Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Com medo do resultados das eleições? Confira as ações blindadas contra risco

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

As eleições presidenciais estão roubando as atenções do mercado nesta sexta-feira, em uma agenda sem muitos destaques, investidores aproveitaram o pregão para estipular os desfechos e possíveis estratégias dos candidatos a presidência da república e seus propósitos.

No entanto, nem todos os investidores estão propensos a se expor as movimentações eleitorais e as consequências para a mesma para a carteira de investimentos do mercado.

Ainda que a cena externa tenha tido mais peso sobre os mercados neste ano do que em eleições anteriores, com temores sobre inflação, alta global dos juros, risco crescente de recessão e guerra da Rússia na Ucrânia, a incerteza com relação ao resultado eleitoral ainda pressiona os ativos domésticos.

Então, por que não blindar os seus investimentos contra este risco?

Enquanto algumas empresas podem ser consideradas “blindadas” na bolsa ante o desfecho nas urnas, outras tendem a ser mais impactadas por causa da forte exposição ao governo. A Bloomberg Línea consultou gestores e analistas para saber como o mercado está posicionado.

Para a Eurásia, uma grande casa de análise de risco político, a ‘arrancada final’ na eleição, mas cenário-base ainda tem 2º turno Para Roberto Attuch, fundador e CEO da casa de análise Ohmresearch, o fim da disputa eleitoral deverá reduzir as incertezas e contribuir para a retomada do mercado de renda variável no Brasil.

Leia mais  O que comprar na bolsa hoje? Descubra 7 ações que não podem faltar em sua carteira

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Confira abaixo as melhores opções para blindar seus investimentos.

Bancos

Bancos Filipe Ferreira, diretor da Comdinheiro, destaca que o setor bancário tende a ter bom desempenho independentemente dos resultados eleitorais, dado que pode se beneficiar tanto de um cenário de alta quanto de queda dos juros. Em uma pesquisa com gestores locais feita pela XP, a maioria mostrou otimismo em relação ao setor.

Leia mais  Eleições: Pesquisa do BTG Pactual aponta Lula vencedor nas urnas na maioria dos cenários

Dentre os nomes preferidos estão Itaú Unibanco (ITUB4) e Banco do Brasil (BBAS3), e, embora este último envolva riscos políticos, os papéis estão hoje sendo considerados baratos, segundo o levantamento. Menos gestores também mencionaram apostas nas ações do Bradesco (BBDC4).

Óleo e gás

Apesar da incerteza em torno do cenário macro, a maioria dos gestores consultados pela XP está posicionada no setor de óleo e gás. Além de Petrobras (PETR3; PETR4), empresas menores do setor como PetroRio (PRIO3), 3R Petroleum (RRRP3) e PetroReconcavo (RECV3) foram citadas por muitos como exposição ao setor sem risco político. Há, contudo, preocupação com os riscos de execução, segundo o levantamento.

Construtoras

Segundo analistas, as ações de incorporadoras voltadas ao segmento de baixa renda despontam como uma escolha defensiva no cenário atual. Com o ciclo de aperto monetário chegando ao fim, a percepção é que o setor tende a se beneficiar independentemente do resultado da disputa presidencial.

Isso porque um programa federal de apoio à habitação popular deve figurar como prioridade para ambos os candidatos líderes nas pesquisas – o atual Casa Verde e Amarela ou mesmo um modelo mais parecido com o Minha Casa, Minha Vida, seu antecessor nos governos do Partido dos Trabalhadores (PT). Em setembro até a terça-feira (27), as ações de Tenda (TEND3), Direcional (DIRR3) e MRV (MRVE3) acumulavam ganhos de 21%, 15,8% e 14,4%, respectivamente.

“Não vejo nenhum candidato mudando o programa [habitacional] de maneira negativa. Se der Bolsonaro, é continuidade. Se for Lula, não deve mudar muito”, diz Ygor Altero, chefe de mercado imobiliário da XP, que cita a ação da Cury (CURY3) como preferida, seguida pela Direcional (DIRR3).

O JPMorgan (JPM) também avalia que as eleições presidenciais não devem impactar o segmento de baixa renda, à medida que “os principais candidatos apoiam o programa Casa Verde e Amarela”, segundo relatório divulgado no início do mês e assinado pelo analista Marcelo Motta. No melhor cenário, diz o banco de investimento americano, subsídios adicionais poderiam ser anunciados. No pior cenário, podem ser autorizados novos saques do FGTS para estimular o PIB. O banco cita, em ordem de preferência, as ações de MRV, Direcional, Cyrela (CYRE3), Eztec (EZTC3) e Tenda.

Leia mais  7 ações para comprar e lucrar ainda em Janeiro

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Os melhores ETFs de Cannabis para 2024

Arthur Piassetta

Petrobras: Santander e Bradesco BBI reduzem recomendações

Guia do Investidor

Carteira EQI: Recomendações de Investimentos da Semana

Mateus Sousa

Usiminas promete reviravolta com melhoria nos custos e produção

Guia do Investidor

Goldman Sachs muda visão sobre Bradesco para neutra

Guia do Investidor

As melhores ações para investir em Fevereiro

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário