Guia do Investidor
CO98mqzWEAARncH
Notícias

CME: FedWatch aponta corte de 100pb no juro pelo Fed em 2024

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A ferramenta FedWatch, do renomado CME Group, lança luz sobre as expectativas em relação às taxas de juros do Federal Reserve (Fed) nos próximos anos. Surpreendendo as sinalizações anteriores de uma postura restritiva, a ferramenta aponta para um cenário mais provável de um corte acumulado de 100 pontos-base, previsto de maio até o final de 2024.

A precificação do mercado contradiz as repetidas sinalizações dos dirigentes do Fed, que apontavam para uma política monetária restritiva no horizonte. Afinal, a perspectiva de um corte nas taxas indica uma divergência significativa entre as projeções do mercado e as declarações oficiais dos dirigentes do banco central.

Taxa básica em 2024: variação de 4,25% a 4,50% considerada pelo mercado

Por volta das 17h, a ferramenta FedWatch mostrava uma probabilidade de 28% de a taxa básica encerrar o ano de 2024 em uma faixa entre 4,25% e 4,50%. Vale ressaltar que o nível atual situa-se entre 5,25% e 5,50%. Assim, essa variação sugere uma percepção do mercado de uma possível flexibilização nas políticas monetárias nos próximos anos.

Até a última sexta-feira, a maior parte da probabilidade estava centrada no intervalo entre 4,50% e 4,75%. No entanto, as dinâmicas do mercado indicam uma mudança nesse cenário, com uma redução nas expectativas para essa faixa e um aumento nas chances de uma variação mais agressiva entre 4,00% e 4,25%. Essa mudança sugere uma maior incerteza e volatilidade nas projeções econômicas.

Possibilidade de corte mais agressivo: crescimento nas expectativas para 4,00% a 4,25%

Dessa forma, a ferramenta revela que a possibilidade de um corte mais agressivo, levando as taxas para o intervalo de 4,00% a 4,25%, também cresceu. Passando de 14,5% para 16,5%, esse aumento sugere uma considerável amplitude nas possíveis trajetórias das taxas de juros, destacando a complexidade do ambiente econômico atual.

Portanto, o cenário delineado pela ferramenta FedWatch do CME Group aponta para uma evolução nas expectativas do mercado em relação às políticas monetárias. A contraposição entre as projeções do mercado e as declarações oficiais do Fed destaca a complexidade do cenário econômico atual. Contudo, os investidores e analistas precisam permanecer atentos às mudanças nas políticas monetárias que podem impactar significativamente os mercados financeiros nos próximos anos.

Vazamento revela estratégia da Meta para viciar adolescentes em apps

Um recente vazamento de documentos internos da Meta, anteriormente conhecida como Facebook (FB), trouxe à tona estratégias questionáveis da empresa, sugerindo uma abordagem deliberada para viciar adolescentes em seus aplicativos. Esse incidente, que se tornou público, não apenas levanta preocupações sobre a ética da Meta, mas também destaca a urgência de revisitar as políticas de engajamento de usuários da plataforma, especialmente entre os adolescentes.

O vazamento revelou uma série de táticas que indicam uma clara intenção da Meta em prender a atenção dos adolescentes. Desde algoritmos de recomendação altamente personalizados até notificações projetadas para criar um ciclo vicioso de uso constante, a empresa parece ter priorizado o envolvimento constante em detrimento da saúde mental dos usuários mais jovens.

Impacto na saúde mental dos jovens usuários

A revelação levanta sérias preocupações sobre os potenciais impactos na saúde mental dos adolescentes. Ao criar estratégias que incentivam o uso contínuo, a Meta pode estar contribuindo para problemas como ansiedade, depressão e falta de sono entre os jovens. Este aspecto levanta questões éticas cruciais sobre a responsabilidade das redes sociais no que diz respeito à saúde mental de seus usuários.

