 30% nos preços das commodities em comparação a 2022. 

Por isso, como resposta a esse desafio a BrasilAgro reavaliou sua estratégia de plantio para a safra 2023/2024, com o objetivo de mitigar as perdas operacionais. Desse modo, uma das principais medidas tomadas foi a redução da área plantada de milho (safra e safrinha) em 9,2 mil hectares.

Leia mais  Registro de desenho industrial brasileiro é simplificado em 96 países

Essa redução na área destinada ao milho foi parcialmente compensada pelo aumento das plantações de soja e feijão, culturas que, como resultado apresentam margens mais favoráveis. Lopez explicou que a decisão de corte na área de milho foi baseada em resultados que se aproximavam de zero ou mesmo eram negativos. Assim, a empresa estabeleceu um limite de rentabilidade, considerando que tudo o que estivesse abaixo de R$ 85 por saca por hectare não seria economicamente viável.

campo de grama verde sob o céu azul durante o dia
Foto de Evangelos Mpikakis/Unsplash

Segundo trimestre da safra 2023/2024 fecha com prejuízo

Mesmo com uma reavaliação, na quarta-feira passada (7), a BrasilAgro divulgou um relatório reportando um prejuízo líquido de R$5,822 milhões. No segundo trimestre da safra anterior (2022/2023) também registraram perdas que chegaram a R$12,881 milhões.

Em relção à receita liquida, o valor apurado é de R$ 155,687 milhões, 15% menor do que registrado no 2T23 (R$ 183,032 milhões)

O CEO da empresa, André Guillaumon pontuou que “o ano de 2024 começou desafiador para o agronegócio”. Ele também destacou que, por isso, o planejamento estratégico e a visão integrada se tornam cada vez mais importantes para as empresas do setor.

Leia mais  “Inaceitável”, diz Lula sobre proposta da UE para acordo com Mercosul

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Justiça mantém obrigação da Enel de reduzir falta de luz em SP

Agência Brasil

Dólar atinge R$ 5,14 com tensões geopolíticas e inflação

Agência Brasil

Zenstox investimentos é confiável? É seguro? É scam?

Lara Donnola

Setor de Serviços recua 0,9% após três meses de alta

Agência Brasil

BC lança moeda comemorativa dos 200 anos da Constituição

Agência Brasil

Regulação de apostas online será concluída até julho

Agência Brasil

Deixe seu comentário