Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Economia fraca faz demanda por seguros de autos no Brasil cair 22,07% em abril

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Após três meses aquecidos, entre janeiro e março de 2023, o mercado brasileiro de seguros de automóveis apresentou queda pela primeira vez no ano. Em abril, foi registrado um recuo de 22,07% na comparação com março. É o que mostra o Índice Neurotech de Demanda por Seguros (INDS). O indicador mede mensalmente o comportamento e o volume das consultas na plataforma da Neurotech, empresa pioneira em soluções de inteligência artificial aplicadas a seguros e crédito.

Apesar do primeiro resultado negativo de 2023, na comparação anual houve aumento 6,60%, considerando os números de abril do ano passado.

Na análise individual dos Estados que fazem parte do Índice, todos apresentaram queda na comparação com o último mês de março. O ranking ficou assim: São Paulo (-26,45%), Rio de Janeiro (-22,61%), Minas Gerais (-20,21%), Rio Grande do Sul (-17,82%) e Paraná (-14,89%). Na comparação anual entre abril de 2022 e 2023, o único estado que registrou crescimento da demanda foi o Rio Grande do Sul (7,79%).

Leia mais  Consultas processos e situação CPF Receita Federal: veja como

Apesar da mudança de comportamento em relação aos meses anteriores, Daniel Gusson, head comercial de Seguros da Neurotech, vê o movimento como esperado e mantém a expectativa otimista para o setor durante o restante de 2023.

“O bom momento vivido entre janeiro e março elevou o patamar deste mercado, tornando qualquer recuo estatisticamente mais significativo. Vale lembrar que, por conta do aumento dos preços dos veículos novos e usados, o valor das apólices também registrou alta”, explica.

Ele lembra ainda que a queda do indicador está relacionada à redução das vendas dos novos veículos. Segundo dados da Fenabrave, em abril foram emplacados 118.127 automóveis, um recuo de 19,18% em relação a março, quando o número somou 146.165.

Gusson ressalta que o Índice Neurotech de Demanda por Seguros (INDS) é medido através do volume de consultas. Ou seja, o impacto para as seguradoras pode ser até mais brando em relação ao que a queda no interesse revela.

“Nem todas as consultas registradas são efetivadas, pois a aceitação da apólice depende de diversas variáveis de risco que vão impactar no seu valor. O INDS serve como direcionamento do momento do mercado para as futuras ações estratégicas das seguradoras”, afirma.

Criado em fevereiro do ano passado, o Índice é baseado em volume de cotações e veio da demanda do setor em ter um indicador confiável que demonstrasse qual o apetite do brasileiro em assegurar o seu veículo.

Leia mais  Vai viajar? Veja 10 destinos em alta, com 3 cidades brasileiras

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Mercados reagem a incertezas fiscais com alta dos juros e dólar

Autor Convidado

Dólar sobe para R$ 5,38 e emenda quarta semana de alta

Agência Brasil

Inflação de 2024 pesa mais para famílias de renda muito baixa

Agência Brasil

Nova presidente da Petrobras troca três diretores da estatal

Agência Brasil

Economia brasileira cresce apenas 0,01% em abril

Rodrigo Mahbub Santana

IBC-Br: atividade econômica cresce 0,01% em abril

Agência Brasil

Deixe seu comentário