O vazamento intensificou o escrutínio sobre as políticas de engajamento de usuários da Meta, especialmente no que diz respeito ao público mais jovem. A sociedade agora está questionando se a empresa está agindo de maneira ética ao utilizar estratégias que parecem priorizar o vício em detrimento do bem-estar dos adolescentes. Esse escrutínio não apenas aumenta a pressão sobre a Meta, mas também destaca a necessidade de regulamentações mais rigorosas no setor de redes sociais.

O vazamento poderia desencadear um debate mais amplo sobre a ética e a responsabilidade das redes sociais no comportamento online dos adolescentes. A sociedade pede uma abordagem mais responsável, questionando se a busca incessante por engajamento pode prejudicar a geração mais jovem.

Sublinhando a importância da transparência

Dessa forma, além das questões éticas, o vazamento destaca a importância da transparência nas práticas das redes sociais. A confiança dos usuários é fundamental, e a Meta pode enfrentar desafios significativos nesse aspecto. Contudo, a transparência ajuda a sociedade a entender melhor como as plataformas online influenciam o comportamento dos adolescentes.

Portanto, o vazamento de informações sobre as estratégias é um alerta para uma abordagem mais equilibrada no desenvolvimento e na implementação de políticas de engajamento. O debate em torno da responsabilidade das redes sociais está apenas começando, e a sociedade espera que as mudanças priorizem o bem-estar dos usuários.

ChatGPT vai acabar? Saída de Sam Altman pode mudar o futuro da inteligência artificial; entenda

Na última sexta-feira, Sam Altman foi removido da liderança da OpenAI em circunstâncias ainda nebulosas. Um memorando interno da startup, obtido pela Reuters, alega que Altman não era “consistentemente franco” com o conselho, resultando na perda de confiança em sua capacidade de liderança.

Pressões por produtos comerciais de IA: o conflito de interesses

Nos bastidores, especula-se que Altman desagradou o conselho ao pressionar pela rápida aprovação de produtos comerciais baseados em inteligência artificial generativa (AGI), sem devida consideração aos riscos envolvidos.

A OpenAI, inicialmente uma empresa sem fins lucrativos, viu-se em uma encruzilhada: 49% de suas ações foram adquiridas pela Microsoft, uma empresa de capital aberto com objetivos voltados para acionistas.

Com Altman agora na Microsoft, analistas vislumbram um impulso significativo para a gigante tecnológica na corrida pela supremacia em inteligência artificial. Frederick Hayemeyer, analista do grupo Macquarie, sugere que a Microsoft pode ter adquirido a “parte mais importante da OpenAI”.

Descontentamento na OpenAI: uma crise interna

A saída abrupta de Altman, juntamente com Greg Brockman, ex-presidente do conselho, desencadeou insatisfação generalizada na OpenAI. Então, uma carta assinada por 702 funcionários, representando 75% da equipe, ameaça uma demissão coletiva se o atual conselho não renunciar.

Por outro lado, a Microsoft ofereceu uma proposta para absorver os funcionários descontentes em uma nova subsidiária, supervisionada diretamente por Altman e Brockman. Contudo, o êxodo iminente levanta a preocupação sobre o destino da capitalização de US$ 86 bilhões da empresa.

Mudança de postura ou menos rigor?

Este ano, Altman defendeu sua posição no Congresso dos EUA, afirmando levar a sério os “riscos existenciais” relacionados ao desenvolvimento da IA. Afinal, sua postura alinhada a outros líderes, como Elon Musk, indicava uma preocupação genuína com IAs hipercompetitivas.

Entretanto, sua proximidade com a Microsoft agora suscita temores de um julgamento menos rígido em relação aos riscos, com potenciais prioridades comerciais sobrepujando as considerações éticas.

Um novo capítulo na narrativa da IA

Portanto, a ‘dança das cadeiras’ entre a OpenAI e a Microsoft redefine o cenário da inteligência artificial. Com a Microsoft emergindo como favorita, o destino da OpenAI e a orientação ética na evolução da IA permanecem incertos. Assim, a comunidade aguarda ansiosamente para ver como essa mudança de liderança moldará o futuro da tecnologia que tanto fascina e preocupa.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Deixe seu comentário