Guia do Investidor
Dell
Notícias

Dell dispara e Nasdaq atinge novo recorde em NY

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Bolsas em NY fecham em alta, com destaque para o Nasdaq, impulsionado pelo salto de mais de 31% das ações da Dell após divulgação do balanço.

No primeiro pregão de março, as bolsas em Nova York fecharam em alta, com o Nasdaq alcançando um novo recorde de fechamento. O destaque foi o salto impressionante de mais de 31% nas ações da Dell, impulsionado por um balanço que superou as expectativas.

A empresa viu um aumento na demanda por seus servidores otimizados para inteligência artificial (IA). Enquanto isso, o Dow Jones e o S&P500 também registraram ganhos, com este último também fechando em nível recorde. Os investidores estão otimistas em relação ao ciclo de corte de juros do Fed, à medida que indicadores de atividade fracos nos EUA fortalecem essa perspectiva. Os retornos dos Treasuries recuaram em resposta a esses desenvolvimentos.

Alta expressiva das ações da Dell impulsiona Nasdaq a um novo patamar, enquanto indicadores fracos fortalecem expectativas de corte de juros do Fed

No primeiro dia de operações de março, o mercado financeiro em Nova York testemunhou uma série de movimentos notáveis, com destaque para o Nasdaq, que atingiu um novo recorde de fechamento. O índice avançou 1,14%, fechando aos 16.274,94 pontos. Esse desempenho foi impulsionado, em grande parte, pelo extraordinário salto de mais de 31% nas ações da Dell, uma vez que a empresa divulgou um balanço trimestral que superou as expectativas do mercado.

A Dell, conhecida por suas soluções em tecnologia da informação, viu um aumento significativo na demanda por seus servidores otimizados para inteligência artificial (IA), o que contribuiu significativamente para seus resultados financeiros positivos.

Enquanto isso, o Dow Jones também registrou ganhos, subindo 0,23% e fechando aos 39.087,38 pontos, enquanto o S&P500 ganhou 0,80%, fechando em 5.137,08 pontos, também alcançando um nível recorde de fechamento.

Leia mais  LGCP11: Banco Inter lança seu primeiro Fundo Imobiliário

O otimismo prevaleceu no mercado em relação ao ciclo de corte de juros do Federal Reserve (Fed), o banco central dos Estados Unidos. Isso foi em parte impulsionado por indicadores de atividade fracos nos EUA, que aumentaram as expectativas de que o Fed continuará com políticas de estímulo monetário.

Como resultado dessas perspectivas, os retornos dos Treasuries recuaram. O juro do T-bond de 30 anos, por exemplo, caiu para 4,3238%, em comparação com os 4,3832% do dia anterior. Esses movimentos indicam uma mudança nas percepções dos investidores em relação ao ambiente econômico e às políticas monetárias nos EUA.

Movimento de queda do dólar frente a emergentes no início de março reflete expectativa de estímulos na China

O dólar iniciou o mês de março em um declínio modesto em relação a moedas emergentes, como o real brasileiro, evidenciando uma tendência internacional. Este movimento é atribuído às expectativas de estímulos econômicos que se esperam que a China anuncie durante as reuniões plenárias anuais de seu governo, programadas para a próxima semana.

Leia mais  Dia de recuperação para Petrobras; Natura lidera Queda

A possibilidade de medidas de apoio à economia chinesa impulsionou não apenas as moedas, mas também o mercado de commodities, beneficiando países produtores.

Apesar de sinais contraditórios da economia chinesa, com dados oficiais apontando para uma queda na atividade industrial e leituras alternativas sugerindo um ligeiro crescimento, o mercado permaneceu confiante na possibilidade de estímulos.

Enquanto isso, nos Estados Unidos, as declarações de Tom Barkin, membro do Federal Reserve de Richmond, sugerindo uma abordagem cautelosa em relação aos cortes de juros, inicialmente fortaleceram o dólar. Contudo, dados mistos da economia americana acabaram por manter a pressão de baixa sobre a moeda.

No cenário nacional, os investidores voltaram sua atenção para os números do Produto Interno Bruto (PIB), que mostraram um crescimento anual de 2,9%, embora tenha permanecido estável no quarto trimestre em comparação com o anterior. Esse cenário de estagnação trimestral indica uma desaceleração econômica, possivelmente influenciando a decisão do Banco Central em relação à taxa Selic.

O dólar encerrou o dia em baixa de 0,35%, cotado a R$ 4,9553, após flutuações entre R$ 4,9467 e R$ 4,9746. Na semana, a moeda norte-americana registrou um recuo de 0,76%. No mercado futuro, o dólar para abril também apresentou queda de 0,33%, cotado a R$ 4,9675.

Leia mais  Em clima de Feriado, Ibovespa ensaia recuperação nesta 2ªF

No mercado internacional, o índice DXY, que mede o valor do dólar em relação a uma cesta de moedas estrangeiras, recuou 0,27%, enquanto o euro e a libra esterlina mostraram ganhos de 0,31% e 0,28%, respectivamente.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Crise na Bolsa de Valores? Um alerta para a economia brasileira

Fernando Américo

O que acontece com uma nova bolsa de valores no Brasil?

Fernando Américo

Insider? Investidor desembolsa 1,7 milhão de reais em CALL da Petrobrás

Guia do Investidor

Ministro critica “lucro exorbitante” da Petrobras e nega interferência

Rodrigo Mahbub Santana

Empresa de Trump tem prejuízo de quase US$ 60 bi em 2023

Rodrigo Mahbub Santana

BTG Pactual rebaixa recomendação da Vale em meio a tumulto

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário